Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

minhas notas

visita do papa à arménia

09.02.17 | minhasnotas

Partilho aqui convosco três intervenções dignas de registo nos últimos dias.
1.Entre os dias 24 e 26 de Junho, O Papa Francisco visitou a Arménia. Não deixou de fazer uma referência pesarosa à história trágica e conturbada desta nação no século XX, nomeadamente o genocídio ou o holocausto arménio realizado pelo império otomano, entre 1915-23. Morreram oitocentos mil a milhão e meio de arménios. Para a maioria dos estudiosos e historiadores não há qualquer dúvida que se tentou a eliminação do povo Arménio, num dos primeiros genocídios da modernidade. A atual Turquia ainda não reconheceu ou não aceita o termo genocídio (em França é crime não o reconhecer), por isso, contestou e lamentou as palavras do Papa Francisco, que não teve dúvidas em afirmar na Arménia: «o «Grande Mal», que atingiu o vosso povo e causou a morte duma multidão enorme de pessoas. Aquela tragédia, aquele genocídio, marcou o início, infelizmente, do triste elenco das imensas catástrofes do século passado, tornadas possíveis por aberrantes motivações raciais, ideológicas ou religiosas, que ofuscaram a mente dos verdugos até ao ponto de se prefixarem o intuito de aniquilar povos inteiros.». Para a Igreja Católica não há dúvidas: foi mesmo um genocídio.
2.No dia 28 de Junho, O Papa emérito Bento XVI celebrou sessenta e cinco anos da sua ordenação sacerdotal. Num prefácio de um livro sobre Bento XVI, o Papa Francisco, que assina o prefácio, manifesta a admiração pelo exemplo do seu predecessor e não poupa nos elogios: «Ainda antes de ser um grandíssimo teólogo e mestre da fé, vê-se que é um homem que acredita verdadeiramente, que reza verdadeiramente; vê-se que é um homem que personifica a santidade, um homem de paz, um homem de Deus». É um bom «exemplo da «Teologia de joelhos», que valoriza a oração como «fator decisivo» na vida de quem se consagra a Deus. «É talvez e sobretudo do Mosteiro Mater Ecclesiae, para onde se retirou, que Bento XVI continua a testemunhar de modo ainda mais luminoso o fator decisivo, esse núcleo íntimo do ministério sacerdotal de que os diáconos, os sacerdotes e os bispos não devem esquecer nunca: que o serviço mais importante não é a gestão dos assuntos correntes, mas rezar pelos outros, sem cessar, alma e corpo, exatamente como o faz hoje o Papa Emérito». E sentenciou: «Sem a ligação com Deus, somos como satélites que perderam a sua órbita e se precipitam em louca corrida ao vazio, não só desagregando-se a si mesmos mas também ameaçando os outros». É bom ver esta estima e boa convivência entre Francisco e Bento XVI. Outra coisa não seria de esperar.
3. Entre os dias 24 e 25 de Junho, decorreu em Fátima o simpósio teológico-pastoral promovido pelo Santuário. O arcebispo de Boston, franciscano capuchinho, o cardeal D. Sean O´Malley, que integra o Conselho de Cardeais, com nove elementos, que o Papa escolheu para o aconselharem no processo de reforma da constituição do Vaticano e do governo da Igreja Católica, esteve presente no encerramento, com a última conferência. Na conversação que teve com a comunicação social, deixou-nos algumas afirmações importantes para a vida e a reflexão da Igreja e da sociedade em geral. Primeiro, destacou a importância dos santuários: «Muitas vezes as pessoas não têm tempo para a oração, para uma experiência religiosa e é só quando fazem uma peregrinação é que têm tempo para rezar, confessar-se, comungar, sentir-se parte de uma família de crentes». Destacou a importância de Maria na fé cristã: «A nossa teologia é muito cerebral, teórica, mas a virgem Maria faz tudo mais humano, sentimental». Sem a oração, dificilmente se pode ser um bom cristão: «Jesus veio ao mundo para salvar e não para instruir. Se só ensinarmos doutrina e história e não ensinarmos a rezar, seguiremos Cristo de longe e não seremos discípulos». Os cristãos têm de ser «mestres de oração». Precisamos de «transformar cristãos secularizados em apóstolos comprometidos», um trabalho árduo porque se vive hoje uma «verdadeira crise de valores, sem referências para os mais jovens. Eles precisam de mentores, alguém que os ensine e que pelo testemunho os ajude não a admirar Jesus mas a ser como Ele». É preciso propor outra educação e outra cultura: «Num mundo marcado pela fama em que os heróis foram substituídos por celebridades, com vidas frívolas e superficiais; numa cultura viciada pelo entretenimento os nossos jovens precisam ser ensinados». E lançou um desafio: «É urgente criar uma Civilização do amor que valorize o essencial», combatendo-se «uma sociedade onde a vida humana é constantemente desvalorizada; o eu individual sobrepõe-se a tudo; onde a segregação é uma marca permanente e onde a distribuição da riqueza está totalmente desequilibrada».