Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

minhas notas

o homem light

10.09.12 | minhasnotas

Um dos livros que ando a reler, com renovado entusiasmo, no pouco tempo que tenho à disposição nestes ofegantes e agitados meses de Verão, é um livro que me ficou no goto desde os tempos de estudante: O Homem Light, uma vida sem valores, de Enrique Rojas. Se antes o li entre quatro paredes, na ingenuidade de um discente curioso que se atrevia a perscrutar um pouco a realidade humana e social que iria enfrentar um dia, hoje faço-o, convencido e afirmativo, com a constatação e alguma experiência que me foi dada a sorver, no palco da vida. Temos de repensar o rumo que o homem seguiu nas últimas décadas, cego pelo bem-estar acima de tudo e a todo o custo.

 

Nos últimos anos, uma série de produtos light invadiu o mercado, facilmente ao nosso dispor em qualquer hipermercado. São produtos que foram alterados na sua identidade, nomeadamente no grau de gordura ou açúcar que oferecem, para não serem tão nocivos à saúde e para satisfazerem os níveis de elegância e estética que o homem contemporâneo prolatou. Andam por aí cerveja sem álcool, manteiga sem gordura, açúcar sem glicose, tabaco sem nicotina, coca-cola sem cafeína, vários produtos alimentares com poucas calorias e com pouca gordura. Alguns especialistas já alertaram que estão cheios de mentiras e que as substâncias que são adicionadas para a sua mutação poderão não ser as mais saudáveis. Mas como o homem atual é escravo da sua imagem, em nome dela está disposto a tudo. Ainda não se lembraram de fazer queijo da serra light (pelo menos que eu saiba), e espero muito bem que tenham um ataque de amnésia. Será um atentado inaceitável ao honroso queijo serrano e aos abnegados pastores, que enfrentam intempéries de toda a espécie, para oferecem ao mundo uma das suas melhores iguarias.

 

O que são, afinal, os produtos light? São produtos que perderam a sua essência, o seu conteúdo, a sua alma, o seu sabor. Ainda sabem a alguma coisa, mas correm o perigo de não saber a nada. Querem ser tão suaves e leves, que pouco faltará para serem reduzidos a nada. Segundo a opinião de Enrique Rojas, depois da queda dos totalitarismos e da crença nas ideologias, que dominou grande parte do século vinte, e na senda dos produtos light, nasceu também «um homem light»: «um homem sem essência, sem conteúdo, sem valores, entregue ao dinheiro, ao poder, ao êxito e ao prazer ilimitado e sem restrições», um homem «que tem por bandeira uma tetralogia niilista: hedonismo (prazer), consumismo (ter e desfrutar), permissividade (vale tudo) e relativismo (subjetividade). Todos eles impregnados de materialismo.»

 

Não nos é difícil constatar isto. São estes os valores que atualmente fazem correr a maioria das pessoas. Mas, são estes os valores que dão solidez e sentido à vida? «O homem light carece de pontos de referência, vive num grande vazio moral e não é feliz, ainda que tenha materialmente tudo», afirma o autor.

 

É certo que o período dos totalitarismos, onde predominou o autoritarismo, o terror, a opressão, a violência, o desrespeito pelos direitos humanos, lançou a suspeita sobre os princípios e os valores, minou a vontade de se entregar a algo ou a alguém, e despoletou a ânsia coletiva da eclosão de um tempo de exercício da liberdade, e o desmoronamento das ideologias torpedeou o empenho por mudar a sociedade e se entregar a causas e a ideais, e afagou a desilusão e o desencanto, mas o homem que surgiu despois daquela época tenebrosa também está muito longe de poder concretizar a realização da sua humanidade. Nas palavras de Enrique Rojas, desabrochou um homem relativamente bem informado, mas com escassa educação humana, entregue ao pragmatismo. Tudo lhe interessa, mas só a nível superficial. Não é capaz de fazer a síntese daquilo que recolhe e, por conseguinte, é um sujeito trivial, vão, fútil, que aceita tudo e não tem critérios sólidos na sua conduta. Reveste-se das seguintes características: «pensamento débil, convicções sem firmeza, apatia nos seus compromissos (que reduz ao mínimo); indiferença feita de curiosidade e relativismo ao mesmo tempo; a sua ideologia é o pragmatismo e o imediato; a sua norma de conduta é o hábito social, o que se tolera e o que está na moda; a sua ética fundamenta-se na estatística, substituta da consciência; a sua moral, repleta de neutralidade, falta de compromisso e subjetividade, é relegada para a intimidade, sem se atrever a vir a público». Diagnóstico soberbo. Eis alguns frutos do homem light: crise e rutura do casamento, o drama das drogas, o culto da noite (muitas vezes para esconder um dia sem metas, sem sentido, sem objetivos e sem ideais), o absentismo ao trabalho, deterioração das relações humanas, decréscimo da educação, enfraquecimento das associações e do espirito associativo, individualização em detrimento da sociedade ou da comunidade, entre outros.

 

Estes tempos convulsos que vivemos, que são consequência do homem light que reinou nos últimos anos, devem-nos despertar para uma nova conceção de ser homem e de ser sociedade, um novo paradigma de que já muitos falam, mas um novo paradigma que não tenha medo de encarar a verdade mais profunda da vida e do homem, na resposta aos anseios mais profundos do coração humano, e que procure o que é mais nobre e digno do ser humano. Enrique Rojas deixa-nos a sua solução: «Frente à cultura do instante (uma existência inútil) está a solidez dum pensamento humanista; frente à ausência de vínculos, o compromisso com os ideais. É necessário superar o pensamento débil com argumentos e propostas suficientemente atrativas para o homem, de forma a possibilitar que este eleve a sua dignidade e as suas pretensões», «há que conseguir um ser humano que esteja disposto a saber o que é bem e o que é mal; que se apoie no progresso humano e científico, mas que não se entregue à cultura da vida fácil, onde qualquer motivação tem apenas como fim o bem-estar, um determinado nível de vida ou o prazer sem limites. Um homem consciente de que não pode haver verdadeiro progresso humano enquanto este não se desenvolver numa base moral».