Sábado, 21 de Junho de 2014

Sobretudo na Europa, vivemos tempos de grande indiferença religiosa. Instalou-se a convicção de que se pode viver perfeitamente sem uma referência divina e sem qualquer relação com o transcendente. A religião é uma perda de tempo ou até um adorno desnecessário, ainda assim útil, dirão alguns, para se ir enterrando os mortos e para se ir tendo algum consolo nas agruras da vida. Sinais dessa indiferença é a facilidade com que hoje muitos se dizem agnósticos ou católicos não praticantes, que são a esmagadora maioria da sociedade. Há o agnóstico que anda à procura, e por este tenho um grande respeito, mas há o agnóstico que habilmente usa a palavra para não dizer que não se importa nada com Deus nem com a religião. É o caso da maioria dos ditos agnósticos. Quanto aos católicos não praticantes, é uma fórmula cómoda e incoerente que se criou para se dizer o mesmo, mas mais grave ainda, porque não se vive aquilo que se professa. Para que é que serve uma fé num Deus a quem não dou importância nenhuma na minha vida do dia-a-dia? Enfim, está aí a indiferença religiosa.

São muitas as causas que apontam para a indiferença religiosa: as más práticas das religiões, que, por vezes, parecem contribuir mais para o obscurantismo e a escravidão do que para a liberdade e a verdadeira realização das pessoas; o contratestemunho e as ações imundas das religiões; o seu imobilismo, resistência à mudança e desfasamento face à evolução; o pensamento débil e o comodismo do mundo atual, que não quer saber de grandes ideais e compromissos, nem de grandes inquietações e destinos; a ligação das religiões com a violência, entre outras. Aceito que tudo isto gere alguma resistência à religião e não convide muito à vivência religiosa. Mas não justifica tudo. Os clubes de futebol têm muitos maus exemplos e muitos atos reprováveis e não param de ter adeptos. Bem pelo contrário. Os partidos políticos fartam-se de acumular incoerências e imoralidades e não deixam de ter seguidores. Se as pessoas deixam de ser católicas por causa das desonestidades e das incongruências do catolicismo, então têm de deixar de ser muita coisa, mas, pelos vistos, selecionam sem grande racionalidade.

A questão é que a causa para muita indiferença religiosa é bem mais profunda. O homem é um ser religioso. Sente a necessidade de procurar e de se relacionar com alguém que o sacie e lhe mate as suas sedes e as suas fomes. Alguém totalmente outro que dê consistência à vida e que a torne uma experiência plena, eterna e fecunda. Tem vida interior que apela para vivências mais profundas e para a busca de sentido e de espirito. O homem atual deixou de sentir isto? É claro que não. Isto está é anestesiado e adormecido nas pessoas. A religião seguiu um caminho errado, caminho que ainda está muito longe de ser corrigido. O ser humano tem tendência a fabricar materialismos religiosos e religiões materialistas. Com o tempo, contagiando tudo e todos, o ser humano é levado a materializar a sua religião e a sacralizar os seus materialismos. Repare-se, por exemplo, segundo o que ouvimos, no que as pessoas vão buscar a Fátima: cura de uma doença, sucesso de um empreendimento, triunfo nos exames, vitória do seu clube, sucesso na vida e nos negócios, emprego, entre outros. Como dizia D. António Ferreira Gomes, bispo do Porto, «para muitos cristãos católicos a religião não tem nada de transcendente». É útil para resolver problemas e dificuldades. Só andamos de roda de Deus para termos proveitos materiais. É o que é mais frequente na vivência religiosa. Pouco a pouco, fomos limitando a religião a esta prática materialista e interesseira. Muitos católicos, possivelmente, rezam porque têm interesse em obter coisas de Deus. Sinal claro disto mesmo é que quando há guerra, as igrejas estão cheias de fiéis, que esquecem imediatamente esse caminho logo que regressa a paz ou a abundância, a prosperidade e a riqueza.

O facto de a religião se apresentar como conquistadora e distribuidora de vantagens materiais contribuiu muito para a indiferença religiosa. Alguns perguntarão: mas então Deus não é Pai e não tem prazer em dar coisas? Certamente que tem. Mas abusou-se e abusa-se desta prática, de tal forma que a religião se impôs pelo seu carácter utilitário e a prática religiosa tornou-se um fazer isto para ter aquilo ou dar tanto para ter tanto, uma negociata e jogo de interesses, em que só se busca a realização dos interesses materiais. Só que a religião não pode reduzir-se nem degenerar num conjunto de pedidos materiais, fazendo-se de Deus um grande distribuidor sobrenatural de vantagens materiais. A oração torna-se, assim, um discurso interesseiro. A busca de aspirinas celestes. Foi este caminho errado que as religiões trilharam. Ora, adquirindo-se as vantagens materiais, Deus torna-se um Deus inútil, um Deus que sabemos estar ali, mas ao qual não damos nenhum lugar, nenhuma atribuição na nossa vida. Um Deus a quem já não se reza ou quase já se não reza. Depois que se desenvolveram os meios técnicos, o homem pede aos técnicos muitas coisas que outrora pedia a Deus. Repentinamente, deixou de se ocupar com Deus. Parece-lhe desnecessário para a sua vida quotidiana, a não ser para quando todos os meios técnicos falhem. As religiões, têm, assim, de sanar este grande equívoco, esta grave deturpação da vivência religiosa, têm de proceder à desmaterialização do seu discurso e das suas promessas e da sua configuração utilitária, que as desfigura, e que, infelizmente, ainda aí anda muito na pregação religiosa. A grandeza da religião está na relação mística com Deus que ela oferece aos crentes, onde o homem verdadeiramente se realiza e satisfaz, porque o homem realiza-se no seu estar e ser e não no seu ter.



publicado por minhasnotas às 12:19 | link do post | comentar

Quinta-feira, 5 de Junho de 2014

Não consigo entender e aceitar o caminho libertino que certa indústria artística e musical e que certos artistas do mundo do espetáculo e da música escolhem. É lastimável o que tem acontecido em muitos concertos musicais e o que se publica em muitas revistas do género. Todos os dias constatamos que o mundo atual idolatra o êxito e o sucesso a todo o custo e que, muitas vezes, vive-se uma vida encenada com argúcia para se andar nas bocas do mundo a toda a hora. Pobres dos coitados e das coitadas que vivem nesse mundo triste e bizarro! Mas conservamos sempre aquela convicção de que os limites e os padrões mínimos da moralidade não serão ultrapassados, sob pena de conspurcarmos a confiança e a convivência sadias entre pessoas humanas. A honra e o respeito pela nossa dignidade de pessoas humanas e o respeito pelos outros devem balizar sempre a nossa postura e a nossa ação.

Repare-se, por exemplo, nas atividades recentes da jovem Miley Cyrus ou do jovem Justin Bieber, e até da Rihanna, entre outros, como também poderíamos falar da rainha da pop musical noutros tempos, a Madonna, artistas idolatrados pela esmagadora maioria dos adolescentes e jovens atuais. Com o intuito de andarem sempre na berra e de não baixarem os índices de popularidade, que muito dinheiro lhes traz, vão colecionando todos os dias atrevimentos e pequenos acontecimentos e gestos com grande carga sexual e de descarada malcriadez, mau gosto, sem a mínima preocupação pela decência, sem qualquer respeito por si mesmos e pelos outros. Dir-me-ão que há uma indústria gananciosa e sem escrúpulos, que só vê dinheiro, por detrás deles, que os provoca e incentiva a fazer do escândalo e da parvoíce um modo de vida. É verdade. Mas mesmo assim, acreditamos que têm inteligência suficiente para não se deixarem enredar a pontos de enxovalho impróprios da sua dignidade e da moral que devem exibir como pessoas humanas. Se perdemos o respeitos por nós mesmos, que mais nos resta? 

A sociedade atual devia condenar abertamente e decididamente estes comportamentos e estas condutas e não deixar prosperar este tipo de indústrias debochadas, que se borrifam para a moral e para a decência humana, e fazer ver aos artistas que é preciso outra forma de estar na vida. Mas o que mais nos espanta, é que existe uma grande fatia da sociedade que se diverte e que gosta e até devora avidamente este carrocel de disparates, insolências, arrogância, libertinagem, sexualidade, escândalos e tolices. Alguns artistas também fazem o que fazem porque sabem que vende e que há um grande público que vai ter com que se entreter nos próximos dias. Vejam no que se está a tornar o facebook: a autoestrada para toda esta lixeira mediática. O que só põe a nu o défice de valores morais e humanos na sociedade atual, merecendo de nós uma séria preocupação e reflexão.

Ainda assim, e é o que mais me inquieta, é que faltam exemplos sólidos e referências claras para a nossa juventude, referências que incutam e inspirem bons ideais, causas nobres, valores humanos e sociais, o saber ver a vida para além do dinheiro e do sucesso, o sacrifício e a dedicação aos outros, o viver vidas autênticas, sem maquilhagem e sem fachada, a capacidade de enfrentar e vencer as dificuldade em nome de bens maiores, a busca de uma sociedade mais humana e justa. Aqui e acolá vão aparecendo pequenos grandes exemplos, mas não dominam a agenda mediática, sendo rapidamente despachados com meia dúzia de palmas, de forma que a juventude atual, dependente das novas tecnologias, com quem passa muito tempo, absorvendo muito do que vê e lê de forma muito passiva e acrítica, vai crescendo num deserto de referências consistentes e numa mixórdia de valores e contravalores, que a arrasta para uma vida vazia e banal, fortemente individualista e hedonista, ao sabor do imediato, sem grande sentido.


tags:

publicado por minhasnotas às 15:54 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds