Quinta-feira, 25 de Junho de 2009

6 da manhã - saída de Montalegre em direcção a Viana do Castelo

 

 

                                                                          Viana do Castelo

 

 

S. Luzia

 

 

travessia do Rio Minho para Espanha

 

 

boa disposição a bordo

 

 

boa disposição

 

 

lá ao fundo um tubarão, reparem bem...

 

 

chegada a Espanha

 

 

S. Tecla

 

 

a paisagem é maravilhosa

 

 

a imponência do mar

 

 

há mar e mar e amar...

 

 

Igreja das conchas em Sanxenxo

 

 

visita aos viveiros do mexilhão

 

 

os viveiros

 

 

chegada a S. Tiago de Compostela

 

 

S. Tiago, rogai por nós...

 

 

era Domingo, Cristo ressuscitado brilhava...

 

 

saída de S. Tiago a caminho da Corunha

 

 

Torre de Hércules em Corunha (raio do poste...)

 

 

22 horas - chegada a Montalege. Barroso sempre.

 

 


tags:

publicado por minhasnotas às 14:46 | link do post | comentar

O nosso tempo tem um problema com o pudor. Se na vida corrente cada um continua recatado como antes, a cultura oficial faz enormes esforços para eliminar o que considera «preconceitos». Revistas, publicidade, filmes, televisão estão cheios de nudez aberta ou sugestões sexuais. Ser desinibido é imposição social. A pornografia passa por arte e a moda impõe o erotismo. Isso tem efeitos no quotidiano.

 

No Verão as ruas parecem praias e todos fingem ignorar o efeito lúbrico da exposição corporal. Em poucas décadas passou-se da dama que não mostrava o tornozelo para a que quase só tapa o tornozelo.

 

Mas não se deve dizer que a cultura não tem pudor. A natureza humana nunca muda, só altera as aparências. O nosso tempo tem muita modéstia, mas em coisas diferentes. Por exemplo, em religião.

 

É muito curioso notar como hoje se tem muito cuidado em ocultar pudicamente os sentimentos espirituais. Crentes e até clérigos gostam de falar de humanismo, solidariedade, valores, para tratar da sua fé, devoção, amor a Deus. O paralelo é evidente. Outras eras exaltaram a castidade como hoje muitos se orgulham do ateísmo, que é visto, não como uma posição religiosa entre outras, mas como uma dignidade superior, acima da corrupção das crenças. Como antes se via a virgindade.

 

No passado quando uma jovem se vestia de forma mais ousada apareciam logo guardiãs da decência a interpelá-la. Hoje se alguém manifesta em público a sua fé surgem também vestais ateias a protestar. E o argumento é igual: «isso são coisas para fazer na intimidade da alcova».

João César das Neves

 



publicado por minhasnotas às 09:43 | link do post | comentar

Quarta-feira, 24 de Junho de 2009

 

Desde o dia 19 até Junho de 2010, a Igreja no mundo celebrará o Ano Sacerdotal convocado pelo papa Bento XVI(no ano que passou celebrou-se o ano Paulino). Com o tema “Fidelidade de Cristo, Fidelidade do sacerdote”, a convocação acontece por ocasião do 150º aniversário da morte do padre francês, São João Maria Vianney, hoje padroeiro dos párocos, e a partir do dia 19, proclamado pelo papa, padroeiro dos sacerdotes de todo o mundo.

O objectivo deste ano é, segundo expressou o próprio Papa, «ajudar a perceber cada vez mais a importância do papel e da missão do sacerdote na Igreja e na sociedade contemporânea».  Diz o Papa:

«Vem-me imediatamente à mente uma bela e comovedora afirmação, referida no Catecismo da Igreja Católica: “O sacerdócio é o amor do Coração de Jesus” (n. 1589). Como não recordar com comoção que directamente desse Coração manou o dom do nosso ministério sacerdotal? Como esquecer que nós, presbíteros, fomos consagrados para servir, humilde e autorizada mente, ao sacerdócio comum dos fiéis? Nossa missão é indispensável para a Igreja e para o mundo, que exige fidelidade plena a Cristo e uma incessante união com Ele; isto é, exige que busquemos constantemente a santidade, como fez São João Maria Vianney. Na carta que vos dirigi por ocasião deste ano jubilar especial, queridos sacerdotes, eu quis sublinhar alguns aspectos que qualificam nosso ministério, fazendo referência ao exemplo e ao ensinamento do Santo Cura de Ars, modelo e protector de todos os sacerdotes, em particular dos párocos. Espero que este meu texto vos sirva de ajuda e estímulo para fazer deste ano uma ocasião propícia para crescer na intimidade com Jesus, que conta connosco, seus ministros, para difundir e consolidar seu Reino, para difundir seu amor, sua verdade. E, portanto, “a exemplo do Santo Cura de Ars, deixai-vos conquistar por Ele e sereis, também vós, no mundo de hoje, mensageiros de esperança, reconciliação e paz».

 



publicado por minhasnotas às 14:54 | link do post | comentar

Terça-feira, 23 de Junho de 2009

Homens errados nos lugares errados

 

João Goulão é presidente do Instituto da Droga e Toxicodependência. Logo, pensamos nós, deveria zelar pela diminuição deste problema junto da população em geral e dos jovens em particular.Errado. Para este senhor, quem na juventude não fuma charros é betinho e a melhor mensagem a passar é a de redução de danos e não a de evitar que a droga entre na vida de muitos jovens. Duarte Vilar é presidente da Associação para o Planeamento Familiar. Supostamente, devia zelar para que a divulgação de medidas de planeamento familiar reduzissem idealmente para zero o número de abortos, legais ou ilegais, em Portugal. Errado. Cada vez que são divulgados novos números sobre o aumento de abortos, como ainda recentemente aconteceu, este senhor festeja com declarações a sublinhar que a evolução está de acordo com as previsões já feitas pela sua associação.

 

 

São dinheiros públicos que sustentam o Instituto da Droga e Toxicodependência para que desenvolva políticas eficazes que mantenham os nossos filhos longe do mundo da droga.

 

 

E, apesar de não ser pública, a Associação para o Planeamento Familiar, vive de subsídios públicos e sustenta a sua actividade no fornecimento de serviços ao Estado que deveriam servir para tornar mais responsável a maternidade e diminuir ao máximo a tragédia e o trauma do aborto.

Tal como os professores, também o desempenho destes senhores deveria ser avaliado e, se houvesse rigor na forma como é usado o dinheiro dos nossos impostos, João Goulão e Duarte Vilar deveriam deixar de ser os homens errados nos lugares errados.

 

Raquel Abecasis, Rádio Renascença



publicado por minhasnotas às 17:59 | link do post | comentar

O melhor comentário que encontrei sobre as críticas à transferência de Cristiano Ronaldo é de José Diogo Quintela, dos Gato Fedorento, que disse assim na Pública de Domingo(21.6.2009):

 

 «É provável que muitas das pessoas que se indignaram com o preço do Ronaldo costumem jogar no Euromilhões. Torcem o nariz a pagar-se 94 milhões por um jogador que vai render ao clube que investiu nele, mas acham normalíssimo uma espécie de ventoinha que cospe bolas atribuir os mesmos milhões a pessoas que seleccionam números num papel».



publicado por minhasnotas às 14:36 | link do post | comentar

Quinta-feira, 18 de Junho de 2009

A UMAR (União de Mulheres Alternativa e Resposta) anunciou, há dias, que pelo menos 41 mulheres(ao certo terão sido 48) foram assassinadas em 2008 em Portugal pelos companheiros, sem esquecer o grande número de queixas anuais. São os números da vergonha. Como é possível que a violência doméstica e conjugal ainda seja uma chaga da nossa sociedade? É incompreensível e inaceitável que ainda aconteça e todos temos de fazer esforço para combatê-la. Alardeamos até à saciedade as inúmeras conquistas do progresso científico e social e homem e mulher ainda não adquiriram o respeito mútuo. A falta de valores no mundo actual é cada vez mais evidente. A violência, seja verbal, seja física, está na ordem do dia. É interessante notar como ao crescimento material, científico e tecnológico das sociedades contemporâneas, contrapusemos uma regressão moral, humana e espiritual. É necessário que caminhem lado a lado. E já que falamos de violência doméstica, que muitos não deixem de pôr a mão na consciência. Repito, é inaceitável e intolerável. 



publicado por minhasnotas às 15:35 | link do post | comentar

A crise aí está e lamentos não faltam, de todos os quadrantes. Será nossa companheira ainda durante muitos meses. Uma crise é sempre um ponto de chegada de más decisões e más condutas e um ponto de partida para uma vida mais consistente e equilibrada. Quem é que está a segurar a crise? No plano económico e financeiro, o Estado, ou melhor, os contribuintes. No plano social, a família. Muitos estão agora a dar conta como é importante ter uma família estável, sólida e bem organizada. Milhares de desempregados ou indivíduos, que viram os seus projectos a ruir como castelos de areia, é na família que estão a encontrar um sustentáculo financeiro, emocional, conforto e ânimo para recomeçar a vida. A família é e será sempre o ombro afável onde se reclina a cabeça após as desventuras e os tropeços humanos. Seria, por isso, importante que se repensasse naquilo que andamos a fazer pela família. Como é lamentável verificarmos que a temos torpedeado de todos os lados, com a retórica de um individualismo subjectivista e com um experimentalismo anárquico, como alguém escrevia num dia destes. A família, fundada na união matrimonial entre um homem e uma mulher, é o núcleo estrutural e a instituição central da sociedade. Ela é o berço da vida, da verdadeira humanidade, educação e formação, que capacita a pessoa humana para a autonomia e as relações sociais, o espaço fundamental para a realização humana e onde se tece harmoniosamente a teia social. Será que esta crise nos vai ajudar a compreender isto melhor?


tags:

publicado por minhasnotas às 15:33 | link do post | comentar

A Câmara Municipal de Montalegre realizou uma grande campanha de limpeza das margens da albufeira dos Pisões (alto Rabagão). A iniciativa é louvável quanto ao espírito e à razão, e merecedora de maior aprovação quanto à forma, visto que soube despertar e integrar a participação dos cidadãos. Muita coisa se pode fazer na mesma linha. Convém não esquecer o motivo que esteve por detrás da iniciativa: o lixo abandonado nos parques de campismo e nas margens da albufeira. Eu mesmo o pude comprovar, num dia, em que me desloquei à albufeira, para praticar uma actividade de que gosto, a pesca. O cenário era lamentável: frascos de “brilhante” (produto que é usado na pesca) espalhados por todo o lado, guardanapos e caixas de víveres aqui e ali, com círculos de pedras por perto onde se acenderam fogachos, montículos de pedras ao longo de toda a margem, aqui e acolá sacos plásticos à espera de uma rajada de vento para irem para outras paragens. Que falta de civismo. Pequenos descuidos podem acontecer a todos e certamente que houve pescadores que não contribuíram para o triste espectáculo e respeitaram as mais elementares práticas do civismo. Mas muitos deixaram de o fazer. Já não bastava estarem a ter muitas horas de prazer à custa da desgraça alheia, e ainda por cima deixaram atrás de si um rasto de esterqueira, que os cidadãos da terra, na sua amabilidade, tiveram que limpar. Será que ainda nem o básico está assimilado pelos cidadãos? Dar a devida arrumação ao lixo e cuidar daquilo que é de todos é do mais elementar da vida cívica. De certeza que muitos seguiram uma pobre máxima que nos acompanha no subconsciente ou até no consciente: já que todos ou alguns o fazem, eu também o faço. E lá se foi maculando um dos espaços mais bonitos do Barroso.



publicado por minhasnotas às 15:30 | link do post | comentar

Terça-feira, 16 de Junho de 2009

Fundação diz que Pio XII foi um “verdadeiro herói”

 

A fundação “Pave the Way”, que promove o diálogo inter-religioso, afirma ter encontrado mais de 2300 páginas de documentos que provam o esforço de Pio XII para salvar judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

 

A descoberta foi anunciada pelo presidente da fundação, Gary Krupp, que é ele mesmo um Judeu. Os documentos terão sido encontrados num mosteiro em Avellino, em Itália. O papel desempenhado por Pio XII tem estado no centro de uma polémica aberta entre a Igreja Católica e grupos de judeus que acusam o Papa italiano de não ter feito o sufi ciente para ajudar os judeus perseguidos durante a guerra.

Os católicos ripostam, afirmando que o Papa fez tudo ao seu alcance, mas que não podia fazê-lo abertamente por causa da ameaça nazi às portas do Vaticano, e para preservar as populações católicas nos territórios ocupados, incluindo na Alemanha.

 

Os papéis agora encontrados, garante Krupp, revelam “vários exemplos de acções directas e do ministério pastoral de Eugénio Pacelli no sentido de salvar judeus da tirania nazi”. Contêm ainda provas da sua intercessão junto dos turcos otomanos em favor dos judeus na Palestina em 1917.

A pesquisa permite chegar à “conclusão inegável” de que “Pio XII foi um verdadeiro herói” da Segunda Guerra Mundial, que possivelmente salvou mais judeus do que todos os líderes religiosos e políticos do mundo, juntos. “Num espírito de verdadeiro heroísmo, fez tudo isto perante a ameaça directa de espingardas alemãs a 100 metros da sua janela”, diz Krupp.

 

                                    Página Um, da Renascença, 16.6.2009

 


tags:

publicado por minhasnotas às 17:40 | link do post | comentar

Sexta-feira, 12 de Junho de 2009

 

Naquele tempo, disse Jesus à multidão: «O reino de Deus é como um homem que lançou a semente à terra. Dorme e levanta-se, noite e dia, enquanto a semente germina e cresce, sem ele saber como. A terra produz por si, primeiro a planta, depois a espiga, por fim o trigo maduro na espiga. E quando o trigo o permite, logo se mete a foice, porque já chegou o tempo da colheita». Jesus dizia ainda: «A que havemos de comparar o reino de Deus? Em que parábola o havemos de apresentar? É como um grão de mostarda que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes que há sobre a terra; mas, depois de semeado, começa a crescer e torna-se a maior de todas as plantas da horta, estendendo de tal forma os seus ramos que as aves do céu podem abrigar-se à sua sombra». Jesus pregava-lhes a palavra de Deus com muitas parábolas como estas, conforme eram capazes de entender. E não lhes falava senão em parábolas; mas, em particular, tudo explicava aos seus discípulos.


A vida tem que ser vivida com um optimismo cheio de esperança, em vez da impaciência derrotista. Mesmo que hoje tenhamos motivos para a preocupação e o desespero, a Palavra de Deus deste Domingo contém explicitamente um anúncio realista de optimismo e de esperança, baseado na fé. O Reino de Deus está a crescer e chegará um dia totalmente, graças a Cristo e ao Espírito Santo. Por isso, o crente não deve valorizar nunca o desânimo e o pessimismo.

 

No mundo de hoje, dá-se muita importância à programação, à eficácia produtiva, ao êxito rápido e espectacular, à estatística e à percentagem, e quando não aparecem frutos visíveis e palpáveis ficamos impacientes. Impaciência que aplicamos a todos os sectores, tantos eclesiais como sociais; aos meios de difusão ao serviço do Evangelho e às obras sociais, tal como à catequese e aos grupos apostólicos, às comunidades religiosas e aos grupos de jovens, à pastoral dos sacramentos e às reuniões de oração.

 

Não raras vezes se ouve a pergunta: depois de tantos anos de Cristianismo e de cumprimento religioso, de exercícios espirituais e de leitura da Bíblia, de meditação e oração individual e comunitária, para que serviram tantos esforços se tudo parece continuar na mesma? Gostamos de ver crescer tudo rapidamente, de forma deslumbrante, em nós mesmos e nos outros, por dentro e por fora, todos desejamos um cristianismo pujante, cheio de vigor, frondoso e carregado de frutos maduros, e como isso não acontece de um dia para o outro, facilmente cedemos ao desânimo e ao desespero, julgando que estamos a perder tempo e esforço. Contudo, e está é a grande mensagem deste Domingo, a semente de Deus tem uma força silenciosa, mas imparável, e frutificará com toda a certeza. Não lhe apliquemos é os nossos critérios de eficácia imediata, quase violenta, porque esses não são os critérios do Reino de Deus.



publicado por minhasnotas às 16:41 | link do post | comentar

PÚBLICO, 11.06.2009

António Barreto

Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas

 

Dia de Portugal... É dia de congratulação. Pode ser dia de lustro e lugares-comuns. Mas também pode ser dia de simplicidade plebeia e de lucidez.
Várias vezes este dia mudou de nome. Já foi de Camões, por onde começou. Já foi de Portugal, da Raça ou das Comunidades. Agora, é de Portugal, de Camões e das Comunidades. Com ou sem tolerância, com ou sem intenção política específica, é sempre o mesmo que se festeja: os Portugueses. Onde quer que vivam.(...)
Os Estados gostam de comemorar e de se comemorar. Nem sempre sabem associar os povos a tal gesto. Por vezes, quando o fazem, é de modo desajeitado. "As festas decretadas, impostas por lei, nunca se tornam populares", disse (...) Eça de Queirós. Tinha razão. Mas devo dizer que temos a felicidade única de aliar a festa nacional a Camões. Um poeta, em vez de uma data bélica. Um poeta que nos deu a voz. Que é a nossa voz. Ou, como disse Eduardo Lourenço, um povo que se julga Camões. Que é Camões. Verdade é que os povos também prezam a comemoração, se nela não virem armadilha ou manipulação.
Comemora-se para criar ou reforçar a unidade. Para afirmar a continuidade. Para reinterpretar o passado. Para utilizar a História a favor do presente. Para invocar um herói que nos dê coesão. Para renovar a legitimidade histórica. São, podem ser, objectivos decentes. Se soubermos resistir à tentação de nos apropriarmos do passado e dos heróis, a fim de desculpar as deficiências contemporâneas.(...)
Os nossos maiores heróis, com Camões à cabeça, ilustraram-se pela liberdade e pelo espírito insubmisso. Pela aventura e pelo esforço empreendedor. Pela sua humanidade e, algumas vezes, pela tolerância. Infelizmente, foram tantas vezes utilizados com o exacto sentido oposto: obedientes ou símbolos de uma superioridade obscena.
Ainda hoje soubemos prestar homenagem a Salgueiro Maia. Nele, festejámos a liberdade, mas também aquele homem. Que esta homenagem não se substitua, ritualmente, ao nosso dever de cuidar da democracia.
As comemorações nacionais têm a frequente tentação de sublinhar ou inventar o excepcional. O carácter único de um povo. A sua glória. Mas todos sentimos, hoje, os limites dessa receita nacionalista. (...) Descobrimos mundos, mas fizemos a guerra, por vezes injusta. Civilizámos, mas também colonizámos sem humanidade. Soubemos encontrar a liberdade, mas perdemos anos com guerras e ditaduras.
Fizemos a democracia, mas não somos capazes de organizar a justiça. Alargámos a educação, mas ainda não soubemos dar uma boa instrução. Fizemos bem e mal. Soubemos abandonar a mitologia absurda do país excepcional, único, a fim de nos transformarmos num país como os outros. Mas que é o nosso. Por isso, temos de nos ocupar dele. Para que não sejam outros a fazê-lo.
Há mais de trinta anos, neste dia, Jorge de Sena deixou palavras que ecoam. Trouxe-nos um Camões humano, sabedor, contraditório, irreverente, subversivo mesmo.
Desde então, muito mudou. O re-
gime democrático consolidou-se. Recheado de defeitos, é certo. Ainda a viver com muita crispação, com certeza. Mas com regras de vida em liberdade.
Evoluiu a situação das mulheres, a sua presença na sociedade. Invisíveis durante tanto tempo, submissas ainda há pouco, as mulheres já fizeram um país diferente.
Mudou até a constituição do povo. A sociedade plural em que vivemos hoje, com vários deuses e credos, com dois sexos iguais, com diversas línguas e muitos costumes, com os partidos e as associações que se queira, seria irreconhecível aos nossos próximos antepassados.
A sociedade e o país abriram-se ao mundo. No emprego, no comércio, no estudo, nas viagens, nas relações individuais e até no casamento, a sociedade aberta é uma novidade recente.
A pertença à União Europeia, timidamente desejada há três décadas, nem sequer por todos, é um facto consumado.
A estes trinta anos pertence também o Estado de protecção social, com especial relevo para o Serviço Nacional de Saúde, a segurança social universal e a escolarização da população jovem. É certamente uma das realizações maiores.
Estas transformações são motivo de regozijo. Mas este não deve iludir o que ainda precisa de mudança. O que não foi possível fazer progredir. E a mudança que correu mal.
A Sociedade e o Estado são ainda excessivamente centralizados. As desigualdades sociais persistem para além do aceitável. A injustiça é perene. A falta de justiça também. 0 favor ainda vence vezes de mais o mérito. O endividamento de todos, país, Estado, empresas e famílias é excessivo e hipoteca a próxima geração. A nossa pertença à União Europeia não é claramente discutida e não provoca um pensamento sério sobre o nosso futuro como nacionalidade independente.
Há poucos dias, a eleição europeia confirmou situações e diagnósticos conhecidos. A elevadíssima abstenção mostrou uma vez mais a permanente crise de legitimidade e de representatividade das instituições europeias. A cidadania europeia é uma noção vaga e incerta. É um conceito inventado por políticos e juristas, não é uma realidade vivida e percebida pelos povos. É um pretexto de Estado, não um sentimento dos povos. A pertença à Europa é, para os cidadãos, uma metafísica sem tradição cultural, espiritual ou política. Os Estados e os povos europeus deveriam pensar de novo, uma, duas, três vezes, antes de prosseguir caminhos sem saída ou falsos percursos que terminam mal. E nós fazemos parte desse número de Estados e povos que têm a obrigação de pensar melhor o seu futuro, o futuro dos Portugueses que vêm a seguir. (...)
Não usemos os nossos heróis para nos desculpar. Usemo-los como exemplos. Porque o exemplo tem efeitos mais duráveis do que qualquer ensino voluntarista.
Pela justiça e pela tolerância, os portugueses precisam mais de exemplo do que de lições morais.
Pela honestidade e contra a corrupção, os portugueses necessitam de exemplo, bem mais do que de sermões.
Pela eficácia, pela pontualidade, pelo atendimento público e pela civilidade dos costumes, os portugueses serão mais sensíveis ao exemplo do que à ameaça ou ao desprezo.
Pela liberdade e pelo respeito devido aos outros, os portugueses aprenderão mais com o exemplo do que com declarações solenes.
Contra a decadência moral e cívica, os portugueses terão mais a ganhar com o exemplo do que com discursos pomposos.
Pela recompensa ao mérito e a punição do favoritismo, os portugueses seguirão o exemplo com mais elevado sentido de justiça.
Mais do que tudo, os portugueses precisam de exemplo. Exemplo dos seus maiores e dos seus melhores. O exemplo dos seus heróis, mas também dos seus dirigentes. (...) Dê-se o exemplo e esse gesto será fértil! Não vale a pena, para usar uma frase feita, dar "sinais de esperança" ou "mensagens de confiança". Quem assim age tem apenas a fórmula e a retórica. Dê--se o exemplo de um poder firme, mas flexível, e a democracia melhorará. Dê-se o exemplo de honestidade e verdade, e a corrupção diminuirá. Dê-se o exemplo de tratamento humano e justo e a crispação reduzir-se-á. Dê-se o exemplo de trabalho, de poupança e de investimento e a economia sentirá os seus efeitos.
Políticos, empresários, sindicalistas e funcionários: tenham consciência de que, em tempos de excesso de informação e de propaganda, as vossas palavras são cada vez mais vazias e inúteis e de que o vosso exemplo é cada vez mais decisivo. Se tiverem consideração por quem trabalha, poderão melhor atravessar as crises. Se forem verdadeiros, serão respeitados, mesmo em tempos difíceis.
Em momentos de crise económica, de abaixamento dos critérios morais no exercício de funções empresariais ou políticas, o bom exemplo pode ser a chave, não para as soluções milagrosas, mas para o esforço de recuperação do país.



publicado por minhasnotas às 14:33 | link do post | comentar

Segunda-feira, 8 de Junho de 2009

Numa obra essencial da Filosofia no século XX, Ser e Tempo, o seu autor, M. Heidegger, retoma a famosa fábula sobre o Cuidado, de Higino, um escravo culto (64 a.C.-16 d.C.). Retomo-a, traduzindo literalmente.

"Uma vez, ao atravessar um rio, o 'Cuidado' viu terra argilosa. Pensativo, tomou um pedaço de barro e começou a moldá-lo. Enquanto contemplava o que tinha feito, apareceu Júpiter. O 'Cuidado' pediu-lhe que insuflasse espírito nele, o que Júpiter fez de bom grado. Mas, quando quis dar o seu nome à criatura que havia formado, Júpiter proibiu-lho, exigindo que lhe fosse dado o dele. Enquanto o 'Cuidado' e Júpiter discutiam, surgiu também a Terra (Tellus) e queria também ela conferir o seu nome à criatura, pois fora ela a dar-lhe um pedaço do seu corpo. Os contendentes tomaram Saturno por juiz. Este tomou a seguinte decisão, que pareceu justa: 'Tu, Júpiter, deste-lhe o espírito; por isso, receberás de volta o seu espírito por ocasião da sua morte. Tu, Terra, deste-lhe o corpo; por isso, receberás de volta o seu corpo. Mas, como foi o 'Cuidado' a ter a ideia de moldar a criatura, ficará ela na sua posse enquanto viver. E uma vez que entre vós há discussão sobre o nome, chamar-se-á 'homo' (Homem), já que foi feita a partir do húmus (Terra)'."

Heidegger, um dos maiores filósofos do século XX, mostrou que o cuidado é estrutura essencial do ser humano. O Homem, que tem a sua origem no cuidado, pertence-lhe ao longo da vida e não será abandonado por ele. O cuidado é duplo: preocupação ansiosa - a mãe diz ao filho: tem cuidado, filho! - e entrega abnegada, pois a perfeição do ser humano na realização das suas possibilidades mais próprias é uma tarefa do cuidado.

Viemos ao mundo e cuidaram de nós. Mas o cuidado não pode abandonar-nos nunca. Sem o cuidado, ao longo da vida toda, do nascimento até à morte, o ser humano desestrutura-se, sente-se perdido, não encontra sentido e acaba por morrer.

Não sei se o cuidado é mais próprio das mulheres. De qualquer modo, como escreve a filósofa M. L. R. Ferreira, "o tema do cuidado é o lugar por excelência em que se revela o pensamento maternal". E continua: "O cuidado é uma ternura vital, fruto do conhecimento e do afecto que temos pelos que estão a nosso cargo. Em todas as grandes religiões, em todos os mitos fundadores, em todas as culturas humanas a atitude de cuidado surge na sua dimensão compassiva de atenção ao outro. E as guardiãs do cuidado são as mais das vezes mulheres."

Cuidado, em latim, diz-se cura, que, para lá de cuidado, significa incumbência, tratamento, cura, inquietação amorosa, amor. Por esta via, chegamos também à medicina, que provém do latim mederi - a raiz é med: pensar, medir, julgar, tratar um doente -, que significa cuidar de, tratar, medicar, curar e que está também na base de moderação e meditação, sendo deste modo remetidos para um conceito holístico de saúde e de cura, que resultam e têm no horizonte sempre um equilíbrio harmónico.

Porque a sua essência reside no cuidado, o Homem, ser-no-mundo e temporal, precisa de ser cuidado e de cuidar. Cuidar de quê? Cuidar de si, dos outros, da Terra, da transcendência. Por afectos, palavras - ah!, a cura pela palavra! - e por obras.

Fragilizado ou doente, o Homem necessita de cuidados especiais. Aí aparece o médico ou o clínico (do grego klinein, inclinar-se), debruçando-se sobre ele/ela com o seu saber e técnica e também afecto e palavra, num pacto solidário. Em princípio, esse encontro dá-se no hospital ou na clínica.

Hospital vem do latim hospite, que significa hóspede, também em conexão com hotel. Como ser-no-mundo, o Homem é, logo na raiz, hóspede: somos hospedados no mundo. Significativamente, a palavra está ligada também a hoste, donde provém hostil. Não nos pedem, à chegada a um hotel, que em inglês também se diz hostel e em espanhol hostal, a identificação, pois não se sabe quem chega por bem ou por mal?

Espera-se que o hospital seja lugar de hospitalidade e não de hostilidade. Em francês, para hospital, também há o composto Hôtel-Dieu. Lá no termo, quem não espera ser hospedado pelo Deus da graça?

                 

                                                   Anselmo Borges, Diário de Notícias, 6.6.2009


tags:

publicado por minhasnotas às 18:31 | link do post | comentar

Amor é característica suprema de Deus

 

O Papa sublinhou o amor como característica suprema de Deus, assinalando o Dia da Santíssima Trindade. Na oração do Angelus de domingo, Bento XVI lembrou que esse amor pode ser visto nas grandes coisas, mas também na mais pequena partícula do Universo.

 

“Deus é todo e só amor. Amor puríssimo infinito e eterno. Não vive numa esplêndida solidão, pelo contrário, é fonte inesgotável de vida, incessantemente se dá e se comunica”, disse o Papa.

 

“Podemos de algum modo intuir isto observando quer o macro universo: a nossa Terra, os planetas, as estrelas, as galáxias; quer observando o micro universo: as células, os átomos, as partículas elementares”, sugeriu. “O próprio ser humano traz no seu genoma a marca do amor”, concluiu

Bento XVI.

                        Página Um da Renascença, 8.6.2009


tags:

publicado por minhasnotas às 17:41 | link do post | comentar

Haja o que houver eu estou aqui;

 haja o que houver espero por Ti.

Volta no vento, Tu que és Amor;

volta depressa, por favor.

Há quanto tempo já esqueci

porque fiquei Longe de Ti.

Cada momento é pior,

volta no vento, por favor.

Eu sei, eu sei Quem és para mim,

haja o que houver espero por Ti.

 

Pedro Ayres Magalhães (adapt.)



publicado por minhasnotas às 16:47 | link do post | comentar

Sábado, 6 de Junho de 2009

Em vésperas de eleições europeias, vale a pena sublinhar o que Ratzinger enuncia como os três elementos constitutivos da Europa. Em primeiro lugar, o reconhecimento de que a dignidade e os direitos humanos são anteriores às jurisdições dos Estados. Assim, os legisladores devem simplesmente reconhecê-los e não inventar novos direitos humanos nem diluir a sua importância, segundo os ditames da moda.

 

O segundo ponto que definiu desde sempre o rosto da Europa é o matrimónio entre homem e mulher, monogâmico, e a defesa da família como célula base da sociedade e do próprio Estado. Considera o actual Papa que a Europa não será mais Europa se esta célula fundamental desaparecer ou se se modificar na sua essência, nomeadamente, no que se refere às uniões homossexuais.

 

O terceiro pilar constitutivo da Europa refere-se à religião e ao respeito pelo sagrado. É justo, hoje em dia, penalizar os que desrespeitam os judeus, ou o Islão… Mas, quando se trata de cristãos, pode-se ofender à vontade, em nome da tolerância e da liberdade. Deparamos, então, com uma Europa compreensiva para os outros, mas incapaz de amar a sua própria herança e de perceber o que é grandioso, belo e puro. Conclui o actual Papa que os cristãos devem-se conceber

como uma minoria criativa e contribuir para que a Europa readquira de novo o melhor da sua herança. O nosso contributo passa, por isso e desde já, por escolher um candidato que reconheça estes três elementos definidos por Ratzinger.

                   

                                        Aura Miguel, rádio Renascença

 


tags:

publicado por minhasnotas às 14:57 | link do post | comentar

Quinta-feira, 4 de Junho de 2009

O nosso mal é sono. Chega-se a casa tarde; tarde se janta; tarde se arruma a cozinha; tarde se acende a televisão; tarde se resmunga sobre os assuntos de família; tarde se acorda no sofá; tarde se deita… E cedo se levanta. Que vida é esta? Um disparate pegado.

Com sono tudo se faz, excepto pensar. Excepto sorrir. Excepto ouvir. Excepto prever. Excepto planear. Excepto ter gosto no trabalho, na família e no convívio com os colegas; e muito menos com os chefes. Excepto sonhar acordado, sobretudo com o fim de semana… em que novamente a gente se deitará tarde.

É verdade que, mesmo assim, somos capazes de meter-nos no trabalho até às orelhas, até porque, se não, despedem-nos, ou desclassificam-nos, ou falimos. Mas que não nos incomodem com mais nada! Estamos fartos!

Depois, não há quem entenda esta mulher, quem ature este marido; quem compreenda estas crianças; quem suporte estes sogros; quem tenha pachorra para os eternos problemas daquele irmão, ou do sócio…

E ainda por cima, esta crise! Mais os engarrafamentos…

Não é o nosso único mal, o sono, mas é um dos mais insidiosos e que nos passa mais despercebido.

Pe. Hugo de Azevedo


tags:

publicado por minhasnotas às 10:19 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 3 de Junho de 2009

O monumento a Cristo Rei, em Lisboa, celebra este ano 50 anos. Não era necessário repetir até à exaustão que foi erigido em agradecimento a Deus pelo facto de Portugal ter ficado livre da 2ª Guerra Mundial. Isso aconteceu graças a habilidades políticas e diplomáticas. Então Deus livra uns da guerra e deixa que outros se matem impiedosamente? Quem disse que Deus numa guerra gosta de actores e espectadores? Melhor teria sido dizer que o monumento consagrou a forte espiritualidade e a vitalidade e coesão da Igreja Católica portuguesa numa determinada época da sua história e que o monumento vem lembrar a todas as gerações que a guerra nunca resolve nada, é sempre uma derrota da humanidade, e que é necessário construir a vida sobre uma mensagem sólida e consistente: O Evangelho.    



publicado por minhasnotas às 15:24 | link do post | comentar

Todos os anos somos confrontados com um bom número de peregrinos que vão a Fátima a pé. Cada um terá as suas razões. Mas seria bom que toda essa caminhada fosse fruto de uma profunda vivência religiosa e cristã e de um compromisso efectivo com Cristo e com a igreja. Possivelmente, muitos peregrinos dispuseram-se a fazer um grande número de quilómetros para ir a Fátima, mas não andam cem metros para ir à missa na sua terra. Dispuseram-se estoicamente a passar sacrifícios, mas, possivelmente, na sua terra fazem muito pouco pelos outros ou quase nada. Ser peregrino é começar por sê-lo onde se vive, construindo comunhão com os demais e vivendo a fé com toda a sua exigência. A fé não é apenas uma senha para ir a um qualquer sítio pedir favores a Deus ou pôr as contas em dia com Deus. Aliás, já é tempo de se acabar com um dos equívocos de Fátima: ser um lugar para pagamento de promessas. Fátima é muito mais do que isso. É uma escola de humanização, de oração e fidelidade ao Evangelho. Aliás, que estranha forma de nos relacionarmos com Deus. Note-se a imagem que fazemos passar de Deus: que é Alguém difícil, que exige sacrifícios para me dar alguma coisa, que parece que anda alheio dos problemas das pessoas e que é preciso despertá-Lo e convencê-Lo com dores a fazer alguma coisa. Que Deus tão mauzinho…As promessas que nunca deveríamos esquecer são as do Baptismo.


tags:

publicado por minhasnotas às 15:16 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Já há muito que desconfiávamos, mas agora confirma-se: está em curso uma campanha organizada por algumas forças ateias, segundo se diz, com algum peso político, que visa eliminar o ensino religioso da escola pública. Quem o disse foi Peter Stilwell, professor universitário e responsável pelo diálogo inter-religioso do Patriarcado de Lisboa. A Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) é actualmente uma disciplina alternativa no ensino em Portugal. É bom que se diga que EMRC não é catequese, mas é uma disciplina mais abrangente que se centra no estudo do fenómeno religioso, na dimensão religiosa e espiritual do homem, na transmissão dos valores basilares para a realização humana, civismo e cidadania. Para muitos, é um privilégio da Igreja católica no ensino oficial, o que não dá para compreender, a não ser que seja negado às outras confissões religiosas. 90% dos portugueses assumem-se católicos. Que país somos nós que não queremos aprofundar e estudar melhor o que assumimos? Esta campanha revela uma grande miopia: não se dá conta de que um ensino integral e completo tem de compreender o ensino da religião. Os últimos tempos têm-nos mostrado que o desconhecimento que temos uns dos outros pode criar choques e mal-entendidos devastadores. Se queremos fomentar o diálogo de civilizações e uma sã convivência entre culturas é imprescindível conhecer bem o fenómeno religioso e o património cultural e religioso de cada povo. É fundamental conhecer as crenças dos outros, como acreditam e vêem o mundo. Neste campo, EMRC tem um papel insubstituível e devia ser obrigatória. Mas o mais intrigante de todas estas movimentações é que contradizem todo o discurso oficial. Toda a gente se fiz defensora de uma sociedade tolerante, plural, aberta, democrática, livre, multicultural, respeitadora de todas as forças politicas, culturais e religiosas. Desculpem: a Igreja Católica está incluída?



publicado por minhasnotas às 15:11 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds