Terça-feira, 29 de Março de 2016

No dia 19 de Fevereiro, na sua casa em Milão, morreu Umberto Eco, com 84 anos de idade, já há vários anos a lutar contra um cancro no pâncreas. Era um grande intelectual italiano, diria mundial, da velha guarda (segundo muitos, dos poucos que ainda existem), professor universitário, escritor, filósofo, ensaísta, romancista, linguista, crítico literário, investigador e leitor obstinado e insaciável, considerado pelo jornal italiano La Reppublica «o homem que sabia tudo». De carácter, era bem-humorado, irónico quanto baste, muitas vezes desconcertante, e polemista cativante, quase imbatível, pela sua capacidade argumentativa e reflexiva, mas, sobretudo, pela erudição. Religiosamente, tornou-se ateu, depois de ter concluído a sua tese de doutoramento sobre a estética de S. Tomás de Aquino, não culpando, no entanto, este grande pensador da Igreja. Mas não deixou de ter uma relação franca e cordial com algumas figuras da Igreja e era estudioso da Bíblia.
Morava num duplo apartamento na zona turística de Milão, servindo um deles de biblioteca e escritório, atafulhado com pelos menos 50 mil livros, segundo as suas contas. Demorava 6 a 8 anos a escrever os seus romances, fascinado pela conspiração delirante, pelo falso, o esotérico, o fantasmagórico, as ciências ocultas, as sociedades secretas, a magia, a bruxaria, o hipnotismo. Era um apaixonado pela estupidez humana, como gostava de afirmar a sorrir, com o charuto ou a cigarrilha apagada num canto da boca. Foi pena não ter estado em Montalegre, onde poderia ter recolhido dados interessantes para algumas páginas dos seus romances ou comido uma posta demoníaca feita por alguma bruxa malparida decrépita, acompanhada com queimada espantas espíritos, revisitando a obscura e malfadada Idade Média. Estava na lista, mas nunca recebeu, incompreensivelmente, o prémio nobel.
Recomendo-vos os seus romances. «O Nome da Rosa» foi o que o catapultou para a ribalta, logo no início da sua carreira literária, mas tem outros muitos bons. Muito boas são também as entrevistas que foi dando a revistas e jornais, de que me sirvo para deixar algumas frases marcantes da sua reflexão. Numa das suas últimas conferências, defendeu que a ética vai passar por maus tempos: «Qualquer doutrina moral consiste em apresentar um modelo de comportamento que cada um de nós deve tentar imitar. Daí a função modeladora do santo, do sábio, do guru, do herói. Agora, acontece que a televisão tende cada vez mais a apresentar como modelos pessoas normais, de tal modo que não há esforço nenhum em sermos iguais a eles. Nós queremos ser como eles porque eles receberam a graça de aparecer na televisão. Em muitos casos haverá pessoas que se tornam modelos não por causa do seu comportamento normal, mas antes por causa dos seus pecados espetaculares (desde que estes pecados lhes tenham dado visibilidade e sucesso). Assim, a Monica Lewinsky será um modelo mais forte (e mais fácil) do que a Florence Nightingale ou a Madre Teresa de Calcutá. Por isso mesmo o sucesso ético (a procura do Bem) não terá em breve qualquer ligação com a procura da virtude, mas apenas com a luta para ser visto." Reparem como isto é tão clarinho na sociedade em que vivemos.
Sobre a internet, defendeu que se verifica o fenómeno da imbecilização da sociedade, e afirmou sem papas na língua: «As redes sociais têm gerado uma invasão de imbecis, a quem dão o direito de falar a legiões de imbecis. Antes apenas falavam no bar depois de um copo de vinho, sem prejudicar a comunidade e agora têm o mesmo direito de falar que um prémio Nobel. É a invasão dos tolos». «A internet está cheia de falsidades e o grande problema é a capacidade de filtrar o que é verdade. E o excesso de informação provoca a amnésia. Informação demais faz mal. Quando não lembramos o que aprendemos, ficamos parecidos com animais. Conhecer é cortar, é selecionar.» «É impossível pensar o futuro se não nos lembrarmos do passado. Da mesma forma, é impossível saltar para a frente se não se der alguns passos atrás. Um dos problemas da atual civilização - da civilização da internet - é a perda do passado.»
Quanto aos gostos e à superficialidade da sociedade atual, basta ver o sucesso que teve um livro e um filme sobre fantasias sexuais nos últimos tempos, afirmou: «Creio que quem enche os livros de sexo (e a vida, diria eu) é porque tem pouco na sua vida.»
Ultimamente, foi muito crítico com algum jornalismo errante que se pratica atualmente, que vive de falácias e de meias verdades, da manipulação histórica e noticiosa, de pendor sensacionalista, mexeriqueiro e difamatório. «Houve um homicídio em Lisboa, passados dois dias outro no Porto, no mesmo dia outro em Finisterra. Bem, é normal estatisticamente que haja homicídios. Mas colocá-los todos na mesma página, é dar uma notícia falsa, como se exista uma epidemia de homicídios, o que não é verdade».



publicado por minhasnotas às 12:15 | link do post | comentar

1 comentário:
De Tiziana a 4 de Abril de 2016 às 11:07
Olá, as pessoas reais são aqueles que sabem como ajudar seu companheiro alívio ao sofrimento. Este homem me deu um empréstimo de euros 70000 € sem complicar o nível de tarefa me documentos que requerem aplicações de empréstimo dos bancos. Se você está em necessidade financeira, graças a ele, mercado super Jet em canto e hoje foi meu Salvador... e realmente não sei qual é a razão para a torna hoje decidida testemunhar em seu favor, pode contactar-me via e-mail e siga as instruções e você estará satisfeito no prazo máximo de 48 horas. Confirmação e agora se aconteceu que precisa de um empréstimo entre em contato com ele. Para aqueles que estão lutando como eu podem escrever-lhe e explicar a ele sua milhagem pode ajudar seu e-mail: roberto.erbetta01@gmail.com


Comentar post

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds