Quinta-feira, 17.03.11

Às Sextas-feiras à noite, passa um programa na TVI intitulado Depois da Vida, em que uma médium, de seu nome Anne Germain, nos oferece momentos de solene ‘comunicação’ com os mortos. Tenho a certeza de que já anda por aí muita confusão nas cabecinhas de muita gente, senão mesmo apuradas convicções do realismo de todo aquele entretenimento (repare-se que no site da TVI, o programa encontra-se na secção de entretenimento. Não devia estar na secção de informação?!) Quem for apanhado desprevenido, é levado a pensar que tudo aquilo é verdade. Deixemo-nos desde já de bizarrias: toda a gente sabe que aquilo é uma farsa e uma comédia, que apesar de ser muito bem feita, é ridícula. É muito boa para quem gosta de delírios e desvarios.

Lamentável o préstimo que várias figuras públicas, que gostam de aparecer por tudo e por nada, dão ao programa, não se dando conta da triste figurinha que fazem e do enxovalho a que se expõem. Quem estiver minimamente atento ao desenrolar do programa, não deixa de perceber desde logo várias coisas: a atmosfera do programa visa favorecer a expectativa e o suspense nos assistentes e espectadores; a médium exibe um ar sério e compenetrado, que não passa de um ar teatral, para lhe favorecer a observação (ele está a comunicar com os vivos e não com os mortos) e dar um ar convincente à comunicação; arrastamento do discurso para o emocional para causar mais impacto; a dita comunicação com os mortos vai sendo feita com as sugestões e as deixas que os vivos vão dando; é notório que houve um recolher de dados para dar andamento ao programa. Enfim, uma farsa muito bem feita. Houvesse mais respeito pelos mortos e este tipo de programas nem à secretária de um director chegaria, quanto mais à grelha de um canal televisivo. A médium presente no programa domina a arte da influência, da manipulação e da observação, e servindo-se delas, vai sacando o que lhe interessa e conduzindo o discurso para onde lhe convém. Tudo não passa de uma sessão profissional de mentalismo.

Ao contrário do que diz o mito, não há e nunca haverá comunicação com os mortos, a não ser que os nossos meios de comunicação atinjam um progresso impensável. É um tema que suscita muita curiosidade a muitas pessoas. Não faltam por aí pessoas que juram pela sua vida que já receberam um qualquer recado de um falecido, outras que dizem que andam a ser perseguidas por um defunto, outras que dizem que têm momentos em que sentem mesmo que estão a falar com pessoas que já partiram deste mundo. Até o mandar rezar missas anda um pouco misturado nesta parafernália pseudo-transcendental. Tenho todo o respeito pelas experiências que as pessoas fazem, mas a questão é que muitas vezes confundimos a fé com aquilo em que queremos acreditar. Normalmente o recurso a estes temas é uma necessidade que as pessoas têm de acreditar em qualquer coisa ou de justificar o que não conseguem compreender, agarrando-se a qualquer coisa a todo o custo. Muitos casos não são senão resquícios de ingratidões e injustiças ou outras situações que não se resolveram com os falecidos. O remorso, mais tarde ou mais cedo, manifesta-se e busca a sua libertação, arrastando para exercícios delirantes.  

A Igreja Católica, ao contrário do que anda disseminado pelo mundo global da internet, não aprova nem aceita a comunicação com os mortos. Quem morre entra numa nova vida e num mundo novo. E está onde Deus está. Não anda por aí a vaguear e a meter-se com os vivos, deixando-lhes recados e comunicando-lhes revelações sobre não sei o quê ou brincando aos segredinhos. Isto não quer dizer que eles estão separados de nós. Continuam unidos a nós. Mas não há comunicação, mas sim comunhão. Há um espaço próprio onde estamos com os mortos e fortalecemos a nossa comunhão com eles: a liturgia da Igreja. Sempre que celebramos a Eucaristia, estamos todos em comunhão, vivos e mortos, como diz o catecismo da Igreja no seu número 959: «Na única família de Deus, todos os que somos filhos de Deus e formamos em Cristo uma família, ao comuni­carmos uns com os outros em mútua caridade e no comum louvor da Santíssima Trindade, correspondemos à íntima vocação da Igreja». O resto são tretas. 



publicado por minhasnotas às 15:21 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

Pode-se comunicar com os ...

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds