Segunda-feira, 16 de Março de 2015

Tenho dedicado algum tempo a tentar compreender o que é que leva jovens europeus a tomarem a decisão de ir combater no Iraque ou na Síria, ou noutras partes do mundo, e a serem atores de carnificinas diabólicas e de vídeos bárbaros, para espalhar o terror. O assunto é complexo e deve ser motivo de grande reflexão na Europa. O que leva jovens a abandonarem uma das regiões do mundo onde se vive melhor, onde há abundância material, liberdade, paz e democracia, para irem para terras de guerra e de grande instabilidade política, económica e social? Alguns cidadãos atentos, por norma, pragmáticos, e alguns estudiosos apontam algumas motivações: desilusão para com a sociedade europeia, que lhe coartou o futuro e os empurrou para um beco sem saída; desemprego; protesto ou até frustração contra a rivalidade e a competição que se instalou nas sociedades europeias, nas instituições e nas empresas; tédio face ao individualismo e ao hedonismo que vigora no estilo de vida europeu, que tem arrastado muitos jovens para o mar da indiferença angustiante e do sem sentido da vida; desgaste político, social e económico das sociedades europeias, que se encontram sem líderes e sem soluções para os problemas; diluição da instituição familiar e ausência do acompanhamento e da educação sólida que ela veiculava; persistência de preconceitos e de uma certa sobranceria dos europeus face a outras culturas; má integração e socialização; educação deficiente dos sistemas e conteúdos de ensino, excessivamente técnicos e intelectuais, com pouca preocupação pela moral e pela ética e pelas grandes inquietações humanas; culto da violência e da agressividade e busca incessante de sensações novas, para se colmatar o marasmo e o vazio da vida; falta de reconhecimento e busca de glória e de projeção a qualquer custo, entre outras.

 Não há dúvidas de que tudo isto está presente nas sociedades europeias e poderá motivar a procura de outras paragens. Eu apontaria, sobretudo, o grande vazio que reina na vida de muitos jovens. Na Europa, preocupámo-nos sobretudo com o bem-estar psíquico, psicológico, material e social das novas gerações. Fizemos da diversão e do entretenimento, o mais personalizado possível, a fonte da felicidade para jovens e crianças. Mas esquecemo-nos do essencial: transmitimos visões superficiais da vida e não lhes comunicámos causas e ideais, não lhes comunicámos razões de vida e motivações profundas para que a vida se realize verdadeiramente, seja fecunda, e tenha verdadeiro sentido. Não nos preocupámos com a sua forma de estar e de viver e de interagir com os outros. Não se pode andar aqui muito tempo sem se ter uma razão e um motivo nobre e válido que dê sentido à vida e que a torne justificável. O vazio tem vindo a tomar conta das sociedades europeias, vazio que é urgente repensar e preencher. O filósofo francês, Gilles Lipovetsky, no livro «A Era do Vazio», escreve: «Já nenhuma ideologia política é capaz de inflamar as multidões, a sociedade pós-moderna já não tem ídolos nem tabus, já não possui qualquer imagem gloriosa de si própria ou projeto histórico mobilizador; doravante é o vazio que nos governa, um vazio sem trágico nem apocalipse». E ainda: «A res publica encontra-se desvitalizada, as grandes questões filosóficas, económicas, politicas ou militares suscitam mais ou menos a mesma curiosidade desenvolta do que um qualquer fait divers; todos os cumes se abatem pouco a pouco, arrastados pela vasta operação de neutralização e banalização sociais. Viver sem ideal e sem fim transcendente tornou-se possível». Tornou-se possível até que se torna impossível.

 Mas coloca-se, agora, a pergunta: Porque que é que estes jovens optaram pelo mal e não pelo bem? Não faltam regiões no mundo onde poderiam ser extremamente úteis, colaborar para o bem dos outros, viver bem e realizar a maioria dos seus anseios e projetos, em vez de irem combater para exércitos como mercenários, em nome de ideologias diabólicas, que têm como fim a barbárie e o terror. A verdade é que nas sociedades europeias somos tolerantes com uma certa cultura de violência e até fazemos da violência entretenimento, com grave prejuízo para as relações humanas e sociais. Muitos vídeos das redes socias e as notícias diárias assim o atestam. E já nem falo dos vídeo jogos e de outros entretenimentos, que têm sempre como fim eliminar e violentar. Não pensemos que esta cultura de violência que toleramos não tem consequências. Estamos pobres como pessoas humanas e perdemos a noção dos limites. E isto é muito preocupante. O bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, no dia 24 de Janeiro, no II Encontro Nacional de Leigos, dizia na sua homilia: «O modelo predominante da sociedade europeia contemporânea diz-nos que as crianças são ensinadas mais para «ter» do que para «ser». Preparamos as novas gerações para a competitividade e para a rivalidade. Educamos muitas vezes mais para a afronta e para a violência do que para a reconciliação, para o diálogo, para a mansidão e para a paz. Vivemos assim num modelo de sociedade que facilmente empobrece as pessoas, lhes retira generosidade e lhes provoca um vazio de sentido e uma ausência de esperança. A procura de liberdade, de comunhão e de paz é atendida com objetos que o dinheiro compra mas que o amor de Deus, o afeto do coração e a dádiva da vida não trabalharam suficientemente. E por isso verificamos por entre tristezas, desilusões e medos que esta sociedade que aparentemente crescia depressa em bem-estar, progresso e abundância não cresceu em solidariedade, em respeito, em gratidão, em responsabilidade e em preocupação pelos outros».



publicado por minhasnotas às 18:58 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds