Segunda-feira, 5 de Outubro de 2015

Entre os dias 31 de Agosto e 3 de Setembro, decorreu, em Fátima, o Simpósio do Clero, que teve como tema o padre, irmão e pastor. Estiveram presentes padres de todas as dioceses e alguns bispos. Saliente-se que a nossa Diocese de Vila Real foi das mais bem representadas, tendo-se em conta o número de padres. Durantes três dias e meio, foram servidas boas conferências de estudiosos e pensadores da Igreja, servidos painéis de debate com figuras da Igreja e do saber e da cultura portuguesa, bons momentos de convívio, celebração e oração.

A figura que esteve mais em destaque foi o Beato Bartolomeu dos Mártires, proeminente arcebispo de Braga, de quem no ano passado celebrámos os 500 anos do seu nascimento, e de quem se espera que avance o processo de canonização. Foi, de facto, um pastor exemplar, terno e jovial, mas ao mesmo tempo exigente e rigoroso, que viveu uma vida sóbria, de grande fidelidade ao Evangelho e de grande amor aos pobres e desafortunados do mundo. Serviu uma diocese que se estendia até Bragança, que tinha cerca de 1400 paróquias. Na Igreja do Castelo de Montalegre, como sabemos, está uma lápide que recorda a sua passagem pelas terras do Barroso.

Destaco algumas boas intervenções e tiradas que se foram recolhendo ao longo do Simpósio, que podem servir para a reflexão das comunidades cristãs. O jesuíta Carlos Carneiro, a quem coube refletir sobre a missão e a identidade do padre segundo o Vaticano II, sublinhou que o grande inimigo da Igreja, com quem, aliás, até tem sabido conviver, não são os ateus, os agnósticos, os tradicionais detratores e opositores da religião, as forças e os poderes da sociedade que procuram hostilizar e até eliminar as crenças, os credos e a presença das religiões nas instituições e nos ambientes sociais. O grande inimigo da Igreja é quando a Igreja deixa de fazer uma leitura espiritual da realidade, preferindo optar pela condenação ou pelo lamento, refugiando-se no comodismo do passado, com os seus esquemas e mentalidades, não se dando conta do chamamento e dos sinais e desafios da presença de Deus na realidade que tem de enfrentar no presente.

O comentador do Governo Sombra da TSF e crítico de cinema e de literatura, Pedro Mexia, salientou que a Igreja não pode cair na tentação de adocicar o seu discurso e as suas liturgias para atrair fiéis a qualquer preço, como, por exemplo, as televisões fazem com os seus programas para terem audiência. A Igreja tem de anunciar o Evangelho, com toda a sua verdade, Evangelho que nem sempre é agradável para as multidões, e ter preocupação pelo sublime e pela beleza. A Igreja desempenha o papel importante de ser consciência crítica da vida e da sociedade e é importante que nunca deixe de o fazer. A escritora Lídia Jorge pediu mais presença de bons textos dos escritores e da poesia no discurso e nas homilias da Igreja. Talvez a Igreja seja demasiado prosaica. O físico e investigador, Henrique Leitão, Prémio Pessoa em 2014, apresentou uma série de grandes cientistas que nasceram do mundo católico, estimulados pela convicção católica de que a realidade é inteligível, o que só comprova que a Igreja promoveu e viu na ciência um bem, apesar de episódios menos dignificantes neste campo e de algum confronto duro que se gerou, por vezes, entre Igreja e ciência.

O Professor Adriano Moreira, que não deixa de surpreender pela frescura dos seus 93 anos de idade, douto observador da política e da economia nacional e internacional, destacou que o cenário mundial é de guerra por todo o lado, porque se impôs a ditadura do mercado e dos interesses sobre os valores, de forma que é urgente recuperar o poder da palavra sobre a palavra do poder e restaurar a centralidade dos valores face ao mercado e aos interesses, no respeito inquestionável pelo ser humano e sua dignidade.

No último dia, o Provincial dos Jesuítas em Portugal, o padre José Frazão Correia, referiu que o entusiasmo não é uma estratégia pastoral e que não faz muito sentido recorrer ao entusiasmo postiço para se anunciar o Evangelho ou para se ser sedutor na Igreja e para fora da Igreja. Anda por aí a moda, ou se quiserem, a convicção parola, de que aquilo que não é alegre e não tem graça não cativa e não seduz, o que leva a que grupos e pastores na Igreja se mascarem de uma alegria artificial e fingida para cativar a todo o custo. Para além de colocar pressão sobre quem escolhe este critério (quem consegue ser alegre e engraçado a toda a hora?), acaba por mais tarde ou mais cedo não dar frutos porque não está revestido de autenticidade. Um cristão deve testemunhar com naturalidade a sua pertença a Cristo e a sua condição de salvo em Cristo, que permanentemente alegra e dá sentido à sua vida. Se o fizer com verdade e autenticidade, não deixará de contagiar os outros.

Foi uma bela mensagem para concluirmos mais um Simpósio do Clero.



publicado por minhasnotas às 09:34 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds