Sexta-feira, 21 de Agosto de 2015

Neste ano de 2015, celebram-se os 500 anos do nascimento de uma grande santa da Igreja Católica, S. Teresa de Ávila, também conhecida por S. Teresa de Jesus. Vale a pena lembrar o percurso da sua vida. Nasceu a 28 de Março de 1515, na barrenta cidade espanhola de Ávila, não muito longe aqui de nós. Seu pai, Afonso, inquieto e desassossegado com as aventuras e as ousadias juvenis da filha e querendo livrá-la das perniciosas influências mundanas, abrigou-a no Convento de Santa Maria de Grácia, orientado pelas monjas agostinhas, tinha ela os seus 17 anos. Passados três anos, entra no Mosteiro da Encarnação, em Ávila, onde fez votos como carmelita, com a bênção do pai. Retratando o sentimento que lhe atravessava a alma nesta fase da sua vida, sentindo-se profundamente unida a Cristo, deixou escrito: «Já me entreguei completamente, e de tal sorte estou mudada, meu amado é para mim e eu sou para o meu amado. Feriu-me com uma seta arvorada de amor, e minha alma ficou feita uma com o seu Criador. Já não quero outro amor, pois ao meu Deus me entreguei, meu amado é para mim e eu sou para o meu amado.»

 Apesar de dizer às suas monjas que o Mosteiro da Encarnação, onde esteve 27 anos, era bom, contudo, havia alguns aspetos que lhe desagradavam no estilo de vida e no ambiente, que a vão estimular a empreender uma grande reforma na ordem carmelita: individualismo, diferença de classes, ausência de clausura, falta de partilha, de comunhão e de fraternidade, trivialidade e opulência. Enfim, seria talvez um mosteiro excessivamente mundano para se viver o ideal cristão, com toda a sua verdade e exigência.

Movida pelas suas ideias e convicções contracorrente e revolucionárias para o tempo, defendendo, por exemplo, o direito das mulheres à instrução, à espiritualidade, à oração e a terem um lugar digno na Igreja, abandonou o Mosteiro da Encarnação e, com a ajuda do dinheiro de uma irmã e seu cunhado, comprou um terreno fora das muralhas de Ávila, onde construiu uma pequena casa, berço da reforma que levou a cabo na ordem, fundando as carmelitas descalças. Ao longo de 20 anos, fundou 17 conventos. A sua reforma teve uma direção clara: sobriedade de vida e regime de clausura, para ela sinal de liberdade para quem deseja uma união profunda e mística com Deus e viver em exclusividade para a interioridade, a contemplação, a oração e a reflexão.

Desde que manifestou uma certa índole vanguardista para a época, passou a ser vigiada pela Inquisição, que desde logo procurou esconder os seus escritos e controlar os danos que a monja arisca lançava na cómoda e controlada normalidade da Igreja. Faleceu a 4 de Outubro de 1582.Pressentindo a visita da morte, escreveu desassombradamente: Olha que o amor é forte. Vida, não me sejas molesta, olha que só te resta para ganhar-te, perder-te. Venha já a doce morte, o morrer venha ligeiro. Que morro porque não morro.» Foi beatificada em 1614. Em 1970 foi proclamada por Paulo VI «Doutora da Igreja», pelos méritos dos escritos místicos e doutrinais, que nos deixou, cheios de sapiência, próprios de uma alma que se deixou abrasar pelo amor de Deus. Já houve em tempos, e não sei de ainda haverá, os caminhos de S. Teresa.

 A forma intensa e apaixonada como os santos viveram a sua fé e o seu amor a Deus, à Igreja e aos outros, e por isso mesmo provocadores de ruturas e de convulsões, é para nós um modelo e um estímulo, mas também não pode deixar de ser um questionamento ao cristianismo tradicionalista e ritualista a que nos acomodámos, ao cristianismo sociológico em que nascemos (somos cristãos porque o ambiente à nossa volta é cristão, falta de convicção) e à forma desfervorosa, rotineira, costumeira, desencantada e morna como vivemos a fé, sobretudo na Europa. Será que já descobrimos e acreditamos mesmo no amor de Deus e na fonte de vida plena e eterna que Ele é?



publicado por minhasnotas às 10:37 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds