Sexta-feira, 13 de Maio de 2016

A organização dos nossos dias semanais tem uma clara influência religiosa judaico-cristã. Primeiro, foram os judeus a criar o Shabat (o Sábado), o sétimo dia, em que Deus descansou depois da obra da criação, numa leitura crente do mundo e da sua história, sendo ainda hoje o dia sagrado para o judaísmo, dia em que privilegiam a oração, a escuta da Palavra de Deus, a memória das maravilhas de Deus, o descanso, a família e a comunhão fraterna. Depois, após a ressurreição de Jesus, foram os cristãos a introduzir o Domingo depois do Sábado, o Dia do Senhor, dia em que Jesus ressuscitou, o oitavo dia, querendo assim manifestar que a ressurreição de Jesus foi a nova criação, o tempo novo, o primeiro dia da vida nova que Jesus Cristo (e n’Ele o homem) alcançou depois da sua morte. Reformularam-se os dias da semana e deu esta configuração que temos agora, sobrepondo-se o Domingo ao Sábado. Notemos as diferentes perspetivas entre judaísmo e cristianismo, que, de alguma forma, também são complementares: os judeus chegam ao fim da semana, os cristãos iniciam a semana. Segunda-feira já é segunda. O primeiro dia da semana é o Domingo, que absorveu o sábado como ponto de chegada da atividade semanal, que o homem contempla com júbilo, mas que é sobretudo ponto de partida. O Domingo é o encontro com Jesus Cristo e com outros para se aprofundar e projetar a vida para a frente, é alimentar o ir mais além e viver mais e melhor com os outros, a partir de Deus.
O Domingo tem assim um significado e um conteúdo próprios e uma importância fulcral para a dimensão religiosa e espiritual da pessoa humana, assim como para o seu enriquecimento e equilíbrio mental, social e humano. Costuma-se dizer que o homem trabalha para viver. Se seis dias (ou cinco) têm um objetivo concreto, que é o trabalho, um dia fica totalmente livre do peso do trabalho para o homem viver as outras dimensões da sua humanidade, para saborear a vida no encontro com Deus, com a família, com os outros, no descanso e no lazer, no convívio, na festa e em tantas outras ações lúdicas e deleitosas que favorecem a sua humanização e a celebração da vida (o Domingo também é o dia do homem). Para os cristãos é o dia sagrado: é o dia de Cristo, por isso se deve ir à missa, dia do dom do Espírito Santo, o dia da fé, o dia da Igreja, da esperança, o dia da alegria, do repouso e da solidariedade e comunhão fraterna. Enfim, o Domingo é o dia em que a vida e o tempo respiram e se procura viver e antecipar o que esperamos viver um dia em plenitude, a eternidade com Deus e com os outros.
Assim sendo, na sociedade atual, seria bom que o Domingo fosse um direito e um privilégio de toda a pessoa humana. Infelizmente, a sociedade do consumo e do lucro, que sobrecarrega a pessoa humana com excesso de trabalho, está, em parte, a destruir o Domingo, com graves consequências para a pessoa humana, para a família e para a sociedade. Não consigo compreender, por exemplo, a necessidade de os hipermercados estarem abertos ao Domingo e como é estranho ver pessoas a passarem horas e horas em hipermercados, quando outras coisas bem mais importantes se poderiam fazer. E quem diz os hipermercados, diz outros trabalhos e serviços que não se deveriam fazer ao Domingo. Por outro lado, seria bom lembrar aos cristãos que a santificação do Domingo não é só participar na Eucaristia dominical. Instalou-se uma certa ideia minimalista de que se «despacha» o preceito dominial em ir à missa e depois fica-se com o tempo livre para o que apetecer. Todo o Domingo é dia do Senhor e da Igreja, ou seja, para se dedicar ao Senhor e para se fortalecer a comunhão d’Ele com os seus discípulos e destes entre si. Todo o Domingo, no seio da família, das relações humanas e na diversão, deve ser vivido com espirito cristão, sendo por isso questionável muitos eventos e atividades e alguma diversão que se faz, que pouco ou nada têm de cristão. O Domingo também deve ser santificado pela reunião familiar mais alargada, em clima de alegria e de festa, pela oração familiar, por mais oração individual e comunitária, pela prática das obras de misericórdia, pela peregrinação a algum santuário, leitura da Escritura, catequese, convívio fraterno.
Alguns cristãos perguntam às vezes sobre o valor da missa vista pela televisão, e ainda bem que as rádios e as televisões o fazem. Não há nada que substitua o estar presente na Eucaristia dominical. O ver a missa pela televisão não serve para satisfazer a santificação do Domingo, mas é um bom meio e uma ajuda preciosa para se criar alguma comunhão com Deus e com a Igreja para as pessoas que estão acamadas ou gravemente doentes ou que sofram de alguma imobilidade. Jamais deve ser uma prática corrente para as pessoas que podem ir à Igreja. Seria desvirtuar o Domingo e os sacramentos da Igreja, assim como a vida. É completamente diferente ver um vídeo de um casamento e participar no casamento. Há uma diferença abissal e intransponível.



publicado por minhasnotas às 10:48 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds