Sexta-feira, 21 de Outubro de 2016

No dia 14 de Agosto, a Junta de Freguesia de Pinho e a Câmara Municipal de Boticas homenagearam postumamente o Padre Arnaldo Moura, falecido no dia 28 de Março de 2015. Inaugurou-se um largo com o seu nome e benzeu-se um busto em sua honra, com a presença do Senhor Bispo D. Amândio Tomás e alguns padres, autoridades, povo de Pinho, terra natal do P. Arnaldo Moura, antigos paroquianos e amigos. Foi também apresentado o livro «Memórias do Padre do Povo», da autoria da escritora Maria Assunção Morais, uma coletânea de depoimentos e testemunhos de muitas pessoas que se relacionaram e privaram com o P. Arnaldo Moura. Ultimamente, o P. Arnaldo participava na festa dos Mouras que se realizava em Montalegre.
Felicito a Junta de Pinho e a Câmara Municipal de Boticas pela justa homenagem que realizaram a um grande homem do Concelho e a um bom padre da Diocese de Vila Real. Por razões de trabalho, não pude estar presente, mas não ficaria bem comigo mesmo se não escrevesse duas singelas palavras sobre o P. Arnaldo Moura.
Não foi com ele que entrei para o seminário, mas, quando passou a ser o pároco de Beça, acompanhou-me durante algum tempo no seminário. Desde logo, manifestou atenção, preocupação e acompanhamento generoso, incentivando e dando pequenos conselhos, com aquela candura e doçura que lhe era característica.
No meu ano de estágio, sendo já o meu pároco o padre Luís Sanches, veio amavelmente ter comigo, pedindo-me que o acompanhasse em algumas festas para dizer «duas palavras» ao povo, porque, segundo dizia, «já estava na hora de começar a enfrentar o povo e de passar à «prática» da pastoral». E desde logo, com a sua voz macia, sentenciou com jocosidade, aconselhando pregações curtas e incisivas: «Não te esqueças para a vida: nos primeiros cinco minutos mexes os corações, daí para a frente só mexes os cus». Nestes momentos, pude, sobretudo, presenciar a forma alegre, humana, dedicada e profundamente espiritual como vivia o sacerdócio.
Entretanto, só nos passámos a ver esporadicamente, até que começaram a ser conhecidos os seus problemas de saúde. Uns meses antes da sua morte, ainda tivemos a oportunidade de estar à mesa, a convite de um amigo, surpreendendo pelo bom apetite e mantendo a boa disposição e presença agradável que não deixava ninguém indiferente. Já era notória a sua grande fragilidade, pela ajuda que precisou para ir para o carro.
No dia 28 de Março de 2015, chegava a triste, mas esperada, notícia do seu falecimento. No seu funeral esteve presente uma multidão de pessoas, das várias paróquias que serviu e das várias instituições onde foi capelão, assim como amigos em geral. Com ele aprendi a ser homem e a ser padre, sendo por isso uma das figuras marcantes da minha vida. Se lhe chegar aos calcanhares, dar-me-ei por contente.
A sua vida não sobressai pelas grandes obras ou feitos, mas pela forma extraordinária como vivia o simples da vida, o padre para o povo e a relação com os outros. Falar do P. Arnaldo é falarmos, antes de mais, de um homem de grande humanidade, um ser humano polido. Tocou-nos pelos valores humanos da amizade franca, amabilidade, simpatia, simplicidade, bondade, disponibilidade, cortesia, sensibilidade, compaixão, abertura e acolhimento. Impôs-se pelo sua generosidade e desprendimento, não tinha vaidade balofa e pretensiosismos. Como padre, era zeloso, dedicado, serviçal, orante, alegre, de grande vivência espiritual. A tudo isto acrescentava uma boa dose de boa disposição e o bom humor.
Só Deus sabe quem é santo. Mas, se não o foi, esteve lá muito perto. Aprendamos dele a saber estar na vida com simplicidade, humildade, dignidade, liberdade, humanidade e santidade.



publicado por minhasnotas às 11:48 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds