Quinta-feira, 17 de Setembro de 2015

Os caminhos que vão dar a Santiago de Compostela estão outra vez na moda e não param de ter peregrinos estoicos e obstinados todos os dias, de diferentes identidades e organizações e com as mais variadas motivações. Convém percebermos um pouco como é que estes míticos e afamados caminhos nasceram e com que espírito os devemos percorrer.

Em primeiro lugar, no respeito pela verdade histórica, vale a pena lembrar que dificilmente o Apóstolo S. Tiago terá estado em Compostela ou terá andado a evangelizar a Hispânia. Não há nenhum documento da Igreja que o comprove, nem qualquer outro documento histórico fidedigno que o ateste. S. Tiago terá ficado por Jerusalém e arredores, sendo o primeiro apóstolo a sofrer o martírio em nome da fé cristã, como tão bem a liturgia nos ensina. A sua viagem pela Hispânia foi uma «invenção».

S. Jerónimo (séculos IV e V) deixou o rastilho: expressou nos seus escritos que a Hispânia foi evangelizada por um apóstolo. Se assim foi, ao longo dos tempos, foi ganhando força a convicção de que o túmulo desse apóstolo estaria algures num lugar desconhecido da Hispânia. Mas como criar o «facto»? Recorreu-se ao estratagema habitual: criou-se e divulgou-se uma lenda ou um fenómeno espantoso. No século IX (820-30), um eremita chamado Paio contou que, numa certa noite, viu umas estrelas ou umas luminárias a arder sobre um bosque (Compostela). Outros fiéis confirmaram que também viram o mesmo. O então Bispo da Galiza, Teodomiro, deu crédito ao testemunho do eremita e dos fiéis e resolveu ele mesmo inteirar-se do assunto e desvendar o mistério. Dirigiu-se à zona densa do bosque, onde descobriu um pequeno oratório. Não teve a menor dúvida que se tratava do túmulo do Apóstolo S. Tiago. Mandou construir no local uma Igreja (mais tarde até o bispo ali estabeleceu a sua residência), que foi dotada de privilégios régios pelo rei das Astúrias, região a que a Galiza estava anexada, Afonso II, também ele convencido que se tratava de um facto com marcas de autenticidade. Assim nascia o culto hispânico de S. Tiago, centro de uma das peregrinações mais concorridas da história do Cristianismo. Uma rede de vias e caminhos, tanto terrestre como marítima, foi construída para que peregrinos de todo o mundo, cada vez em maior número, sobretudo da França, país mais povoado da época, pudessem vir tocar as relíquias do apóstolo ou pedir ou agradecer alguma graça ao apóstolo.  

Sabiamente instrumentalizado por bispos e reis, o culto jacobeu (culto de santiago) teve duas grandes finalidades: fortalecer a fé dos cristãos hispânicos, «enraizada» no ensino e «abençoada» por um dos apóstolos mais importantes de Jesus, no combate contra a investida do islão pela Península Ibérica, investida que teve o seu início em 711, e retirar do isolamento e alfabetizar a região hispânica, então pouco civilizada, que tinha grandes territórios semisselvagens, incultos, rudes, ecléticos, cheios de contradições e de desordem cultural e social. Para o poder político, o culto a S. Tiago foi uma bênção vinda do céu, que, como motor agregador e unificador, serviu para se reconstruir a Hispânia e se criar unidade e consistência social, cultural e religiosa. Grande intervenção neste campo teve o monaquismo cluniacense (Ordem de Cluny, mais tarde também a Ordem de Cister), nascido no século X, desde cedo detentor de grande respeito e prestígio, que gozava da simpatia dos reis hispânicos (Astúrias e Leão), estabelecendo-se em zonas nevrálgicas dos caminhos, assim como da Hispânia.

 Hoje, como sempre, os caminhos de S. Tiago são uma escola de vida e uma ação que possibilita o encontro com a vida, consigo mesmo, com os outros e com Deus. Segundo os peregrinos, são muitas as motivações, umas mais nobres do que outras, que os levam a calcorrear estes caminhos históricos e míticos: libertação do peso do quotidiano, testar os limites, solidariedade e atenção aos outros, aprender que se pode viver com sobriedade, contemplação e encontro com Deus através da natureza, desporto e aventura, busca de Deus e aprofundamento da fé. Se esta última é a motivação que nos leva a Santiago de Compostela, tão importante como o ir até lá, é depois a viagem de regresso, porque seremos pessoas diferentes, mais humanas e mais maduras, cristãos mais autênticos e comprometidos, seres humanos mais polidos e solidários. Oxalá muitos peregrinos possam experimentar esta graça de Deus.



publicado por minhasnotas às 11:42 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds