Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2015

Já repararam que aproveito este espaço, que agradeço ao digníssimo diretor deste nobre jornal, para oferecer um pouco de doutrina, formação e cultura religiosa católicas, porque vou encontrando lacunas, mal-entendidos e desvios sobre a fé cristã. São os artigos que me dão mais gozo. Comentar a atualidade, e que rica, aterradora e complexa ela está, por vezes, é um trabalho insípido, porque a realidade está sempre em acelerada mutação. Fica sempre a sensação de que andamos atrás do efémero. Há que dar mais importância ao que é sólido e traz firmeza e formação à vida. Faço-o a partir da minha pobreza e auxiliado pela minha preciosa instrução e pelas minhas amantes (tenho algumas, não digam nada, uma delas é a leitura). Bom proveito.

A doutrina do pecado original vai merecendo alguns reparos de teólogos e pensadores cristãos e não cristãos. Alguns já quase a rejeitam, condenando a importância excessiva na doutrina e no pensamento da Igreja, outros reinterpretam-na com alguma consistência (vale a pena ler o que vai saindo, numa releitura dos difíceis e polémicos primeiros capítulos do Livro do Génesis, com o contributo do pensamento cientifico), outros ainda reafirmam a sua validade. Para todos os efeitos, ainda não foi revogada pela Igreja e continua em vigor. No ritual do batismo, está lá muito bem claro: «Deus todo-poderoso e eterno, que enviastes ao mundo o vosso Filho para expulsar de nós o poder de Satanás, espírito do mal, e transferir o homem, arrebatado às trevas, para o reino admirável da vossa luz, humildemente Vos pedimos que esta criança, libertada da mancha original, se torne morada do Espírito Santo e templo da vossa glória.»

O que é que queremos dizer, afinal, com o pecado original? Aqui original significa o pecado que vem das origens, do início da humanidade, pecado que inquinou a história do mundo e do homem, que transformou a natureza do homem e das coisas. Que pecado foi esse?

O projeto inicial de Deus em relação ao homem foi que este alcançasse a plenitude integral do seu ser numa relação de amor e de vida com Deus. O homem seria o interlocutor livre, que livremente responderia ao convite livre do amor de Deus, para ambos viverem em comunhão e aliança.

Mas, ao convite de Deus, o homem respondeu com desprezo e rejeição. Julgou que esta aliança seria uma servidão e uma dependência. O homem decidiu não viver de Deus, que, como seu criador, seria a fonte da sua vida plena, e escolheu seguir o seu próprio caminho, dispor de si mesmo e da sua vida como muito bem entendesse, sem depender de nada nem de ninguém (não é esta tentação diabólica que anda sempre de nós?). Da harmonia sonhada por Deus entre a sua vontade e a vontade do homem, resultou uma cisão trágica entre as duas vontades.

Esta rutura com Deus revestiu-se de um caráter dramático: por orgulho e iniciativa do homem, o mundo começou a ser construído contra a vontade de Deus, e assim a realidade do pecado e do mal contaminaram o mundo e todo o desdobramento cultural da existência humana. O veneno do mal e do pecado passou a inquinar toda a história humana. Quebrou-se de modo irreversível a comunicação e a comunhão entre Deus e homem. Este desviou-se tragicamente da verdade que estava inscrita na sua natureza, alienando-se do seu ser mais autêntico, procurando a verdadeira vida onde ela não está, em si mesmo ou nos muitos sucedâneos que ele inventa para a encontrar. A negação da comunhão e da relação com Deus implicou uma outra forma, deteriorada, de se relacionar consigo mesmo, com o outro e com a criação. O homem torna-se estranho a Deus, tornando-se estranho a si mesmo. A história humana foi assim indelevelmente marcada pela presença do pecado, que corrompe o homem, o afasta de Deus e o vira contra si mesmo, contra os outros e contra a criação.

Por pecado original não queremos isolar ou identificar um pecado concreto, que exista em estado puro, de forma abstrata e irreal, ou uma força malévola que influencia o ser humano, mas afirmar que a nossa história humana está marcada pela presença do mal e queremos destacar o ambiente, o espaço vital, o estado nocivo da humanidade em que nasce cada ser humano, estado que o corrompe, que o diminui e aliena, não o deixando ser o homem que deve ser, em comunhão com Deus, com os outros e com a criação.

Podemos ver manifestações do estado nocivo da humanidade em situações concretas, tanto pessoais, como estruturais e sociais: nas injustiças, violências, marginalizações, no ódio destruidor, na vontade pura de domínio e de poder, na avareza humana, no orgulho, no egoísmo, nas ideologias totalitárias, na sobrevalorização das coisas em relação à pessoa humana, que uma sociedade de consumo gera, a exploração e degradação do homem que a economia do lucro origina, a destruição da natureza, a ciência manipuladora e mortífera, entre outras. Todas estas situações alienam o homem, ou seja, privam-no do seu ser verdadeiro. O homem, chamado ser homem e a ir mais além de si mesmo, fica abaixo de si mesmo. Dentro de nós mesmos, não podemos deixar de experimentar ainda, mesmo depois de batizados, um grande dilema e uma grande tentação e divisão: queremos fazer o bem, mas experimentamos uma atração para fazer o contrário. Ainda estamos feridos no nosso ser profundo e somos facilmente influenciados pela cultura e pelo ambiente pecaminoso em que nascemos. Como disse Bento XVI, «todos trazemos dentro de nós próprios uma gota do veneno, chamado pecado original».

O pecado e o mal entranharam-se de tal maneira na mentalidade e na cultura humana, que o homem, só por si, se tornou incapaz de os vencer. Tornou-se necessária uma redenção, uma libertação desta servidão, esta sim, uma servidão a sério, para o homem recuperar a sua dignidade e a sua vocação, redenção que seria ao mesmo tempo uma recriação do homem, do mundo e da história, redenção que certamente já estaria nos planos de Deus. Criar o homem livre teria os seus riscos.

Deus envia o seu Filho ao mundo. Pela sua morte e ressurreição redimiu e deu vida nova (salvação) à humanidade, colocando-a na senda do projeto inicial de Deus. Diz Bento XVI: «A ressurreição de Jesus Cristo significa precisamente a libertação desta servidão, desta e de todas. Aceitar Jesus Cristo, na fé, e dispor-se a segui-lo, significa aceitar que com Ele saímos da opressão do pecado e do mal e vencemos a alienação interior que não nos deixar ser o que de verdade devemos ser, que impede a nossa realização plena e que alcancemos o nosso verdadeiro destino.»



publicado por minhasnotas às 12:18 | link do post | comentar

2 comentários:
De haja luz a 31 de Janeiro de 2016 às 17:31
"e que rica"

Rica? Rica em quê?

" a sensação de que andamos atrás do efémero."

Nós não andamos atrás de nada. Os engenheiros social é que EMPURRAM a humanidade na direcção que eles querem.

"A doutrina do pecado original vai merecendo alguns reparos de teólogos e pensadores cristãos e não cristãos. Alguns já quase a rejeitam"

Teólogos? Por uma pessoa ter um papel um diploma, faz dele alguém credível?
Então se a resposta é sim, deve estar equivocado na religião, pois
Jesus segundo o que está instituído era carpinteiro, e a maioria dos apóstolos eram trabalhadores com pouca ou nenhuma instrução, habilitação académica.

"Deus todo-poderoso e eterno, que enviastes ao mundo o vosso Filho para expulsar de nós o poder de Satanás, espírito do mal, e transferir o homem, arrebatado às trevas, para o reino admirável da vossa luz"

Quando perceber isto, percebeu tudo!

"inicial de Deus em relação ao homem foi que este alcançasse a plenitude integral do seu ser"

Plenitude integral? De onde tirou esta ideia?
A nós basta-nos a graça de DEUS, e não precisamos de mais nada. A graça de DEUS.

" o homem respondeu com desprezo e rejeição"

O homem não respondeu com desprezo e rejeição, mas antes foi enganado. Culparia um bebé por alguma coisa que fizesse? O homem é inocente não culpado, que fique bem claro, não culpado.
O nosso querido mestre ao entender isso, seguiu o caminho da cruz, pois sabia que éramos como criancinhas que foram enganadas.

"por orgulho e iniciativa do homem, o mundo começou a ser construído contra a vontade de Deus"

Por orgulho de Satanás e dos demónios, os homens têm pouco, quase nenhum voto na matéria.

"orgulho e iniciativa do homem, o mundo começou a ser construído contra a vontade de Deus"

Não é verdade, a acção diabólica que existe no mundo, é que nos quer afastar de DEUS, e utiliza determinados expedientes constantemente para nos levar na direção errada.

". A negação da comunhão e da relação com Deus implicou uma outra forma, deteriorada, de se relacionar consigo mesmo, com o outro e com a criação. O homem torna-se estranho a Deus"

A acção diabólica desiquilíbrou, o Homem.

"Criar o homem livre"

O homem não é livre.
Só é livre alguém que tendo conhecimento do bem e do mal, escolhe sempre o bem.


De haja luz a 31 de Janeiro de 2016 às 23:45
Correção

Onde está escrito

"Orgulho e iniciativa do homem, o mundo começou a ser construído contra a vontade de Deus"

Deveria estar

"O homem decidiu não viver de Deus, que, como seu criador, seria a fonte da sua vida plena, e escolheu seguir o seu próprio caminho"

Não é verdade, a acção diabólica que existe no mundo, é que nos quer afastar de DEUS, e utiliza determinados expedientes constantemente para nos levar na direção errada.


Comentar post

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds