Quarta-feira, 5 de Novembro de 2014

Alfred Nobel foi um químico sueco, do século dezanove, que inventou a dinamite, para facilitar a construção de obras públicas de grande utilidade para a sociedade. Mas rapidamente Nobel se apercebeu de que o seu invento também viria a ser causador de grandes atrocidades contra a humanidade, usada em conflitos e guerras. Possivelmente acossado por alguns remorsos, deixou grande parte da sua fortuna para ser distribuída por personalidades e instituições que contribuam para o bem e o desenvolvimento da humanidade. Assim nasceram os prémios nobel.

Este ano, o prémio nobel da paz foi atribuído a uma paquistanesa e a um indiano: Malala Yousufzai e Kailash Satyarthi, respectivamente. Dois países que têm vivido em grande tensão, com a agravante de serem duas potências nucleares. Mais uma vez fica claro que a atribuição deste prémio nobel tem sido feita de forma estratégica e cirúrgica e a pensar no futuro, como estímulo ao diálogo, à fraternidade e ao alívio de beligerâncias em muitas regiões do mundo.

Kailash Satyarthi tem feito um trabalho esplêndido na India, no combate à exploração infantil e ao trabalho infantil. Luta para que as crianças tenham direito à sua infância e à educação. Na India, é uma obra hercúlea. É considerado o líder mundial no combate ao trabalho infantil. Mas a pessoa e o percurso de vida que tenho acompanhado com alguma admiração e curiosidade é o de Malala, a pessoa mais jovem até agora a receber um prémio nobel, com 17 anos.

Malala tem revelado uma bravura e uma coragem impressionantes. Há já vários anos que no Paquistão, na sua tenra idade, tem sido uma voz defensora do acesso das crianças à educação e da igualdade entre homem e mulher, num país que tem sido assolado pela opressão e pelo extremismo perpetrado pelo movimento talibã. Em 2013, este movimento, que dominava a região onde Malala vivia, ordenou a instauração da Sharia, a lei islâmica, que, entre outras coisas, proíbe o acesso das mulheres à escola. Malala não se conformou. Decidiu continuar a ir à escola, sabendo que a todo o momento poderia ser barbaramente assassinada. Num certo dia, num período em que os talibãs já estavam a perder o domínio da região, num puro ato de maldade e vingança, dois soldados talibãs entram no autocarro escolar, dirigem-se ao lugar onde estava Malala com mais algumas colegas e desferem meia dúzia de tiros. Malala é atingida na cabeça e no pescoço, correndo perigo de vida. Ao fim de seis dias, uma equipa de médicos ingleses, que se encontrava no Paquistão, aconselhou a sua transferência para Inglaterra, onde ainda vive, para poder ter uma recuperação o mais perfeita possível. Chegou-se a temer que a jovem ficasse indelevelmente afetada na sua fala e na sua capacidade de raciocínio, mas não ficou. Está mais forte do que nunca e disposta a ser uma política ativa na defesa do direito das crianças à educação e uma intrépida combatente contra a repressão que é exercida sobre as mulheres em muitas partes do mundo.

Num deserto de grandes referências como é este em que vivemos, vale a pena dizer aos nossos jovens que, afinal, ainda existem pessoas exemplares e causas pelas quais vale a pena lutar, sem armas e sem violência, e que ainda há por muito por fazer para o bem e o progresso da humanidade, em vez de se andar a perder o tempo em futilidades e em diversão bacoca. A vida que nos foi dada não é para ser atrofiada no egoísmo e degradada nos seus prazeres, mas é para ser promovida e realizada no altruísmo e na dedicação aos outros, na construção de um mundo solidário e fraterno, onde todos possam viver com dignidade. Assim nos diz a jovem Malala: «Não interessa a cor da pele, a língua que falamos, a religião em que acreditamos, devemos considerar-nos todos seres humanos e devemos respeitar-nos e lutar pelos direitos das crianças, das mulheres e de todos os seres humanos”.

2.No caso do vírus do Ébola, o comportamento dos Estados Unidos da América e da Europa tem sido uma vergonha. Enquanto a doença não foi uma ameaça para americanos e europeus, pouco ou nada nos importou que morressem pessoas em África há vários anos. Agora que passou fronteiras, tocou a sirene e toca a mobilizar a ciência e a medicina para abater o vírus. E andamos todos os dias com os direitos humanos na boca. Os africanos não são pessoas?



publicado por minhasnotas às 12:27 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds