Sexta-feira, 5 de Junho de 2015

Duas enfermeiras do Centro Hospitalar do Porto queixaram- se de que foram obrigadas a fazer um teste de amamentação, espremendo as mamas diante de médicos de saúde ocupacional, para se comprovar que de facto ainda estavam a amamentar e assim terem direito a menos duas horas de trabalho, como manda a lei.

 O caso, mal foi conhecido, gerou imediatamente polémica, ganhou rapidamente os contornos de um «escândalo», e, como não podia deixar de ser, alguns partidos pediram urgentemente esclarecimentos ao Centro Hospitalar do Porto e ao governo, manifestando a sua indignação por tamanho atentado à dignidade das mulheres. O governo, pelo seu ministro da saúde, informou que desconhecia esta metodologia e que iria averiguar e o diretor do Centro Hospitalar do Porto informou que este método será abandonado, sendo substituído por outro procedimento mais correto e menos vexatório.

 Temos de concordar que, de facto, o método é indecoroso e abusivo. Se existem outras formas de o fazer, mais dignas e menos humilhantes e intrusivas à intimidade das pessoas, há que as pôr em prática. Uma entidade patronal tem direito à verdade e a pedir a devida comprovação para determinadas exceções ou direitos que o trabalhador reclame, em conformidade com a lei ou até apelando à bondade da entidade patronal, mas isso não lhe dá o direito a usar todos os métodos possíveis. A decência que a razão nos dita e o respeito pelo trabalhador e pela sua dignidade humana são fronteiras que nunca devem ser ultrapassadas.

 A razão invocada para o uso deste método impróprio foi a suspeição de que existem atestados fraudulentos de mães que já não amamentam, para continuarem a usufruir da redução das duas horas no seu horário de trabalho. É muito provável que existam fraudes e falsidades. Engraçado que contra isto nunca vimos um partido político inflamado e indignado ou organismos e entidades a exigirem mais ética e honestidade aos trabalhadores. Não faz parte do politicamente correto da nebulosa sociedade em que vivemos e vai contra a moralidade oca que o turvo discurso mediático nos impõe. O trabalhador é sempre o pobre explorado e o patrão é o rico explorador. Por isso, convencionou-se que só se deve dar pancada no patronato. Mas a realidade mostra-nos que existem bons e maus dos dois lados. Sermos justos com todos é a melhor atitude a adotar.

 O método para se provar a amamentação é inaceitável, mas também o é a mentira, a fraude e o engano. E não sejamos ingénuos: existem muitas trafulhices, trapaças e falsidades de muitos trabalhadores para com as suas entidades patronais ou outras entidades. E parece que há um acordo tácito que legítima o direito a cada um fazer o que muito bem lhe interessa de acordo com as suas conveniências. Vale a pena lembrar que o fazer pela vida não pode ser feito à margem das leis, nem à custa da transgressão da moral que se exige a uma pessoa humana.

 O que este dito escândalo mais uma vez transparece é que vivemos numa sociedade em que a moral e a ética andam pelas ruas da amargura. Há uma preocupante degradação moral no mundo atual. Há falta de seriedade e de verdade. Criámos um ambiente social em que desconfiamos todos uns dos outros e já quase ninguém confia em ninguém. Quando é assim, burocratizamos a vida: tudo tem de se provar e comprovar. Temos de andar todos de papel na mão e carimbo no bolso. A palavra dada não tem valor nenhum e os compromissos valem até onde as conveniências e os interesses ditarem. Louva-se a esperteza saloia e a astúcia desonesta e apelida-se de parvo e ingénuo quem age com honestidade e integridade. A ditadura dos interesses corrompe tudo. Paulatinamente, temos vindo a condimentar o caldo para fazermos da vida um pequeno inferno onde todos vivemos. É lamentável que vivamos numa sociedade assim. Uma sociedade que não tenha na sua base a moral e a ética é uma sociedade que se constrói com alicerces de areia.



publicado por minhasnotas às 11:20 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds