Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014

Na sua primeira mensagem para o Dia Mundial da Paz, o Papa Francisco apela à fraternidade. Diz o Papa: «A fraternidade é uma dimensão essencial do homem, sendo ele um ser relacional. A consciência viva desta dimensão relacional leva-nos a ver e tratar cada pessoa como uma verdadeira irmã e um verdadeiro irmão; sem tal consciência, torna-se impossível a construção duma sociedade justa, duma paz firme e duradoura». Dificilmente podemos contestar esta afirmação. Pela nossa simples racionalidade, facilmente percebemos que o outro que vive e convive comigo, seja ele quem for, apesar das suas diferenças e da sua unicidade, é alguém «semelhante» a mim. Como eu, tem a sua consciência, os seus sonhos, as suas aspirações e os seus desejos, o seu projeto de pessoa e de felicidade, feito da mesma carne de que eu sou feito. Esta semelhança faz me interiorizar que o outro é um «irmão» a quem devo respeitar e amar, com quem me devo relacionar para que nos realizemos como pessoas humanas. Para quem é crente em Deus, esta constatação fraterna torna-se ainda mais clara e aprofunda-se ainda mais: temos um mesmo criador, um mesmo Pai, que a todos deu e dá a vida. Todo e qualquer homem que encontre nos caminhos da vida – o meu próximo – é um irmão que Deus me dá, que eu devo acolher e com quem devo viver em comunhão e reciprocidade. Se assim o fizer, certamente que construo a paz, aquele ambiente saudável em que os corações têm serenidade e alegria e em que todos se sentem bem. Paz que eu devo acolher de Deus e construir todos os dias com os outros, porque todos temos direito à paz.   

Mas, infelizmente, ainda há muito para andar na construção de uma fraternidade sólida. No campo dos princípios, todos a afirmamos e defendemos, proclama-se a fraternidade nos quatro cantos do mundo, de várias formas e feitios, mas, na realidade concreta da vida, ainda é muito insuficiente e anémica. O próprio Papa também o lembra: «Esta vocação é muitas vezes contrastada e negada nos factos, num mundo caracterizado pela «globalização da indiferença» que lentamente nos faz «habituar» ao sofrimento alheio, fechando-nos em nós mesmos». Não faltam bons exemplos de fraternidade, uns mais casuais, outros vividos quotidianamente, mas ainda estamos muito longe da verdadeira fraternidade que Jesus Cristo pediu e que a Igreja procura e deve promover. E como é perturbador ver que alguns dos piores exemplos são nos dados por cristãos.

Nas nossas relações diárias, na educação e na cortesia, no trabalho, nas inúmeras atividades sociais, nas instituições, até na Igreja, ainda se vê muita frieza, falta de respeito, desprezo, indiferença, falta de amor e de atenção pelos outros, discriminação, falta de partilha, exploração, insensibilidade, agressividade verbal e física, falta de solidariedade, rebaixamento dos outros, competição mais própria de inimigos do que de irmãos. E repito: tudo isto é exibido por cristãos. Não tem sentido andarmos a celebrar liturgias solenes aos Domingos, que não nos aproximam de Deus e uns dos outros, liturgias que não fomentam a fraternidade e comunhão entre todos. Corremos muito o risco de andarmos a viver uma «fraternidade de laboratório», como afirmou aqui há uns tempos o Papa, uma fraternidade rezada e muito bem pensada, mas que não se realiza, nem se vive. Uma fraternidade assim é um embuste e descredibiliza profundamente o que celebramos nas nossas igrejas.

A cultura em que vivemos não promove uma verdadeira fraternidade, cultura essa que temos de mudar, como nos diz o Papa: «As inúmeras situações de desigualdade, pobreza e injustiça indicam não só uma profunda carência de fraternidade, mas também a ausência duma cultura de solidariedade. As novas ideologias, caracterizadas por generalizado individualismo, egocentrismo e consumismo materialista, debilitam os laços sociais, alimentando aquela mentalidade do «descartável» que induz ao desprezo e abandono dos mais fracos, daqueles que são considerados «inúteis». Assim, a convivência humana assemelha-se sempre mais a um mero do ut des (dou para que dês) pragmático e egoísta». Uma cultura em que julgamos que nos podemos bastar a nós próprios, em que o outro, muitas vezes, é visto como um concorrente ou um opositor que me estorva, ou até um inimigo que eu devo abater, em que o outro se torna um estorvo para a minha felicidade egoísta, em que o outro é visto como um meio de que me posso servir e que posso usar para o que muito bem entender, é uma cultura desumana e enferma, que não devia ser promovida por pessoas que se consideram irmãs e que querem viver (será que sim?) como irmãs. Repensemos seriamente a fraternidade que vivemos e que temos andado a desenvolver. A fraternidade é possível e para quem é crente é uma exigência. É uma valor admirável. Mas temos de o cultivar no coração e de o construir com verdade e de verdade todos os dias, senão calemo-nos com os nossos belos discursos sobre a fraternidade.

2.Nos dias seguintes à celebração do Natal, procuro captar a «verdade do Natal», ou seja, até que ponto o Natal foi mesmo uma celebração cristã, encontro e acolhimento de Jesus Cristo, e o que é que ela trouxe de novo à vida das pessoas e do mundo. Só Deus sabe o que aconteceu no coração de cada um, mas, pelos sinais exteriores, fico desapontado. O Natal tornou-se apenas uma festarola familiar como tantas outras, o cumprimento de meia dúzia de exteriorismos (fazer presépios, comprar e dar prendas, gastronomia tradicional, enfeite e iluminação de casas, cantares natalícios, uns mais tradicionais, outros mais aligeirados, que de Natal genuíno têm muito pouco, saudações festivas a tudo e a todos). E já nem falo do consumismo do Natal. Perguntam: mas então o Natal não é aquilo tudo? É. Mas é muito mais do que aquilo. Infelizmente, muitos cristãos pensam que o Natal é apenas celebrar uma data bonita ou um acontecimento encantador ou pura e simplesmente reunir a família. Não, é encontro e acolhimento de Jesus Cristo, com o seu Evangelho e com o seu Reino. «Nasceu para vós um Salvador», diz a liturgia. Celebrar o Natal também é conversão e dar novos caminhos à vida. E não vejo isso acontecer. As mesmas pessoas que não vão à missa, continuam a não ir à missa. As mesmas pessoas que vivem alheadas dos valores, da doutrina e da vida da Igreja, continuam alheadas. Não vejo as pessoas a adquirirem valores humanos e espirituais. Não vejo divisões a serem ultrapassadas. Não vejo relações humanas a serem melhoradas. Não vejo caras a recuperar a alegria e a esperança. Não vejo vontade de dar mais aos outros, sobretudo em tempo e amizade. Não vejo mais compromisso com Jesus e com o Evangelho. Ó pobre Natal. Na vida de muitas pessoas não aconteceu Natal. Sim, dizem que aconteceram algumas coisas agradáveis, mas não foi Natal. Marquem outra data para o celebrarmos.



publicado por minhasnotas às 17:50 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds