Quarta-feira, 7 de Maio de 2014

No dia 1 de Abril, morreu um dos maiores historiadores franceses, ou até mundiais, do século vinte: Jacques Le Goff. Juntamente com outros insignes historiadores, como Fernand Braudel, Jacques Revel, Pierre Nora, George Duby, Jacques Heers, entre outros, fundou e impulsionou a famosa «Nova História», uma leitura nova da história, mais reta, abrangente e aprofundada, com grande incidência sobre a Idade Média. Num dos últimos grandes prémios de reconhecimento que recebeu, salientou-se que, com a sua investigação, estudo e obras, contribuiu para «uma nova e correta perceção da Idade Média».

Nem de propósito, ando a acabar de ler «A Idade Média, Uma Impostura», de Jacques Heers e ocorreu-me sublinhar o grande trabalho histórico destes grandes historiadores franceses. Infelizmente, a história anda muito inquinada e a forma como se faz história ou escreva a história devia merecer uma grande reflexão e, sobretudo, uma grande reformulação. Há muita falta de verdadeira investigação, de imparcialidade, há muita imprudência e imprecisão em muita história que se escreve. Há muito que me tornei um leitor de história desconfiado e prudente, que não acredita em tudo que lê sem mais nem menos, porque a história, muitas vezes, tornou-se um pedaço de plasticina que se usa para o que muito bem nos convém e onde se vai buscar o que só nos interessa. Não se escreve história, mas sim «histórias», conforme os pontos de vista, os fins e as disposições do historiador, em grande prejuízo, muitas vezes, para a verdade histórica. Como afirma Jacques Heers e com o qual concordo: «Não raras vezes, as nossas sociedades intelectuais revelam-se abertamente racistas. Não no sentido em que o entendemos habitualmente, quer dizer, condenações ou desprezo pelas civilizações, religiões ou costumes diferentes dos nossos, mas por uma espantosa propensão para ajuizar mal o passado».

Um caso evidente é a Idade Média. Todos nós crescemos a ouvir falar sempre muito mal da Idade Média, sendo encarada como a época mais atrasada, tenebrosa e obscura, e até ridícula, da história da humanidade. Hoje está provado que isto não tem o mínimo sentido e assenta em muitas mentiras e considerações precipitadas de historiadores ou de escolas de história. Tudo se deveu a trabalhos históricos revestidos de amadorismo, feitos de encomenda, que, com escamas nos olhos, se devotaram pura e simplesmente a encontrar e a descrever os defeitos e as deformidades da Idade Média, esquecendo os seus progressos e as suas virtudes, que são muitas, para se salientar a inteligência, o progresso e a suposta grandeza das épocas seguintes (Renascimento, Luzes, etc.). Muito do que se ensinava sobre a Idade Média não foi devidamente investigado e estudado com independência, mas resultou dos preconceitos e das considerações levianas de escolas de história e de historiadores. Certamente que a Idade Média tem muitas coisas pouco recomendáveis e tem muitas sombras, com também a nossa tem. Mas também tem muitas virtudes, de forma que já não é aceitável dizer-se que o progresso humano e social parou na Idade Média, sendo retomado a partir do Renascimento ou da época moderna. Hoje é inquestionável que existiu uma sociedade medieval, uma sociedade tão próspera e rica como as outras. Na Idade Média nasceram as universidades, grandes ordens religiosas, mosteiros com grande dinamismo humano, religioso e social, movimentos intelectuais com um trabalho notável, as artes tiveram momentos de grande expressividade, começaram a germinar valores humanos e sociais que a modernidade chamou a si, mas que já existiam na Idade Média, e tantas outras coisas que se poderiam enumerar. Como afirma Jacques Heers, a Idade Média foi vítima de um pecado que muito historiador comete: «O homem de hoje, sobretudo o homem de espírito, que sabe manter uma reta honestidade quando lhe ocorre considerar civilizações bastante distantes no espaço, não mostra rigor nem tolerância ao descrever as da sua terra, separadas de si por alguns séculos. Aquilo que compreende e respeita alhures, critica-o, com veemência e desdém, em sua casa, simplesmente porque o tempo passou: um desdém tão profundamente arreigado que acaba por suscitar reações de autómato. Vêm então ao de cima, em obras e discursos a fio, juízos definitivos apenas assentes nesse credo, construídos sobre belas certezas injustificadas.». Não deveríamos continuar a usar por aí a avulso a palavra medieval com sentido negativo e pejorativo, porque isso só põe a manifesto a nossa ignorância.

Reparemos como está escrita a nossa história de Portugal e ainda bem que já temos historiadores que nos apresentam perspetivas bem diferentes, muito mais independentes, amplas e inclusivas.  É a história «dos grandes homens ou dos vencedores». Este que fez aquilo, o rei que conquistou não sei o quê, grande feito que se fez não sei onde. A história, boa ou má, é a história. É feita com todos, com os seus condicionalismos e circunstâncias, que nem sempre o historiador consegue perscrutar. Julgar o passado com os critérios do nosso mundo contemporâneo e dividir a história entre os bons e os maus ou entre os grandes e os pequenos é um labor incongruente, é uma injustiça. Como lembra Jacques Heers, «uma das nossas grandes satisfações consiste em podermos avaliar o passado. O historiador talvez não se distinga nisso mais do que os outros, mas dá frequentemente o exemplo; distribui sem hesitação reprovações e coroas. Descrever, analisar, explicar, sabe a pouco, e não é decididamente muito atraente; o que é preciso é tomar partido, crucificar os malvados, acusá-los de infâmia para a posteridade e, por outro lado, exaltar as maravilhosas virtudes dos bem comportados. Este jogo pueril ocupa-se em primeiro lugar das grandes figuras, daquelas «que fizeram a História»: heróis gloriosos ou heróis catástrofe; opõe claramente os bons aos indignos, os bravos um pouco estúpidos aos tortuosos que urdem as suas teias; e, sobretudo, aqueles que estão presos a antigas maneiras de ser e de pensar, «que já não são do seu tempo», aos «modernos», que vão no bom sentido». O bem ou o mal nunca estão só dum lado e os grandes feitos não se devem apenas a uma mão ou a uma cabeça. O historiador não é um juiz, nem deve ser um distribuidor e relatador de condecorações ou de grandes feitos. Contar a história feita com todos deve ser tão só a sua principal preocupação.


tags:

publicado por minhasnotas às 14:10 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds