Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

O parlamento português, no dia 20 de Julho, aprovou a gestação de substituição, mais vulgarmente conhecida por barrigas de aluguer. A partir de agora, uma mulher (beneficiária) que não tenha útero, ou que tenha lesão ou doença no útero, sendo-lhe impossível engravidar, poderá celebrar um acordo jurídico com outra mulher (gestante), para que esta receba os seus ovócitos e lhe empreste a barriga, para que o casal possa ter um filho. Tudo terá que ser feito por puro altruísmo, sem qualquer pagamento, a não ser os honorários que a mulher gestante tenha ao longo do tempo da gravidez. Os acordos serão autorizados pelo Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida e a operação de gestação só poderá ser feita em centros públicos e privados autorizados pelo ministro da saúde. Após o parto, a mulher gestante renuncia aos poderes e deveres próprios da maternidade, entrega a criança à beneficiária, que passa a ser legitimamente a sua mãe. Toda esta ação e intervenção deverá ficar no segredo dos deuses, nem mesmo à criança deverá ser revelada a origem do seu material genético e que nasceu por ação de uma gestação de substituição.
Já reparámos que o assunto é complexo, mexe com princípios e levanta muitas questões morais. Não se entende a pressa que teve o parlamento português em aprovar uma lei que ainda gera mais dúvidas do que certezas. Tanta precipitação só se justifica porque temos partidos que querem troféus e querem ganhar o campeonato dos avanços e progressos civilizacionais contra os retrógrados, obscurantistas e conservadores inimigos da verdadeira e autentica civilização humana. Vamos acabar por concluir que nos metemos numa grande trapalhada moral e que a dignidade humana, que se promete defender, sai gravemente desrespeitada e lesada deste dito progresso civilizacional. Até o Senhor Presidente da República não fica nada bem neste enredo. Num primeiro momento vetou e apontou muitas lacunas à lei original. Após algumas correções de cosmética, já disse que promulga. Talvez lhe ficasse melhor pedir mais debate e reflexão à sociedade e aos partidos, como recomendaram muitas autoridades e conselhos.
Do ponto de vista jurídico, alguns juristas já apontaram algumas falhas na lei: hoje, infelizmente, renuncia-se com muita facilidade aos contratos e aos compromissos, à palavra dada. Se a mulher gestante, a meio da gestação, renunciar ao contrato, o que é que se faz à criança? Se uma mulher gestante reclamar o filho como seu, poderá ficar com ele? Um contrato onde haja dinheiro envolvido será considerado nulo, porque a gestação de substituição deverá ser altruísta e gratuita. Se um contrato for considerado nulo, o que se faz à criança desse contrato? É de acreditar que vamos ter muitas mulheres dispostas a engravidar por puro altruísmo? Como é que se vai fiscalizar os verdadeiros honorários de pagamentos disfarçados de reembolsos? Não se estão a violar os direitos da criança, ao não se lhe dar conhecimento da sua gestação e da sua herança genética, como obriga a lei? Uma mulher que aceite dinheiro para uma gestação de substituição é punida com uma multa. Uma simples multa, quando está em causa o respeito pela dignidade humana? Será que o crime compensa? Não se estará a facilitar a comercialização das barrigas de aluguer?
Do ponto de vista moral, são muitas as perguntas e as perplexidades: a troco da realização de um sonho de parentalidade, não se estará a reduzir um ser humano a uma mercadoria e a um bem transacionável e comercializável como qualquer outra coisa? Não se estará a dar um direito abusivo de os pais serem donos e proprietários da vida de um filho, direito que ninguém tem sobre uma vida humana? Não existe o direito a um filho a qualquer custo. Não estaremos a reduzir o ser humano a um produto da ciência? Será correto instrumentalizar o corpo de uma mulher, reduzindo-o a uma mera máquina gestante, sem afetos e emoções? Uma mulher que gera uma criança dentro de si e a dá à luz não é legitimamente a sua mãe? É proibido dar a conhecer à criança a sua herança genética. E se se der o caso de dois meios-irmãos, por terem o mesmo pai ou mãe, se apaixonarem?
Como vemos, por todas e mais algumas razões, a Igreja Católica não aceita a prática da gestação de substituição, considerando-a desonesta e inaceitável (Catecismo da Igreja Católica, nº 2376-79), pelo respeito que é devido à dignidade da vida humana. É acusada de ser insensível ao desejo e ao sonho de muitas mulheres poderem ser mães, mas não é verdade, porque a Igreja, se calhar, melhor do que ninguém, acompanha os casais que vivem o drama de não poderem ter filhos. O que a Igreja quer sublinhar é que não existe o direito ao filho e que nem todos os meios são dignos e aceitáveis para se ter um filho a todo o custo, porque está em causa a dignidade de uma vida humana. Prefira-se a adoção, pela qual se poderá dar muito amor a uma criança e se contribuir para a realização duma vida humana, sendo também um bom caminho para a realização da parentalidade.



publicado por minhasnotas às 16:40 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds