Segunda-feira, 10 de Março de 2014

O que temos escutado e lido nos últimos dias só nos pode deixar confusos e defraudados. A Europa não fala a uma só voz e tem muitas dúvidas quanto ao caminho certo. E pior que tudo: não se vê um rumo claro e uma meta consistente para aquilo que se está a exigir a alguns países europeus. Depois claro, não estranhem em ver crescer o euroceticismo, os extremismos e os nacionalismos, que tanta desgraça já causaram na história da Europa. Começa a ficar transparente que os interesses de impérios económicos e de entidades todas-poderosas, que eles supervisionam, dominam mais uma vez, ao invés de se pensar no real e sustentado desenvolvimento e bem-estar dos povos, na justa distribuição da riqueza por todos e na criação do bem comum.

A Troika, constituída pelo FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu, entrou em Portugal, a pedido da nossa incompetência, com a lição já mais do que estudada: o país andava a viver acima das suas possibilidades e por isso tem de fazer uma série de sacrifícios e de cortes dolorosos para se tornar sustentável. O país precisava de um choque de «realidade», andava a viver na ilusão. O que devia ter sido dito é que o Estado, comandado por políticos irresponsáveis nos últimos anos, é que andou a viver acimas das suas possibilidades, contagiando também os seus penduras e parasitas e muitos empresários e muitas famílias inconscientes. O cidadão que se habituou a viver honestamente com o seu ordenado e que poupa não andou a viver acimas das suas possibilidades.

Num primeiro momento, o país percebeu e aceitou que algum sacrifício tinha de ser feito, que, infelizmente, tocaria a todos, se é que tocou. Adquirimos luxos e regalias à custa de dinheiro emprestado, durante vários anos. Fizeram-se aumentos e concederam-se subsídios de vária ordem apadrinhados pelo crédito externo. Deixou-se andar à solta o despesismo imoral, enquanto tocávamos viola na praça pública, crentes de que uma mão providencial vem sempre resolver-nos os problemas. Até nos demos ao fausto de dar reformas-relâmpago chorudas pela prestação de meia dúzia de anos de trabalho. Continuo a não compreender para que é que se dá uma reforma de quinze mil euros ou mais a um reformado e a um jovem que começa a vida e quer constituir família dá-se-lhe o ordenado mínimo. E já que de jovens falo, convém também que eles pensem um bocadinho: como é que se explica que muitos tenham emigrado amargurados com o país e jovens estrangeiros venham para Portugal e consigam montar negócios? Nem tudo estará assim tão mal em Portugal.

Quando olhámos para o lado, vimos que a mesma receita estava a ser aplicada a países mais ricos do que nós. Interiorizámos que alguma austeridade era necessária. O que mais nos custa a ver é que ela ainda não foi feita onde deve ser feita, que é na despesa do Estado. Os partidos políticos são bons a distribuir dinheiro, mas quando se trata de governar a sério, com cortes e sem excessos, são covardes e não têm coragem, porque o poder interessa mais do que o país. E nós cidadãos também temos muita culpa porque se um partido nos apresentar um programa sério e realista para governar não ganha eleições. Preferimos a fantasia.

Num segundo momento, começamos a perceber que depois da austeridade o que se pede é mais austeridade, e, por muito que ponham rostos compassivos, exigida com muita insensibilidade pela real situação das pessoas ou pelo desconhecimento da vida concreta das pessoas. O último relatório do FMI recomenda que se baixem ainda mais os salários em Portugal. É aviltante propor isto ao país. Juram a pés justos de que é o melhor caminho para Portugal. Ao mesmo tempo que ouvimos estes oráculos da douta troika, já vamos lendo entrevistas de altos chefes e gestores de empresas e organizações económicas e financeiras a afirmarem de que Portugal está a tornar-se um país «apetecível», «atrativo para bons investimentos», ou seja, um país de mão de obra barata, que se resigna a viver na miséria, disposto a dar muitos lucros aos insaciáveis capitalistas que só veem dinheiro. É aqui que a Europa devia levantar a voz: o mal não está nos portugueses, mas no capitalismo selvagem e bulímico que tem carta-branca para prosperar onde quer e muito bem lhe apetece. Quem tem de mudar é o capitalismo, que não pode pensar só em rendimentos e lucros e que deve estar ao serviço do bem da sociedade, e não as pessoas que já ganham o razoável para viverem com dignidade.

O rumo que temos vindo a percorrer até aqui é consensual? Não. Em primeiro lugar, lembro as muitas contradições da troika, que já pudemos ler. Dentro do mundo económico, há economistas para todos os gostos. Peter Praet, economista-chefe do Banco Central Europeu, afirma numa entrevista ao Jornal Expresso que «o custo social e económico do programa em Portugal foi muito maior do que deveria ter sido». Não podemos deixar de nos interrogar: mas esta gente, afinal, sabe o que anda a fazer? Anda-se assim a brincar com a vida das pessoas e dos países? Põe-se em prática um programa de resgate sem estar devidamente pensado e sem se medir com todo o cuidado os seus riscos e efeitos? Pelos vistos, temos andado a trilhar um caminho que poderia ter sido menos duro e doloroso do que tem sido. Em que ficamos? O caminho que seguimos era absolutamente necessário ou trata-se de mais uma jogada de experimentalismo económico à custa das pessoas ou de uma manobra para assegurar os lucros dos grandes impérios económicos? Para arrematar só faltava esta: acaba de sair um estudo sobre as obras públicas alemãs, sob o governo da Senhora Angela Merkel, que nos impôs o rigor da austeridade e que nos acusou de calaceiros, despesistas e indisciplinados, em que se afirma que muitas delas revelam incompetência, má gestão e desperdício. Nem mais, Senhora Angela Merkel.

De uma vez por todas, era bom que os capitalistas e as instituições financeiras e económicas escrevessem em letras garrafais nos seus escritórios: a economia deve estar ao serviço do bem das pessoas e dos povos e não as pessoas e os povos ao serviço da economia. O dinheiro existe para criar a comunhão e a promoção do homem e não para criar a exploração e a opressão e fomentar e alimentar a devassidão de uma minoria extravagante e inconsciente. O dinheiro é bom se serve. É mau se se torna um senhor. Em tudo, o homem e a sua dignidade devem ter o primado.


tags:

publicado por minhasnotas às 18:59 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds