Quarta-feira, 22 de Abril de 2015

Na vida, confrontamo-nos com vários tipos de críticos: os imprudentes, que sem conhecerem a nossa vida e as verdadeiras razões porque atuamos de determinada maneira, fazem juízos de valor generalistas injustos; os acríticos e oportunistas, que quando os outros criticam também aproveitam para criticar, para fazer coro, na convicção de que picadas de vespa nunca mataram ninguém; os invejosos, que não podem ver o sucesso e a sombra dos outros; os verrinosos e cáusticos, que têm gosto, mau, diga-se de passagem, em só dizer mal e salientar e depreciar exageradamente o que dizemos e fazemos; os figadais, que se deixam guiar por ódios e inimizades, passando boa parte do seu tempo a descarregar sobre os outros a sua bílis intratável. Jesus Cristo mandou-nos rezar por eles e é o melhor que temos a fazer. Possivelmente, são pessoas que nunca na vida se sentiram bem consigo mesmas, quanto mais com os outros; os oportunos, que encontramos esporadicamente e que devido à sua experiência e sabedoria, nos ajudam a evitar erros e a corrigir atitudes e excessos; para o fim, entre outros que ainda se poderiam enumerar, deixo os bons críticos, pessoas amigas que nos querem bem e nos querem ver melhorar e progredir e que, para isso, com sinceridade, nos fazem boas críticas. Ter humildade suficiente para os ouvir é sinal de maturidade, porque ninguém é perfeito e faz tudo perfeito. Quem não sabe conviver com a crítica justa e construtiva ainda tem uns bons centímetros para crescer. Os bons críticos favorecem a perfeição e ajudam a abater tontices e credulidades tansas.

Erasmo de Roterdão foi um desses críticos para a Igreja do seu tempo, ou de todos os tempos, como vamos ver. Foi um teólogo e um humanista holandês que viveu nos séculos 15 e 16. Em 1509 publicou um pequeno livro, «Elogio da Loucura», obra dedicada a Tomás More, onde, com irreverência e sarcasmo, faz uma grande crítica à vida monástica e aos excessos e práticas grosseiras e balofas da Igreja Católica. Na introdução dirigida a Tomás More, diz: «Uma sátira que não exclui género de vida, não ataca qualquer homem particular, mas os vícios de todos, (…) procurei mais a volúpia do que a mordacidade, cataloguei as coisas ridículas e não as vergonhosas.» Algumas da suas críticas continuam atuais e é importante escutá-las com atenção e serenidade. Afinal, o ser humano tem tendências que se refletem em todas as épocas e tempos. A ignorância espreita todos os cantinhos para se tornar nossa conselheira a toda a hora.

Nas homilias, é preciso algum cuidado. Diz Erasmo: «São, sem dúvida, da nossa farinha os homens que se deleitam com histórias de milagres e prodígios, quer escutando-as, quer narrando-as, e que não se saciam com fábulas portentosas, de espectros, lémures, fantasmas e infernos. Quanto mais longe estiverem da verdade, maior crédito merecem àqueles que para as ouvirem estremecem as orelhas com alegria. Estas narrativas não tendem só a matar o tédio das horas, mas dão também algum proveito, especialmente aos clérigos e aos pregadores».

Temos uma cultura do elogio fácil, para se agradar às pessoas ou porque pensamos que as pessoas não conseguem viver sem elogios. E há quem viva só para os elogios, porque a «a adulação é uma grande parte da tão louvada eloquência, maior ainda na medicina, máxima na poética: é o mel e o condimento de todos os costumes humanos.»

Interessante também é a crítica que ele faz aos nossos gostos auditivos e à qualidade da nossa vida intelectual e como é penoso constatarmos como isto está mais entranhado em nós do que pode parecer: «O ânimo do homem é de tal maneira esculpido que muito mais lhe agrada a ficção, do que a verdade. Experimentai. Ide ao templo ouvir o pregador. Se este narra coisas sérias, bocejam ou dormitam de aborrecimento. Mas se o declamador (desculpai o lapso, queria dizer o pregador) procedendo como quase sempre, entra no exórdio por uma fábula, todos despertam e prestam ouvidos. Do mesmo modo, quando se trata de um santo fabuloso e poético, como por exemplo S. Jorge, S. Cristóvão, Santa Bárbara, vereis que eles têm muito mais devotos do que S. Pedro, S. Paulo ou o próprio Cristo.» Como padre, acho que o entendo muito bem.

A teologia é fundamental dentro de uma religião. Sem teologia, a religião fica reduzida a uma crendice e a um rebanho de piedosos ignorantes. Mas convém que os teólogos não se estiquem: «A erudição dessa gente é tanta, tantas são as dificuldades que eles apresentam, que os próprios apóstolos teriam de receber outro Espírito Santo para discutirem esses assuntos com os novos teólogos».

Inaceitável também é a crendice e a religiosidade mágica, a roçar o bacoco: «A turba oferece à Virgem, mãe de Deus, uma vela, até mesmo ao meio-dia, que não lhe serve para nada. Mas poucos se esforçam por imitar as virtudes, a caridade, a modéstia, o amor das coisas celestes.»

Infelizmente, vivemos tempos em que a verdade e as coisas sérias da vida não estão no cimo das prioridades. A diversão, a fantochada, o pagode, a troça e a ficção são senhoras do tempo, porque «destruir a ilusão é destruir a arte. Eram a ficção e o disfarce o que prendia a atenção dos espectadores. Toda a vida dos mortais não passa de uma comédia, na qual todos procedem conforme a máscara que usam, todos representam o seu papel, até que o contra-regra os mande sair de cena.»

E será fácil mudar mentalidades? «A razão pode gritar até enrouquecer para fazer cumprir as fórmulas da honestidade; é rainha a que os homens não obedecem, a que os homens replicam com injúrias, até que emudeça ou se declare vencida.»

Isto foi escrito há quinhentos anos!

 



publicado por minhasnotas às 11:02 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds