Sábado, 19 de Julho de 2014

A cantora americana Toni Braxton, no seu livro de memórias, “Unbreak My Heart”, afirma que, possivelmente, o facto de ter um filho autista foi uma vingança de Deus, porque em 2001 fez um aborto. Escreve a cantora: «No meu coração, eu acredito que tenha tirado uma vida – uma ação pela qual eu achava que Deus um dia me puniria. Acredito que Deus me tenha dado o troco, dando-me um filho com autismo». Como não podia deixar de ser, a afirmação gerou polémica, porque de facto é polémica. Foi comentada por todas as redes socias, com comentários para todos os gostos, não faltando, claro, os insultos e os mais ignóbeis que se possa imaginar. Em muitas pessoas, há uma falta de ética e de respeito pelos outros, que nos deixam nas fronteiras do desespero. Interessantes foram alguns escritos por algumas mães que têm filhos com autismo.

Não sei se a cantora escreveu este desabafo para dar visibilidade ao livro e obter mais uns dividendos. Estamos fartos destas cenas e destas jogadas dos «famosos». E também não sei se a cantora escreve este desafogo com verdadeira convicção, sem se deixar enredar na velha interpretação justiceira das surpresas menos agradáveis da vida. Uma coisa parece clara: o sentimento de culpa acompanha-nos por muito tempo, senão até toda uma vida, e é difícil geri-lo. Desengane-se quem pensa que pode afastar ou silenciar a voz da consciência e passar levemente pelas coisas e pelos acontecimentos, sem juízo, critério e exigência moral. Tudo na vida deixa marcas e traz consequências, para o bem e para o mal, neste caso uma difícil gestão de um sentimento de culpa por uma decisão errada.

Humanamente, a afirmação da cantora é incompreensível. Que culpa tem a criança que nasceu que a sua mãe tenha tomado uma má decisão noutros tempos? Os erros de uns são pagos por outros que nada têm a ver com isso, sendo-lhes à partida, sem mais nem menos, negada uma vida normal, feliz e realizada? Religiosamente, o desabafo da artista não tem qualquer sustentação e merece todo o repúdio. Deus está a ser chamado para onde não deve ser chamado. Infelizmente, esta interpretação justiceira da vida, que tem como principal ator um deus vingativo e castigador, anda excessivamente por aí no espírito de muitas pessoas, sem qualquer fundamento. Escutamos com muita facilidade afirmações como «que mal fiz a Deus para ter este castigo», «aceito isto porque tinha de as pagar mais tarde ou mais cedo», «Deus é grande e não dorme, espera pela desforra», «está a pagá-las», entre outras. E fico espantado com o requinte sádico com que algumas pessoas as proferem. O que nos acontece na vida é fruto das fragilidades da condição humana e das más opções e decisões que tomamos e não ações de um deus que se deleita em fazer ajustes de contas e em esmagar as pessoas. Muito pelo contrário, em Cristo, Deus não mostra senão que quer uma vida em plenitude para todos, feliz e realizada, liberta de todos os males e escolhos que a destruam e oprimam. É inaceitável que crentes em Deus alimentem a convicção de que a vida tem de ter uma desforra e que Deus pague o mal com mais mal ainda. Nada disto tem a ver com a atuação de Jesus Cristo e com o seu Evangelho, logo é uma atribuição abusiva que fazemos a Deus. Deus está sempre do lado do bem, da vida e da felicidade. E se há dado que Jesus Cristo deixou bem claro é que o mal que o mal causa já é mais do que suficiente e penoso, sendo necessário vencê-lo com a força da conversão e do bem.

O que o desabafo da cantora americana deixa transparecer é que ainda estamos ferreamente agarrados ao velho esquema moral de que todo o bem tem de ter uma recompensa e todo o mal tem de ter um castigo e uma redenção. E não tem de ser exatamente assim. Relativamente ao bem, Jesus lembrou-nos a gratuidade. Em relação ao mal, Jesus lembrou-nos o perdão e a misericórdia. Na escritura, sobretudo no Antigo Testamento, percebe-se que, durante algum tempo, no povo judeu imperou a ideia de que Deus retribui imediatamente a cada um conforme as suas obras. Mas com o tempo começou-se a pôr em causa esta convicção porque aquele que era temente a Deus, por vezes, enfrentava mais males do que aquele que não era temente a Deus. Com Jesus Cristo, sanou-se definitivamente esta velha crença da retribuição. Deus é amor e é amigo da vida e não quer senão a vida em abundância daqueles que criou e salvou e que continuamente sustenta. Arrumemos de uma vez por todas o deus vingativo e castigador, que nós criámos, porque não tem nada a ver com a identidade e a verdade de Deus, tal como Jesus Cristo no-la revelou.


tags:

publicado por minhasnotas às 10:53 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds