Sábado, 23 de Agosto de 2014

Olhando ao que pude ler na imprensa, julgo que não foi dado o devido destaque à mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2014. Retomo-a aqui, porque tem alguns temas que valem a nossa atenção. Penso que todos os jornalistas e usuários em geral das redes sociais e da Internet faziam bem em lê-la. Não há dúvida, como começa por salientar o Papa, que o aparecimento da internet e das redes socias e de outros meios de comunicação são um bem maior e um progresso para a humanidade, são um instrumento poderosíssimo para a vida social e para as relações humanas. Graças a eles, podemos nos tornar mais próximos uns dos outros, crescer no diálogo e no conhecimento mútuo, aprofundar a solidariedade, a compreensão e o respeito, construir uma verdadeira «cultura do encontro», «em que estejamos dispostos não só a dar, mas também a receber dos outros», «a ouvir e a aprender uns dos outros». Portanto, não há dúvidas de que os novos meios de comunicação são bons e favorecem a nossa humanização.

Mas, infelizmente, já começam a ser patentes alguns problemas à volta dos novos meios de comunicação, que devem merecer a nossa reflexão. São tão práticos e fascinantes e absorveram-nos de tal maneira que nem tivemos tempo para nos adaptarmos e questionarmos na nossa relação com eles. Mas chegou o tempo de o fazermos. Em primeiro lugar, será que a internet, com as redes sociais, nos aproximou verdadeiramente uns dos outros e nos fez mais interessados em ouvir e aprender com os outros? Claro que hoje, e muito bem, famílias ou amigos que vivem em continentes diferentes conversam e partilham afetos e ideias, mas a sensação que tenho é que ainda estamos muito longe de uma verdadeira cultura do encontro. Vivemos numa «falsa aproximação», conservando-se os individualismos. O estar com os outros nas redes socias, muitas vezes, é mais um entretenimento do que um encontro, o escutar o outro, para melhor o conhecer e amar. As redes socias estão-se a tornar mais uma montra para o exibicionismo pessoal ou coletivo, um impor-se e um falar para os outros do que o seu contrário. Prova disto mesmo é a facilidade com que se ataca quem pensa diferente de nós, sinal de aquilo que escrevemos ou colocamos nas redes socias não foi para escutar os outros mas para recebermos ecos de acordo com as nossas expectativas e convicções. Estamos fechados sobre nós próprios. Depois, também não se vê que as relações humanas reais registem grandes progressos. As redes socias existem não para substituir as verdadeiras relações humanas que devem existir entre pessoas, mas para as aprofundar e completar. A virtualidade é para nos fazer viver melhor a realidade, nos aproximar verdadeiramente dos outros. Se isto não acontece, é uma alienação e uma perda de tempo.

Outro sinal claro de que ainda estamos muito longe de uma verdadeira cultura do encontro nas redes sociais é o culto do anonimato. Abundam os perfis falsos. Não temos de dizer tudo e de mostrar tudo aos outros, mas os outros têm o direito de saber minimamente quem somos de verdade, para que se crie um ambiente básico de confiança, sem o qual não há nenhuma relação que persista. Quem esconde a sua identidade mostra logo que está ali por razões muito duvidosas. E, como se tem visto, o anonimato é o escudo preferido de quem só quer usar as redes socias para descarregar os seus ressentimentos e azedumes, insultar tudo e todos, lançar suspeitas e boatos torpes, humilhar os outros, ajustar contas. O anonimato é inaceitável e deve merecer uma rápida intervenção de quem gere as redes sociais, apesar dos muitos truques de que é mestre.

Um grande desafio que as novas estradas digitais da comunicação e da informação nos colocam é a absorção e a gestão da matéria que chega até nós a toda a hora, numa velocidade excessiva para o ser humano. Tenho a perceção, como já o escrevi várias vezes, de que o homem de hoje está informado, mas sabe pouco. A informação não é transformada em conhecimento e sabedoria. Não se dá tempo à reflexão, à maturação e ao estudo paciente, que serve de filtro, onde se faz a devida crítica a essa informação e se separa o essencial do acessório e se identificam incongruências e avanços. Estão-se umas boas horas no facebook e passam-se horas a ver não sei quantos canais e sites e no fim fica a sensação de que se permanece a mesma tábua rasa que se era, sem se trazer nada de novo ao pensamento e à vida. Como a reflexão não tem tempo, hoje diz-se uma coisa e amanhã já se diz o seu contrário, hoje «mente-se», amanhã desmente-se, de forma que nos sentimos desorientados e perdidos num mar de suposições, possibilidades e meias verdades.

A verdade é o problema mais sério que temos de enfrentar. Muita matéria e muitos dados que circulam na internet são verdadeiros, mas muitos também não são. A internet tornou-se o veículo mais apto e eficaz para se espalhar a mentira. Ao fim de algum tempo de pesquisa, facilmente se encontram distorções, imprecisões, invenções, mentiras, para além de toda a espécie de fantasias e delírios. Quem usa a internet e recorre a ela para se informar e estudar, convém que a complete com outras leituras e nunca deixe de ser prudente, bem como de estar atento e ser crítico sobre aquilo que lê, porque pode muito serenamente estar ao serviço dos muitos caluniadores e trapaceiros da informação, do conhecimento e do saber que só querem lançar a anarquia e lixo na internet.



publicado por minhasnotas às 10:28 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds