Sábado, 24 de Maio de 2014

A Igreja católica exultou, nos últimos dias, com a canonização de dois grandes papas do século passado: João XXIII, que convocou o Concílio Vaticano II, e João Paulo II, que conduziu a Igreja durante quase três décadas, peregrinando pelo mundo. Como se esperava, a sua elevação a santos não foi unânime. A João XXIII falta-lhe o tal milagre que as regras de aprovação da santidade exigem. O Papa Francisco não achou isso decisivo e, pelos vistos, «impôs» a canonização do Papa. Talvez não fique bem a um Papa desrespeitar as regras (ai se um qualquer outro católico o fizesse!), mas, na minha opinião, penso que fez bem. Um santo fala pela sua vida e não pelos seus milagres. Já é tempo de acabarmos com a «milagrite» dentro da Igreja. João Paulo II teve um percurso que não é consensual. Para muitos, apesar do universalismo que deu à Igreja e do ardor missionário que cultivou nas suas viagens e do seu grande contributo aturado para o fim dos regimes comunistas, no campo interno, foi conservador em demasia, persistiu no imobilismo doutrinário e teve opções e decisões que geraram perplexidade e divisão no seio da Igreja. Seja como for, são duas figuras ímpares, que ao longo da sua vida manifestaram uma coragem e uma humanidade exemplares e tiveram uma postura verdadeiramente cristã, que a Igreja honrará nos dias 11 e 22 de Outubro. Há muito que eram aclamados por um grande número de católicos em todo o mundo e vox populi, vox Dei (voz do povo, voz de Deus). Nem sempre é assim, mas aqui penso que se concretiza.

Ao longo da sua história, a Igreja tem canonizado cristãos que sobressaem com uma vida exemplar, em termos humanos, sociais e religiosos. Muitos destes cristãos canonizados fizeram parte da hierarquia da Igreja ou, se quisermos, do sacerdócio ministerial. Os leigos e os casais leigos têm ficado muito na sombra. A Igreja já se apercebeu desta grave desatenção e da sua obsessão pelos santos hierárquicos. Muitos leigos, quando procuram um exemplo inspirador, esbarram sempre com papas, bispos, padres, monges, abades. Parece que só há santidade dentro de muros e não no meio do mundo. O que é certo, para mim, é que de facto os grandes santos, muitas vezes, estão nos muitos leigos que vivem no meio da tentação do mundo, sentindo a força do seu aguilhão a toda a hora, que experimentam o mistério do mal e a sua sedução todos os dias, que vivem no meio de uma cultura heterogénea que os inspira a fazer e a optar por aquilo que é contrário à sua fé, que têm de sujar as mãos com o que de mais miserável o ser humano produz, mas que, apesar de tudo isso, vivem uma vida espiritual de qualidade, vivem uma vida de fidelidade aos valores do evangelho, com tudo o que ela implica de renúncia e de sacrifício, exibindo um testemunho e uma alegria e uma bondade que não deixa ninguém indiferente. Cristãos que geram e educam filhos, que cumprem o seu dever irrepreensivelmente todos os dias, que se dedicam a causas nobres e perdem muito do seu tempo com aqueles que pouco importam, que promovem o bem e lutam pela verdade e pela justiça. É preciso olhar mais para estes santos.

Nestes dias, em que a Igreja rejubila com o facto de alguns dos seus filhos atingirem a meta da plena comunhão com Deus e de serem grandes modelos e exemplos para todos e intercessores a favor do vale de lágrimas em que caminha o povo de Deus, como são os santos, seria bom que todo o cristão católico questionasse a sua santidade. A santidade é para todos os batizados. Não é para uma elite ou para uns quantos predestinados por Deus. Nenhum cristão católico se deve contentar com a mediocridade ou com a mediania ou resignar-se ao «sou como sou» ou «é avida», que muito serve o nosso comodismo. Temos de viver uma vida humana de excelência e de procurar uma total identificação, no pensar, no sentir e no agir, com Jesus Cristo. Há que procurar fazer tudo extraordinariamente bem, como deve ser feito, conforme é a vontade de Deus.


tags:

publicado por minhasnotas às 17:22 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds