Sábado, 22 de Março de 2014

As mensagens dos nossos bispos para a quaresma deste ano têm, mais ou menos, o mesmo conteúdo: salientam a espiritualidade e as práticas quaresmais e recomendam uma maior solicitude para com os pobres e para com os que sofrem, no seguimento da mensagem do Papa Francisco para a Quaresma. Certamente que assim teria de ser. Em primeiro lugar, convém lembrar o essencial. Mas fico sempre com a impressão de que se poderia ir mais longe. Já sabemos há muito tempo, embora não o pratiquemos devidamente, que um dos traços fundamentais de ser cristão é o amor aos outros, especialmente aos mais pobres, aos mais fracos, aos que não têm voz, nem lhes é reconhecida a dignidade de pessoas humanas ou de filhas de Deus, que são os eleitos de Deus. Amor aos outros que deve ser constante e continuamente aprofundado, sendo a quaresma um tempo favorável para isso. Mas já não chega só falar da solidariedade e da generosidade para com precisa, embora seja a primeiríssima atitude que temos de ter.

Nós, cristãos, atuamos muito sobre as consequências e os efeitos e somos excessivamente moderados a falar das causas e a apontar caminhos novos. Não podemos ser só a Igreja amiguinha dos pobres e deserdados e o compassivo bom samaritano que passa ao lado da cultura política, económica e social que está instalada. Também temos de ser a Igreja profética e interventiva, que testemunha com coragem e audácia um mundo novo e uma nova ordem, de acordo com o Reino de Deus e seus valores. Jesus não se limitou a acolher e a dar nova vida e nova esperança aos mais pobres e excluídos. Dirigiu-se a Jerusalém, onde estava instalado o poder que criava e alimentava injustiças e que esmagava e oprimia as pessoas do seu tempo. Esta tem de continuar a ser uma das posturas fundamentais da Igreja na terra dos homens, com ousadia e liberdade.

A miséria é uma questão complexa. Tem muitas causas. Resulta de muitas deficiências e abusos e de muitos desequilíbrios. Alguma dela também se poderia chamar perfeitamente preguiça. Mas boa parte da miséria resulta da indiferença de interesses instalados e de estruturas e poderes injustos, poderes que controlam a sociedade e que pouco ou nada se importam com o bem comum. É preciso denunciar intrepidamente os muitos caminhos errados que se escolhem, as ideologias que não promovem a pessoa humana e a sua realização humana, social e espiritual e que a viram contra si mesma e contra os outros, as opções que criam desigualdade e exclusão, os valores que rebaixam e degradam a pessoa humana, as omissões que fazem perdurar a desumanidade, as decisões e os conluios que beneficiam pequenos grupos em detrimento do bem de toda a sociedade. Temos pano para mangas nestes tempos núbios que atravessamos. Como Igreja, temos de estar junto dos pobres, mas também temos de ser libertadores e arautos de mudanças e de transformações. 

O Papa Francisco, na sua mensagem para a quaresma, chama-nos atenção para as várias misérias: material, moral e espiritual. Habitualmente, só se dá enfoque à miséria material, o que nós chamamos a pobreza, embora miséria e pobreza não sejam a mesma coisa, como muito bem lembra o Papa. A miséria é viver destituído dos direitos fundamentais e dos bens de primeira necessidade. Pobreza é já ter isso e optar livremente por viver só com o necessário, centrando-se a vida na relação com Deus e com os outros. Os religiosos da Igreja fazem este voto de pobreza, que não deixa de ser também recomendado a todo o cristão, seguidor de Jesus Cristo. A miséria material tem de estar no centro das nossas prioridades e das nossas preocupações. Mas não menos importante, é a miséria moral e espiritual, que facilmente e dolorosamente reconhecemos na sociedade atual, fonte de muita insatisfação, desnorte, violência, alienação e depressão, enquanto falta de motivação e alegria de viver.

Nas palavras do Papa, a miséria moral «consiste em tornar-se escravo do vício e do pecado. Quantas famílias vivem na angústia, porque algum dos seus membros – frequentemente jovem – se deixou subjugar pelo álcool, pela droga, pelo jogo, pela pornografia! Quantas pessoas perderam o sentido da vida; sem perspetivas de futuro, perderam a esperança». Vivemos num tempo de uma inquietante crise dos valores fundamentais, que dignificam e realizam a pessoa humana. Sem valores humanos e morais, a convivência humana torna-se irrealizável e deixa de existir aquela confiança essencial para as relações humanas e para que todo o projeto humano e social una esforços e dê frutos e sirva à realização de todos. Existem grandes lacunas na formação da consciência moral. Muitas pessoas vivem uma vida vazia, sem dimensão ética. E o mais grave é que parece que o próprio mal já não é questionado e quem o pratica tem mil justificações para o fazer, julgando que não tem de prestar contas a nada nem a ninguém, e não admitindo a falência do seu pensar e do seu agir, perdendo-se a noção de erro, de imoralidade e de pecado. Vivemos tempos lodacentos. Unida à miséria moral, anda a miséria espiritual, «que nos atinge quando nos afastamos de Deus e recusamos o seu amor. Se julgamos não ter necessidade de Deus, que em Cristo nos dá a mão, porque nos consideramos autossuficientes, vamos a caminho da falência. O único que verdadeiramente salva e liberta é Deus». Ainda não percebemos que, no meio desta embriaguez materialista, a maior das nossas misérias é vivermos uma vida sem Deus. Muitas pessoas vivem uma vida seca e pobre, sem interioridade e sem valores espirituais, uma vida sem seiva, que dificilmente descola da visão rasteira da vida, com os seus prazeres efémeros, e se torna plenamente humana. Sem valores espirituais, a vida não tem densidade e profundidade.

Dentro da miséria moral e espiritual, seria bom que nesta quaresma muitos cristãos católicos questionassem o seu «nem roubo, nem mato», que diz tudo e não diz nada e nos faz atores de um filme de ficção. Quem se lembrou de inventar tamanho disparate? A afirmação, que se ajusta muito à hipocrisia que gostamos de cultivar, encerra vários erros: reduz a vivência da fé ao legalismo minimalista; vê a vida pelo negativo e por aquilo que não se deve fazer e não pelo positivo e que se deve fazer; trata-se Deus como um juiz e não como um Pai que ama; promove um amor calculista e mesquinho com Deus e com os outros. Mente-se descaradamente, recorre-se à vingança, comete-se adultério, vive-se egoisticamente e indiferente às necessidades dos outros, difama-se e calunia-se com requinte e malvadez, é-se invejoso, cultivam-se ódios e rancores, recorre-se à corrupção, abusa-se do álcool e de drogas, é-se trapaceiro e explorador nos negócios, praticam-se falcatruas, desprezam-se os pais, aninham-se e alimentam-se maus desejos, não se tem civismo na rua e na estrada, falta-se ao trabalho e ao cumprimento do dever, traficam-se influências, exploram-se trabalhadores, serve-se a ganância e a avareza, despreza-se Deus e a Igreja, perseguem-se pessoas, projetam-se planos diabólicos, faz-se pouco dos outros e ainda temos a inconsciência e a leviandade para nos pormos de joelhos diante de Deus e dizer «nem roubo, nem mato»?



publicado por minhasnotas às 15:28 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds