Terça-feira, 9 de Dezembro de 2014

Durante todo o mês de Novembro, mais uma vez percorremos todas as freguesias do Concelho de Montalegre para se fazer memória e se rezar pelos defuntos, com o canto do ofício dos defuntos, antecipado pela celebração do sacramento da penitência. O objetivo é claro: fortalecer a comunhão entre todos os discípulos de Cristo, os que ainda caminham na terra, Igreja terrena, e os que já se encontram na glória, Igreja celeste. A verdade da comunhão dos santos em Cristo e a fé na vida eterna são a inspiração e as luzes orientadoras para todo um mês de recordação viva e de oração por aqueles que jamais devem ser esquecidos. Enquanto se entoam os salmos a Deus, o pensamento sobre a nossa fragilidade e sobre a morte não podem deixar de estar presentes. Um tema que já começa a suscitar algumas perguntas de cristãos é a cremação, que já começa a ser recorrente e parece que se está a tornar «moda». O que dizer da cremação?
Diga-se antes de mais que a Igreja católica recomenda que «os corpos dos defuntos devem ser tratados com respeito e caridade. A sua cremação é permitida, se não puser em causa a fé na ressurreição dos corpos», assim diz o artigo 479 do Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. Desde o ano de 1963 que a Igreja permite a cremação a cristãos que assim o entendam, se a prática for feita com fé e não para desacreditar ou provocar a fé cristã. Antes de 1963, a Igreja proibiu a cremação porque foi usada por ideologias, movimentos e correntes culturais para combaterem a fé na ressurreição e na imortalidade da pessoa humana. O nada e o pó seria o destino de todo o ser humano, depois da vida, assim defendiam. Não lhes passava pela cabeça que o poder criador de Deus não tem limites e que até do pó Deus nos ressuscita. Lembro também algo importante: uma pessoa que manifeste em vida que não acredita em Deus, na ressurreição e na vida eterna e que para o testemunhar recorre à cremação, não tem direito a exéquias eclesiásticas (funeral católico), o que faz todo sentido. Não se pede para o defunto aquilo em que ele não acredita.
Para a Igreja Católica, a prática mais digna e nobre continua a ser a sepultura do corpo humano, porque o corpo humano merece respeito e reverência. O nosso corpo não é um mero objeto ou instrumento descartável, que se usa e deita fora, sem mais nem menos. Diz muito da pessoa que somos e sem ele não seríamos pessoas. O corpo é um templo onde habita e se realiza uma pessoa. E para quem é crente, o corpo torna-se templo de Deus. É um lugar digno onde Deus se digna habitar. O corpo humano é o templo por excelência. Se tratamos e cuidamos tão bem dos nossos templos ancestrais, que fazem parte da nossa história, muito mais o temos de fazer em relação ao corpo humano, merecedor de todo o respeito. Assim o fez Jesus, que quis ser sepultado, e nisto também de alguma forma somos convidados a imitá-lo. E notemos como a liturgia é mais rica e bela diante do corpo humano. Fala-nos mais à memória e ao coração.
Certamente que a cremação tem toda a dignidade e não belisca em nada a fé cristã, embora ainda cause alguma estranheza aos nossos costumes mais sagrados. A Igreja permite-a, mas não a incentiva e não a recomenda abertamente e já compreenderam porquê. Sepultar o corpo humano é a prática mais cristã e o gesto mais correto e justo para o corpo humano. A cremação deve ser um recurso para casos excecionais, como epidemias, em que se comprove que o cadáver humano propicia o contágio de doenças, por razões psicológicas (há pessoas que ficam gravemente afetadas psicologicamente por verem uma pessoa a ser sepultada, preferindo a cremação), ou até por razões de espaço, como já se verifica em algumas partes do mundo, ou por qualquer outro motivo sério e consistente.
O destino que se dá às cinzas do defunto merecem a nossa reflexão. Acho que, neste campo, se estão a cometer alguns abusos. Há quem deixe escrito que quer ser cremado e que deseja que as suas cinzas sejam deitadas ao mar ou num qualquer outro lugar que tem uma grande carga simbólica ou sentimental para a pessoa. Transparece, assim, uma certa visão romântica da morte. Não acho que este seja o destino correto a dar às cinzas. O lugar mais digno para o depósito das cinzas são os cemitérios, na sepultura da família, ou num outro espaço digno onde se registe a memória dos defuntos e se lhes possa prestar a devida homenagem. E menos aceitável é ainda conservar as cinzas do defunto em casa, prática um tanto ou quanto macabra. Ninguém tem o direito de privatizar e dispor como muito bem entende da memória de uma pessoa. Pertencemos a uma família, mas também pertencemos a uma sociedade, constituímos um grupo de amigos, desempenhou-se um papel social e laboral. A memória de uma pessoa deve estar num espaço digno de recordação e veneração, onde todos a possam homenagear.



publicado por minhasnotas às 17:04 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds