Sexta-feira, 15 de Maio de 2009

 

- Senhor Padre, na nossa última conversa falámos do purgatório e espero que tenhamos esclarecido um pouco mais as pessoas.

- Eu também espero que sim, João. Há muitas coisas que dizemos e em que acreditamos que não têm sentido nenhum.

- Então, já agora, Senhor padre, seria oportuno falarmos do Inferno. Acho que também há muita confusão e uma má compreensão do inferno.

- É verdade, João. Cometeram-se muitos exageros à volta dele: tanto na pregação (e aqui, nós padres, temos de bater um pouco no peito), na catequese, na moral cristã, entre outras coisas, de maneira que muitos cristãos interiorizaram que o mais importante era “fugir” ao inferno e o céu logo se veria. Estou a brincar um pouco, João, mas era assim que as pessoas pensavam…Chamo-lhe a esse tempo a “religião do medo”. As pessoas faziam as coisas, não por amor a Deus e aos outros, mas com medo dos castigos de Deus. Não se educou as pessoas para viverem uma fé adulta, no amor. Fica a saber que há pessoas que tinham e têm pesadelos com aquilo que ouviam do inferno. Como foi possível chegarmos a isto? E o que mais me entristece é que ensinámos uma imagem de Deus errada: um Deus vingativo, que, por iniciativa dele, te faz pagar pelo mal que fizeste. Não foi isso que Jesus ensinou…

- Então, Senhor padre, o que é o inferno?

- João, nós aprendemos na catequese que os novíssimos do homem, isto é, as últimas realidades que vamos encontrar, são os seguintes: morte, juízo, inferno, paraíso. Após a morte, teremos o juízo de Deus sobre a nossa vida, e depois deste há duas possibilidades: o inferno ou o paraíso. O inferno será o estado de todos aqueles que livremente não quiseram amar a Deus, que pecaram gravemente contra Ele, contra o próximo e contra si mesmos, e que recusaram até ao fim da vida, acreditar e converte-se.  Jesus advertiu-nos de que seremos separados d’Ele se formos indiferentes às necessidades dos pobres e dos pequeninos seus irmãos. Diz o catecismo da Igreja Católica que «morrer em pecado mortal sem arrependimento e sem dar acolhimento ao amor misericordioso de Deus significa permanecer separado d’Ele para sempre, por nossa própria livre escolha. E é este estado de auto-exclusão definitiva da comunhão com Deus e com os bem-aventurados que se designa de Inferno». «A principal pena do inferno consiste na separação eterna de Deus, o único em Quem o homem pode ter a vida  e a felicidade para que foi criado e a que aspira».

- Ora, se estou a entender, Senhor padre, o inferno não é um lugar, mas um estado, a grande pena do inferno é a separação de Deus para sempre, é uma consequência do mau uso da nossa liberdade, pois Deus não predestina ninguém para o inferno, nem o deseja para o homem…

- Isso mesmo, João, os ensinamentos da Igreja sobre o inferno são um apelo ao sentido de responsabilidade com que o homem deve usar da sua liberdade, tendo em vista o destino eterno. Constituem, ao mesmo tempo, um apelo urgente à conversão. Quem tiver uma aversão voluntária a Deus durante toda a vida e nela persistir até ao fim, outro destino não terá que o inferno. Quem não quis saber de Deus e dos outros na vida, como poderá depois estar junto de Deus e dos outros na vida eterna? Como já te disse, Deus é bom connosco, mas não poderá deixar de ser justo.  Há que acolher o seu amor ao longo de toda a vida.

 



publicado por minhasnotas às 11:24 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds