Quarta-feira, 29 de Abril de 2009

No dia vinte e um de Dezembro de dois mil e oito, Domingo, saiu um artigo, da autoria de Catarina Gomes, no jornal Público, que não pode deixar de causar alguma inquietação e merecer uma séria reflexão. O artigo referia os seguintes dados: está a surgir, em Portugal e um pouco por toda a Europa, uma nova geração de alcoólicos entre os vinte e os trinta anos; os jovens estão a beber cada vez mais cedo bebidas de alto teor alcoólico; às consultas começam a chegar jovens com cirrose hepática nestas idades, assim como com alterações graves de comportamento, agressividade e doenças psicóticas; as raparigas estão a beber cada vez mais; inclusive, já há casos de morte por cirrose hepática na casa dos trintas anos; estamos a assistir a um fenómeno de “globalização” das tendências de bebida, acontecendo a primeira experiência com álcool aos doze anos e a primeira embriaguez aos catorze anos; na maioria dos casos, sair à noite é sinónimo de consumir álcool. Como ficar impávido e sereno diante desta realidade? Muitas famílias até nem terão conhecimento do que se está a passar, aliás, muitos pais desconhecem muitos aspectos da vida dos seus filhos, mas muitas famílias conhecem a realidade e reagem com total permissividade e até quase indiferença, o que é incompreensível, algumas até patrocinam e favorecem. Não está em causa o direito à diversão, de que todos gostamos de usufruir. Está em causa é a razão e a forma como se faz a diversão, que, na maioria dos casos, é evasão. Sempre me intrigou a necessidade exagerada que muita gente tem de sair à noite, e digo necessidade exagerada porque sair à noite e passar bons momentos com amigos ou família não é mal nenhum. Falo dos casos de muita gente, que tem uma necessidade permanente de viver a noite. Se ainda fossem casos como o de Nicodemos que escolheu a noite para se encontrar com Cristo, o encontro com Alguém que lhe poderia transformar a vida, o abraçar de uma nova proposta de vida, até se aceitaria. Mas não é o que acontece e permitam-me a ironia. Desde há muito que tenho para mim que o “culto” da noite é um sintoma da insatisfação da vida do dia-a-dia, de uma vida vivida sem um projecto de vida, sem um ideal, sem objectivos, sem causas, sem um sentido. Na vida de muitos jovens reina uma grande frustração e um grande vazio. A sociedade tem muita culpa. Todos temos muita culpa. É verdade que se deu uma grande mudança no mundo do trabalho e se verifica nele uma grande instabilidade, deram-se grandes transformações na família, o mundo andou depressa de mais nos últimos anos e há uma grande pressão e dificuldade para o acompanhar, mas o decisivo é que deixámos que uma perspectiva materialista e hedonista da vida configurasse a vida da Europa ocidental, atafulhámos as pessoas com tudo e mais alguma coisa, incentivámos ao desfrute de todo o tipo de experiências e sensações, pusemos a razão da alegria e da felicidade na diversão, no descompromisso e na irresponsabilidade e não nos apercebemos que isto não dá densidade e sentido à vida. Quais as razões que as pessoas hoje têm para viver? Noutros tempos, e não quero dizer que eram melhores, os actuais são sempre os melhores, as pessoas, com grande austeridade e disciplina, levantam-se com objectivos, com um ideal, com metas, tinham um sentido apurado do cumprimento do dever, defendiam uma ideologia, lutavam por causas, empenhavam-se por melhorar a sociedade e a transformar radicalmente. A vida tinha conteúdo e mil e uma razões para se viver e enfrentar, o que se fazia fazia-se com alegria e determinação, os cansaços tinham razão de ser, as abnegações eram oferecidas por um bem maior, os sacrifícios eram aceites em nome do progresso da sociedade, tudo valia a pena. Havia uma grande mobilização em torno de utopias que buscavam o progresso e o bem-estar da humanidade e ninguém queria ficar de fora. Tudo isto desapareceu. As ideologias estão nas gavetas, as causas são mais esporádicas e menos apelativas, os ideais são intrusos num mundo individualista e relativista, os objectivos são imediatos e limitam-se ao bem-estar. Passámos às novas gerações a impressão de que tudo está conquistado, tudo está quase resolvido. Empurrámo-las para uma diversão fútil, desinteressante, alienante, evasiva, bacoca, um “curtir” que outra coisa não é que ir “afogando” na noite o desencanto e o vazio, com muito álcool à mistura, e nela buscar o prazer e a satisfação que não se tem durante o dia e na vida, que não se reveste de perspectivas e horizontes a médio e longo prazo. Não sei se estas são as causas de muitas bebedeiras ou horas tardias, mas que elas lá estão presentes, estão. Sempre fomos um país com grande percentagem de alcoolismo, por força de sermos um bom produtor de vinho a nível mundial, mas que também não justifica tudo. Infelizmente, muita gente não sabe beber com moderação. Não há festa ou evento que não seja visto por muitos como uma boa oportunidade para a embriaguez, não havendo a mínima preocupação com a saúde (depois fazem-se promessas para se recuperar o que foi vítima do nosso descuido) e não se dando conta do ridículo que isso representa. E as novas gerações estão a ir pelo mesmo caminho, mas com consequências ainda mais devastadoras. Há que reagir. Despertemos já para o problema no seu todo, para evitarmos outros problemas futuros. E, sobretudo, gostaria de deixar um apelo aos jovens: ao contrário do que se diz, ser jovem não é curtir a vida, embora alguma diversão saudável seja legítima. O curtir a vida não passa, muitas vezes, de uma fuga da vida ou um adiamento do compromisso e da responsabilidade na vida. Ser jovem é ter a ousadia e o sonho de fazer um mundo diferente, é ter a audácia de pegar no rumo do mundo e o levar mais longe em verdade e humanidade, é viver a liberdade de fazer da vida uma aventura em direcção a uma plenitude, é ter o desplante de abraçar desafios, de rasgar horizontes e abrir caminhos para que a vida seja cada vez mais bela e carregada de sentido, é ter coragem para ir sempre mais além, buscando a vida em toda a sua profundidade e densidade. Não será tempo de mudar?  

 



publicado por minhasnotas às 23:49 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds