Sexta-feira, 6 de Dezembro de 2013

O primeiro capítulo da Constituição Dogmática  Lumen Gentium do Concílio Vaticano II sublinha um dado fundamental: a Igreja é um mistério de comunhão com a Santíssima Trindade. A Igreja é uma comunidade de irmãos alicerçada e unida a Jesus Cristo, no mesmo Espírito, que aceita viver num mesmo amor, caminhar num mesmo sentido e num mesmo caminho e partilhar a vida e os bens da vida para bem de todos, à imagem da comunhão profunda e santa que reina no seio da Trindade. Assim sendo, aceitar ser cristão é abandonar o individualismo e o egoísmo (eis a verdadeira conversão) e abrir-se à comunhão com Deus e com a Igreja. Assumir livremente a condição de batizado é sair de si mesmo e comprometer-se a seguir Jesus Cristo, na e com a Igreja, vivendo como seu discípulo e membro ativo da Igreja.

Muitos cristãos, ou por falta de formação, ou incapazes de se desligarem da cultura e da mentalidade deste tempo, marcadamente individualista, ou até por comodismo, manifestam não entender a dimensão comunitária da sua fé cristã. Só tem sentido aceitar ser cristão se se está disposto a viver em comunhão com a Igreja. Infelizmente muitos cristãos julgam que se podem chamar de cristãos só porque tem o seu nome no livro de batismos ou porque concordam formalmente com os princípios e os valores da doutrina e da práxis da Igreja, sem se importarem minimamente com a vida da Igreja e de viverem em comunhão com a Igreja, querendo viver sempre ao sabor dos seus interesses, gostos e conveniências. Quem assim pensa e vive não tenha dúvidas de que vive numa relação ilusória com Jesus Cristo e vive erradamente a sua fé cristã.

Há uma consequência clara desta mentalidade que se entranhou no espírito de um bom número de cristãos: a Igreja não é a sua comunidade e a sua família, colocada no centro dos seus interesses, com a qual e para a qual se procura viver, mas é antes uma prestadora de serviços para quando convier. Muitos cristãos não são discípulos de Cristo e membros da igreja, são clientes da Igreja, que não se interessam da Igreja, nem se importam de viver em comunhão com a Igreja, e que, quando muito bem lhes interessar, batem à porta da Igreja para obterem bens ou serviços religiosos e espirituais para consumo individual, sacramentos para reunir a família e os amigos (temos cristãos que pedem batismos e matrimónios e nunca mais aparecem), porque toda a oportunidade de fazer festa é imperdível e fica mal não cumprir a tradição, ou para solicitarem qualquer outra coisa para ultrapassar dificuldades e problemas. São cristãos que se servem da Igreja, mas não querem ser e viver em Igreja. Tudo isto é uma grave deturpação da vivência da fé cristã. Jesus Cristo quer uma Igreja de discípulos, que verdadeiramente o querem amar e seguir todos os dias e se dispõem a viver em comunhão com Ele e uns com os outros, e não uma Igreja de clientes, que querem bens de Deus para comodamente viverem para si, sem vontade e disposição de caminhar e viver em comunhão com os outros. É preciso acabar com o espírito clientelista dentro da Igreja.

2. Em Outubro de 2014, está definida a realização de mais um Sínodo dos Bispos, centrado no tema da família. Antes destas grandes reuniões da sua cúpula, a Igreja lança um documento de preparação, em que apresenta e situa o tema, procurando recolher informação alargada e útil para a reflexão do Sínodo. Habitualmente, a informação só é solicitada ao episcopado e ao presbiterado da Igreja, mas desta vez o Papa Francisco também pede a colaboração dos leigos no inquérito preparatório. Aspeto positivo a salientar. A Igreja é constituída por todos os batizados e todos têm direito ao seu espaço de expressão dentro da Igreja e a participar na discussão, na reflexão e nas decisões da Igreja. Lembrei-me do episódio do monte Tabor: Jesus pôs água na fervura no deslumbramento dos mais influentes dos Apóstolos e mandou-os descer à terra, para enfrentarem os problemas do mundo e continuarem a caminhada até Jerusalém. Os leigos são os que mais diretamente convivem com esses problemas todos os dias e por isso têm uma sabedoria e uma experiência da vida e suas realidades que poderá ser de grande utilidade para o pensamento e as decisões da Igreja. Outro aspeto a salientar, olhando-se ao inquérito, é a transmissão da ideia de que não se devem abandonar ou desprezar os cristãos que não estão em sintonia com a doutrina da Igreja. Não têm lepra. Mais importantes do que os princípios e os valores são as pessoas e os seus dramas. Não se aprovam algumas das suas escolhas, mas não se pode deixar de ter solicitude por todos, até porque só o amor é que promove mudanças e permite trilhar novos caminhos.  



publicado por minhasnotas às 16:16 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds