Segunda-feira, 21 de Outubro de 2013

Não sei se acompanharam a correspondência e o diálogo que o Papa Francisco e Eugenio Scalfari, cofundador e editor do Jornal italiano La Repubblica, não crente assumido, empreenderam nos últimos dias ou meses. Scalfari, depois de ler a última encíclica papal, Lumen Fidei, sobre a fé, resolveu questionar o Papa, em forma de carta aberta, sobre alguns temas relacionados com a fé e a laicidade, em dois artigos a 7 de Julho e 7 de Agosto, publicados no referido jornal. O Papa Francisco respondeu com uma carta, a 4 de Setembro, publicada no mesmo jornal. Posteriormente, encontraram-se no Vaticano para aprofundarem o diálogo e o conhecimento. Chegou o tempo, nas palavras do Papa Francisco, «de fazer um pedaço de estrada juntos».

Scalfari apresentou-se diante do Papa com uma identidade bem vincada: «sou um não crente que, há muitos anos, está interessado e fascinado pela pregação de Jesus de Nazaré, filho de Maria e de José, judeu da estirpe de David. Eu tenho uma cultura iluminista e não busco a Deus. Penso que Deus é uma invenção consolatória e fascinante da mente dos homens.». Eis um não crente no seu estado puro, mas inquieto e fascinado pela figura e pelo Evangelho de Jesus Cristo, porta que permitiu o encontro e o diálogo dos dois, «aberto e sem preconceitos».

 

Não temos aqui espaço para abordarmos todos os temas tratados. Centrarei o meu enfoque na carta do Papa Francisco, que recomendo a todos os crentes. Há dois ou três aspectos que vale a pena sublinhar. Em primeiro lugar, o Papa Francisco explica a forma como chegou à fé e o que é a fé: «A fé, para mim, nasceu do encontro com Jesus: um encontro pessoal, que tocou o meu coração e deu uma direção e um sentido novo à minha existência; mas, ao mesmo tempo, um encontro que se tornou possível pela comunidade de fé em que vivi e graças à qual encontrei o acesso ao entendimento da Sagrada Escritura, à vida nova que flui, como jorros de água, de Jesus através dos sacramentos, à fraternidade com todos e ao serviço dos pobres, verdadeira imagem do Senhor». A fé é a adesão a Jesus Cristo, na e com a Igreja. Dei por mim a pensar: quantos cristãos poderão dizer o que o Papa escreve? A nossa vivência cristã resultou de um encontro fulminante com Jesus Cristo? Será que Cristo incendiou de verdade o coração de muitos cristãos? Tenho muitas dúvidas. A fé entrou na vida de muitos cristãos como o ar entra nas casas quando se abrem as janelas, com a maior das naturalidades, sem grande questionamento e estremecimento, sem a mínima «inquietação», com o trabalho quase todo feito. Não foi preciso nenhum «encontro» especial e nenhuma busca, bastou seguir as pegadas de uma tradição e de uma cultura dita cristã. Não se tomou uma decisão pessoal, com a inteligência e o coração, fascinado pela mensagem e pela figura de Jesus Cristo, escondido por detrás das fórmulas catequéticas que mal se entendiam e que tinham de se decorar, ou por detrás de celebrações «a que se tinha a obrigação de ir», estranhas à vida, onde se deveria encontrar e celebrar esse fascínio. Conclusão: temos uma multidão de cristãos mornos, amorfos, descomprometidos, insípidos, que de cristãos só têm o nome. Ao mesmo tempo, o Papa também explica que a fé cristã só se vive com e na Igreja, onde Cristo está. Não existe fé cristã de alfaiate, à medida de cada um e como cada um bem entende, sem verdadeira comunhão com a Igreja.

 

Em segundo lugar, coloca-se a pergunta: quem não acredita em Jesus Cristo, ou por outras palavras, quem não chega à fé não se salva? Noutros tempos, quem não acreditava estava condenado e excomungado. Não tinha qualquer hipótese de salvação. Fora da Igreja não existia salvação, nem mesmo para as outras ramificações cristãs. Mas o Concílio Vaticano II reformulou esta doutrina dogmática e rígida: salientou a consciência. Assim o faz o Papa Francisco: «para quem não crê em Deus a questão está em obedecer à própria consciência: acontece o pecado, mesmo para aqueles que não têm fé, quando se vai contra a consciência. De facto, ouvir e obedecer a esta significa decidir-se diante do que é percebido como bem ou como mal; e é sobre esta decisão que se joga a bondade ou a maldade das nossas ações». Um não crente, que não tenha encontrado a razoabilidade para acreditar em Deus, se for fiel à sua consciência ao longo da vida, salva-se. Esta mesma doutrina já está patente no que a Igreja chama os «cristãos anónimos», homens e mulheres de boa vontade, que não assumem a fé cristã e não fazem parte da Igreja, mas que comungam e agem na vida de acordo com muitos princípios e valores do Evangelho, na fidelidade à sua consciência. Convinha vincar que é preciso ouvir mesmo a consciência, sendo necessária a devida formação, onde «o homem descobre uma lei que não se impôs a si mesmo, mas à qual deve obedecer; essa voz, que sempre o está a chamar ao amor do bem e fuga do mal, soa no momento oportuno, na intimidade do seu coração: faz isto, evita aquilo. O homem tem no coração uma lei escrita pelo próprio Deus; a sua dignidade está em obedecer-lhe, e por ela é que será julgado» (Gaudium et Spes, nº 16). Hoje em dia a palavra consciência anda num mar de confusões, confundida, muitas vezes, com arbitrariedade individualista ou sendo máscara de puro subjetivismo. Convinha também salientar que todo o homem é «capaz» da fé e está feito para a relação com Deus. Entende-se que determinadas pessoas tenham mais exigências intelectuais do que outras para acreditar em Deus e até podem mesmo, com verdade, não conseguir chegar lá. Mas não confundir isto com a teimosia ou o comodismo de não querer acreditar. Estes casos ficam entregues à misericórdia de Deus.

 

Em terceiro lugar, o problema da verdade absoluta, diante da postulação moderna de que só existem verdades relativas e subjetivas. O Papa Francisco sublinha que a verdade não é tanto um produto intelectual, uma teoria, uma tese soberbamente pensada, que todos têm de aceitar inquestionavelmente, mas é algo que se encontra caminhando na vida, porque a verdade é uma relação: o amor de Deus por nós em Jesus Cristo. Chegar à verdade implica caminhar. A verdade não é algo que se tem para sempre adquirido e se atira ou impõe aos outros, como é tendência do agir humano, mas é algo que continuamente e humildemente deve ser procurado, acolhido e expresso. Claro que para nós, cristãos, existem absolutos: Deus, o homem, entre outros, e devemos afirmá-los sem medos e cedências. Mas façamo-lo com humildade. Ainda há muito para caminhar. Não caíamos na sobranceria de pensar que temos a verdade na mão e temos o direito de silenciar quem pensa diferente. Podemos saber muitas coisas de Deus e estar muito longe dele e da sua verdade, que é o Amor. Quem ama está mais perto da verdade.

 

Por fim, o Papa Francisco lembra-nos que «a Igreja não tem outro sentido e outra finalidade que não seja viver e testemunhar Jesus Cristo». Andam por aí muitas coisas a distrair-nos desta razão de ser da Igreja.  


tags:

publicado por minhasnotas às 10:42 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds