Sexta-feira, 4 de Outubro de 2013

A Fundação Francisco Manuel dos Santos, conduzida por uma das figuras e das vozes mais sapientes e sensatas de Portugal, António Barreto, promoveu uma série de debates sobre a Europa, nos dias 13 e 14 de Setembro, no Liceu Pedro Nunes, em Lisboa. Sob a moderação de Maria Flor Pedroso, um dos debates abordou o tema «A Europa precisa de Deus?», sendo convidados João Pereira Coutinho, Joana Amaral Dias e Manuel Braga da Cruz, antigo reitor da Universidade Católica Portuguesa. As duas vozes masculinas alinharam na mesma direção, embora com argumentações ligeiramente diferentes: a Europa precisa de Deus. O cristianismo está na alma da Europa e não se pode compreender a Europa sem o Cristianismo. As raízes cristãs europeias são inquestionáveis e ajudam a compreender a sua matriz humana, cultural, social e espiritual. Joana Amaral Dias, psicóloga clínica, esquerdista e ateia assumida, manifestou opinião contrária: a Europa não precisa de Deus, mas «precisa de coisas bem mais importantes, como arroz e dinheiro». Lembrou que a Europa é o continente menos cristão atualmente e que os europeus consideram os valores da justiça, da democracia, da igualdade, dos direitos humanos ou da paz mais importantes do que a religião.

 

Joana Amaral Dias tem razão numa coisa: a Europa já é o continente com menos cristãos. São muitos os fatores que explicam esta evolução e um dos principais é a invernia demográfica da Europa. O cristianismo está a crescer na Ásia, na América Latina e na África, precisamente as zonas mais populosas do planeta. Mas a força de uma religião não está no número dos seus sequazes, mas na qualidade da sua presença no mundo. Grande parte dos europeus ainda têm uma grande identificação com o património moral e espiritual da fé cristã. E quanto aos valores que os europeus privilegiam, convém não esquecer o grande contributo do cristianismo na sua formulação e na sua vivência. Alguns têm inspiração bíblica e outros têm a sua génese na reflexão cristã. A Europa tem uma clara matriz cristã. Nenhuma instituição, partido ou ideologia, e até mesmo intelectual liberal, deveriam desprezar ou olvidar esta verdade fundamental, como já aconteceu. Quem nega ou arranca as suas raízes fica perdido e sem norte, fica sem identidade, e cai nas mãos do vento, que não deixará de nos arrastar para onde bem lhe interessa. O futuro da Europa passa pelo reencontro e pelo despertar das suas raízes cristãs, passa por dar a Deus e à sua revelação o papel principal na sua configuração humana, social, cultural, jurídica e espiritual. Com isto eu não quero dizer que as pessoas têm de ser cristãs à força, quero dizer que devemos muito ao cristianismo e que não nos podemos compreender e projetar para o futuro, enquanto europeus, sem ele. Deu um cariz próprio à Europa, deu forma à Europa.

 

Interessante é o conceito redutor que Joana Amaral Dias tem da pessoa humana, apenas feita de necessidades materiais. O homem precisa de arroz e dinheiro. Que visão tão pobre da humanidade! O homem precisa de arroz ou pão e dinheiro, mas precisa de muito mais. É este o problema do pensamento tacanho de uma certa esquerda: interpreta a vida de forma materialista e vira as costas à verdade total e mais profunda da vida e do ser humano. Lá no fundo, não passa de comunismo refinado, que entende que a existência humana tem «por missão única a produção de riqueza por meio do trabalho coletivo, e único fim o gozo dos bens da terra num paraíso ameníssimo de delícias onde cada qual «produziria conforme as suas forças e receberia conforme as suas necessidades», como diz a Encíclica do Papa Pio XI, «Divinis Redemptoris», necessidades materiais, acrescento eu, porque o comunismo só aceitava a matéria. Esta visão da vida foi encarada pela Igreja como «um sistema cheio de erros e sofismas, igualmente oposto à revelação divina e à razão humana; sistema que, por destruir os fundamentos da sociedade, subverte a ordem social, que não reconhece a verdadeira origem, natureza e fim do Estado; que rejeita enfim e nega os direitos, a dignidade e a liberdade da pessoa humana». Ser homem não seria mais do quer ser uma máquina de trabalho, para atingir e se refastelar no bem-estar material. O homem tem a sua dimensão material, mas também tem consciência, tem inteligência, tem vida interior e espiritual, tem coração, tem vontade de sonhar e  de fantasiar, tem uma sede de plenitude, de infinito, de eternidade, de verdade, que nenhum bem efémero do mundo consegue satisfazer.

 

Um argumento para se marginalizar a fé ou a religião, que agora está muito na moda e que ali também foi retocado, é que as religiões são fonte de cegueira, de fundamentalismo, de divisão, de guerras e de violência. O mundo seria bem melhor e haveria mais paz sem as religiões. É verdade que as religiões, infelizmente, porque são mal interpretadas e porque são instrumentalizadas para vários fins, têm agudizado alguns conflitos e contendas em algumas partes do mundo. Mas as religiões não têm culpa. Nenhuma consegue controlar todos os seus seguidores. Todas, e falo sobretudo do cristianismo, têm uma mensagem de paz e de humanização e procuram promover a tolerância e o diálogo entre todos os homens. Não são violentas e não são geradoras de fanatismo. Têm é fanáticos, que se servem delas para satisfazer outros interesses. Mas ainda assim, como muito bem lembrou João Pereira Coutinho, os ateus de esquerda e de direita do século XX mataram mais pessoas do que todas as religiões juntas. As religiões não são o problema, mas o homem, corrompido com o pecado e com as suas convicções tenebrosas e diabólicas, que existe fora e dentro delas.


tags:

publicado por minhasnotas às 14:44 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds