Sábado, 6 de Julho de 2013

Numa audiência com alunos de colégios e movimentos jesuítas, após ser questionado sobre o compromisso político dos cristãos, o Papa Francisco respondeu: «Envolver-se na política é uma obrigação para um cristão. Os cristãos não podem fazer de Pilatos, lavar as mãos. Devemos implicar-nos na política, porque a política é uma das formas mais elevadas da caridade, visto que procura o bem comum. Os leigos cristãos devem trabalhar na política. Dir-me-ão: não é fácil. Mas também não o é tornar-se padre. A política é demasiado suja, mas é suja porque os cristãos não se implicaram com o espírito evangélico. É fácil atirar culpas, mas eu, que faço? Trabalhar para o bem comum é dever de cristão». Possivelmente, esta resposta surpreendeu muitos cristãos católicos. Está difundida, erradamente, a ideia de que religião e política são dois mundos separados e que um católico honrado e piedoso «não se mete na política». Cada um mete-se na sua vida e ponto final. Nada mais errado. Quem assim pensa é porque desconhece todas as exigências e implicações da sua condição de cristão católico, se o é, e tem uma visão mesquinha, redutora e enviesada da política. Em parte, compreendo o tabu, ou se quisermos, o asco que se criou entre religião e politica porque a palavra política está refém das manobras e dos jogos dos partidos políticos, com todo o interesse e tacticismo e toda a astúcia e sujeira que os acompanham. Mas a política, a boa política, é muito mais do que isto, que, muitas vezes, é denominado de politiquice ou baixa política e com toda a razão, e de certeza que muitos politiqueiros, na sua anquilosada sagacidade, veem as palavras do Papa como um apelo a defender alguns partidos políticos e a fazer campanha por eles dentro das igrejas. Xô, belzebu. Alarguemos horizontes.

A palavra política vem da palavra grega polis, que significa cidade, ou mais concretamente de politikê, a ciência de gerir os negócios da cidade, a arte de governar a cidade. Os gregos costumavam reunir-se em algumas praças específicas, em assembleia, para discutirem todos os assuntos relativos à vida da cidade, ou se quisermos, da sociedade ou comunidade, de maneira a se encontrarem as melhores soluções para os problemas que eram comuns a todos. Por política deve, assim, entender-se o debate público, aberto à participação de todos, onde se expõem os anseios e os problemas que afetam a sociedade e se definem as ações e procedimentos para os atingir e sanar, respectivamente. Política é a arte de bem gerir e governar uma sociedade ou comunidade, em ordem à sua realização. De modo imperfeito, podemos traduzir ou aplicar a palavra politica e sua ação a república (res publica – a coisa pública), organizar e gerir o que é de todos e que diz respeito a todos, ou por Estado, enquanto conjunto de instituições que visam criar o bem comum.

Assim entendida a política originariamente, na sua pureza e retidão, enquanto debate aberto a todos para se escolher o melhor para a vida coletiva, sem os preconceitos e os escolhos e as estreitezas e as barreiras das lutas partidárias, não nos é difícil perceber que é um dever de todo o católico integra-se e envolver-se na política, porque um cristão católico faz parte da sociedade e não pode viver indiferente às orientações e ao rumo da sociedade, em todas as suas dimensões, mas, pelo contrário, deve procurar influenciá-lo a partir da sua fé. Como diz o documento Gaudium et Spes, do Concílio Vaticano II, «as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo; e não há realidade alguma verdadeiramente humana que não encontre eco no seu coração». A fé cristã não é algo que se tem só para se viver dentro das igrejas ou em privado, longe dos holofotes da vida pública, e muito menos é um ópio para se ir vivendo uma vida alienada do mundo. A fé cristã é compromisso, desafio, missão, intervenção (no bom sentido da palavra), porque nenhum cristão católico se salva sozinho, metido só na sua consciência e nas suas devoções, mas enquanto reparte o que recebe, levando o evangelho a todos para a salvação de todos, ou seja, salva-se enquanto salva o mundo em que vive, levando o espírito evangélico a todas as realidade da vida humana e do mundo. E para aqueles que mais diretamente estão e atuam na vida política partidária, é bom que não esqueçam: quem aceita ser cristão católico aceita um conjunto de princípios e de valores, inspirados na mensagem de Jesus Cristo e na doutrina da Igreja, que obrigam a tomar opções e a fazer escolhas e que devem estar presentes em toda a vida e ação, adquire uma mentalidade e um estilo de vida próprio, assimila uma visão cristã do homem, do mundo e da sociedade, de que passa a ser missionário e apóstolo. Como é lamentável ver que muitos políticos católicos deixam a fé num cabide do guarda-fatos quando saem de casa, manifestado grande incoerência pessoal. É um mau serviço que prestam a Cristo e à Igreja quando dão a impressão de que a fé não passa só de um verniz ou de um adorno de cerimónias.

O sociólogo António Barreto dizia há dias nas Jornadas Pastorais do Episcopado, que decorreram em Fátima: «A Igreja acabará sempre por se ocupar também do que está na Terra, não só do Além, e eu gosto que seja assim, gosto que a Igreja o diga, que os seus Bispos, os seus sacerdotes digam o que pensam, participem da vida coletiva e da vida social. Acho que ficamos todos a ganhar com isso». Não é um voluntarismo ou uma mera opção. É um dever de todo o cristão católico.


tags:

publicado por minhasnotas às 09:57 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds