Sexta-feira, 21 de Junho de 2013

Desde há uns tempos para cá que tenho seguido com interesse as conferências ou as sessões da TED, que já muitos devem conhecer. A TED é uma fundação privada americana, fundada em 1990 por Richard Saul Wurman, com o fim de divulgar ideias interessantes. Durante 18 minutos, um conferencista convidado apresenta uma ideia com valor ou originalidade, conferências que estão no Youtube. Uma, de que gostei e que me deixou a pensar, foi a de Ken Robinson, inglês nascido em Liverpool, em tempos consultor internacional em educação nas artes para o governo britânico e professor de educação artística. A sua tese é a seguinte: as nossas escolas matam a criatividade humana, com tudo o que isso traz de infelicidade para a pessoa humana, e formatam as pessoas para o mundo do trabalho, desprezando a sua riqueza humana e artística. Na sua opinião, a criatividade é tão importante como a alfabetização. Acho a tese interessante e provocadora.

O conferencista começa por contar a história de uma menina, que habitualmente não manifestava grande interesse pela aula de desenho, ficando no fundo da sala, mas, num certo dia, a professora notou o seu empenho. E perguntou-lhe: «O que estás a fazer?». A menina respondeu: «Estou a fazer um retrato de Deus». A professora, talvez sorrindo, respondeu: «Mas ninguém sabe como Deus é». Ao que a menina respondeu: «Vão saber num minuto». Daqui Ken Robinson conclui, e com razão, que a pessoa humana nasce com criatividade e sem medo de errar e de ser original, de inovar e de evoluir, sem medo de assumir riscos, e que quando não estamos preparados para errar não temos ideias originais. Reforçou isto mesmo lembrando Picasso que afirmou que todas as crianças nascem artistas e que o problema é continuar artista enquanto se cresce. Somos ensinados a abandonar a criatividade, considerada um estado de imaturidade. Conforme nos vamos tornando adultos vamos perdendo a capacidade de inovar e adquirimos o medo de errar. Estigmatizamos o erro, entendido como a pior coisa que nos pode acontecer ou que podemos cometer. Em grande parte da sua atividade, as nossas escolas produzem indivíduos desprovidos de criatividade e formatam-nos para o mundo laboral e para a produção da riqueza, para o seu «papel funcional» da sociedade, onde devem atuar como meros instrumentos de uma engrenagem. Assim, na sua opinião, tem-se deitado por água abaixo muitos talentos e muita originalidade que poderia dar outra beleza à vida humana.

Ken Robinson acrescenta depois dois dados importantes: não havia um sistema de educação pública antes do séc. XIX e que este nasceu para suprir as necessidades da industrialização. Assim se construiu a hierarquia das disciplinas escolares, universal em todas as escolas: em primeiro lugar matemática e línguas, em segundo as ciências humanas e no fundo as artes. O ensino centra-se na cabeça e despreza o resto do corpo. Tudo o que tem a ver com o trabalho é a prioridade do ensino. Não tem de ser assim? Ken Robinson acha que não e que a escola não devia ter só este sentido único, ou se quisermos, esta ditadura, mas que devia dar espaço para cada um conhecer e aperfeiçoar os seus talentos, com criatividade, onde pode ser brilhante, e não ser aniquilado para uma função ou um papel laboral onde não se realizará e onde não será feliz. Confesso que partilho muito destas ideias.

Em tempos, lembro-me de ter lido um artigo do médico, professor e pintor Abel Salazar, onde ele criticava o ensino do seu tempo, em que o bom aluno era considerado aquele que decorava tudo e que debitava tudo o que o professor lhe ensinava, sem qualquer atitude reflexiva e crítica em relação ao saber e ao conhecimento. Para ele, o bom aluno é aquele que questiona o conhecimento e procura aprofundar e inovar o conhecimento, com reflexão e criatividade. O bom aluno é aquele que assimila para ser um criador. Lembro que a palavra escola vem do grego e significa ócio. Já os gregos entendiam a escola como o lugar para o homem se formar e humanizar, se desenvolver e realizar as suas capacidades e potencialidades, se recriar para ser um criador e um inovador. É preciso talvez refundar as nossas escolas por este caminho, porque, infelizmente, hoje em dia, ter um canudo já não significa entrar no mundo do trabalho. O homem tem na inteligência o seu maior dom, mas é mais do que inteligência. Tem um corpo onde habitam muitos outros dons, que também o realizam como homem. A escola deve ter uma visão mais completa da pessoa humana e centrar-se na sua riqueza global. É preciso focalizar mais a escola na realização da pessoa humana e não no mundo do trabalho.  



publicado por minhasnotas às 10:19 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds