Quinta-feira, 6 de Junho de 2013

Dois equipamentos ou instrumentos marcam a vida contemporânea: a televisão e o computador. Este revolucionou a nossa capacidade de organização e de trabalho, proporcionou-nos uma comunicação muito mais célere e eficaz, aproximação e construção de redes transversais e globais, para lá do muito lazer que também oferece, sempre à mão com meia dúzia de cliques. A televisão tornou-se a grande animadora dos ambientes sociais e dos serões familiares. Ou até mais do que animadora: a televisão é hoje, em muitas casas, o pão intelectual e a grande formadora das consciências, formatando os hábitos, valores e comportamentos de uma grande massa social.

Passamos muito tempo diante da televisão. Rendemo-nos excessivamente à televisão. Tornámo-nos consumidores de televisão, sem critério e consciência crítica. Isto tem algum mal? Claro que tem. As pessoas deixaram de dar tempo a atividades e ações muito mais enriquecedoras para a sua vida, como ler bons livros, dar tempo a associações e a instituições, dar tempo aos outros, cultivar a amizade, o encontro e a partilha, a exploração da criatividade e de dons e talentos profícuos para a vida social e comunitária, entre outros. E tem, sobretudo, devido ao produto que a televisão oferece, que, na sua maioria, é de média e má qualidade. Compreendo que a televisão também é para entreter, mas, na sua base, não temos uma televisão responsável e exigente, com critérios educacionais, culturais e formativos bem vincados, inspirados na excelência da humanização e da socialização, mas temos uma televisão regida pela mínima preocupação ética e cultural, obcecada por audiências a qualquer preço, geradoras de dinheiro. A televisão oferece muito lixo às pessoas e muitas pessoas não têm suficiente espírito crítico para saberem questionar e recusar a lixeira que lhes oferecem, deixando-se estar anestesiadas e atónitas diante da televisão, adormecidas num entretenimento que pouco ou nada lhes acrescenta à vida. Daqui advém, claro, uma sociedade pouco culta, sem ginástica intelectual, inerte, indiferente, viciada na facilidade e no comodismo. Vivemos numa sociedade dependente da televisão. Tornou-se mesmo um sedativo para ajudar a passar o tempo e a adormecer, sem acrescentar mais cultura e educação à vida das pessoas.

Reparemos até nas causas e nos efeitos do zapping (passar de uns canais para os outros para ir passando o tempo), que, em algumas pessoas, é uma dependência. Tudo nos interessa e nada nos interessa. Sem qualquer objetivo e referência, absorvemos uma cascata de sons, sensações e imagens, numa voracidade tonta por tudo e por nada, captando tudo pela rama, na falsa perceção de que estamos atualizados com o mundo, quando não estamos. No fim, não fica senão uma grande inquietação interior e um grande descontentamento, porque nada ou quase nada interessou, nada ficou para a vida, não se deu dinamite à inteligência e sobressaltos ao coração, tudo foi um passar de tempo entediante, que de forma insuspeita, vai tornando as pessoas sem gosto por nada, amorfas e apáticas, abúlicas e crestadas. Parece um diabético a contemplar um sortido de doces.

Já aqui o disse mais do que uma vez a impressão, que já é uma convicção, que tenho dos tempos atuais: tem-se muita informação para não se saber nada ou quase nada. A informação entrou na órbita do consumismo. Devoram-se notícias e mais notícias, anda-se avidamente atrás de novidades e mais novidades, mas não se questiona e analisa e não se faz uma triagem e uma síntese, porque faltam alicerces e referências, de forma que pouco saber e pouca sabedoria se adiciona à vida. Vivemos numa cultura vaporosa e líquida, que gosta que tudo seja intenso, mas rápido, que nada se firme e que tudo corra, em nome de uma avidez vaga, que não sabe o que quer e para onde quer ir. Até os debates televisivos já nem formam nem informam, porque o que interessa é ganhar a luta e dominar o espetáculo do debate e não esclarecer e apontar caminhos e soluções da parte de quem abarca o saber.

Repensemos o tempo que damos à televisão. Muito desse tempo é tempo perdido. O quadradinho mágico há muito que deixou de o ser. Uma televisão assim faz-nos pouca falta. 



publicado por minhasnotas às 12:25 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds