Terça-feira, 7 de Maio de 2013

Os cristãos, no fim da vida terrena, celebram as exéquias (atos finais, seguir e acompanhar alguém até ao fim), ou mais conhecido entre nós, o funeral, o enterro: conjunto de ritos e orações para se suplicar a Deus a purificação dos pecados e de todo o mal e a entrada na plenitude da vida de um batizado em Cristo e membro da Igreja, ritos que devem ser celebrados com dignidade e simplicidade. O momento mais importante das exéquias é a celebração da Eucaristia, memorial da Páscoa de Jesus Cristo, sacrifício oferecido para a remissão dos pecados e celebração da passagem da morte para a vida em Deus do falecido, participando no mistério pascal de Jesus Cristo. Aliás, a Igreja lembra, em primeiro lugar, isso mesmo: todo o funeral é uma celebração do mistério pascal de Jesus Cristo. É uma atualização da sua entrega pela humanidade e da sua morte e da sua vitória sobre a morte, passando para Deus Pai, onde vive eternamente. No fim da sua vida, todo o cristão, unido a Cristo, atinge e participa na plenitude deste mistério, que já começou a ser vivido no dia do Batismo.

 

Nestas horas dolorosas da vida, todos os cristãos são convidados a reunirem-se para, solidariamente, agradecerem a Deus os dons com que cumulou a vida do falecido e tudo o que de bom dele receberam,  oferecerem uma última prece redentora por ele e dar consolação e fortalecimento à esperança da família enlutada. Um falecido não é apenas um familiar, um amigo ou um habitante duma determinada terra. É um membro de uma comunidade cristã que deixa o mundo e parte para Deus. Toda a comunidade cristã, de que ele fazia parte, dentro do possível, em profunda comunhão com ele e com a família, deve marcar presença, porque a comunidade também está de luto e perdeu um dos seus membros, que se alimentou dela e viveu para ela. Há uma íntima união e fraternidade entre todos os cristãos, que deve ser sempre celebrada, vivida, reforçada e manifestada. Assim o recomenda a Igreja.

 

Mediante este entendimento e estes pressupostos, e escusado será dizer que não foco nenhum funeral em concreto, mas a sua globalidade, já reparámos que há alguns aspetos que é preciso melhorar na vivência dos nossos funerais. Infelizmente, verifico que o verdadeiro espírito cristão e comunitário anda ausente de muitos funerais. Em primeiro lugar, lembremos que a razão primeira e última que nos leva a participar ou que nos deve levar a participar num funeral é a partida de um cristão que fazia parte da comunidade, seja ele quem for, e não apenas a amizade, a ligação à família ou a aceitação e estatuto social da pessoa falecida, que são os critérios mais notados na conduta das pessoas. Noto que a vivência comunitária dos funerais ainda tem muito para crescer, talvez porque a dimensão comunitária anda muito ausente da vida de muitos cristãos e não se entende a fé cristã como pertença a uma comunidade, como de facto é.  

 Em segundo lugar, se é certo que há legitimidade para se homenagear quem partiu, os funerais não são meras homenagens ou despedidas, cumpridas com formalismo, nem muito menos são momentos para elegias e panegíricos de todo o tipo, dirigidos quer ao falecido ou à sua família, que obscureçam a oração e o centralismo de Jesus Cristo. Para isso, não se ia à Igreja. São momentos de oração e de encontro com Jesus Cristo, razão de ser de todo o ato. São, primeiro que tudo, momentos de celebração e de testemunho da fé cristã. É inaceitável a indiferença que muitos cristãos (ou ditos cristãos) dão à liturgia cristã (muitos querem ver passar a missa como gato sobre brasas), como também é inaceitável o acrescento de elementos de cariz meramente sentimentalista, estranhos ao espírito da liturgia das exéquias. Isto não quer dizer que não existam traços humanos e sociais que mereçam destaque. Há um momento para isso, que deve ser realizado com sobriedade e sem vanglória.

Em terceiro lugar, seria bom evitar o exibicionismo nos funerais. A Igreja assim o recomenda: «Na celebração das Exéquias, além da distinção baseada no ministério litúrgico e na Ordem sacra, e excetuando as honras devidas às autoridades civis, segundo as leis litúrgicas, não se faça qualquer aceção de pessoas particulares ou de condições sociais, quer nas cerimónias quer no aparato exterior». É inaceitável, e com grave dano para o testemunho cristão, que se aproveitem os funerais para ser mostrar o poder económico e social ou para se marcar a diferença pela diferença, com orgulho. Diante de Deus, todos os homens são iguais em dignidade e valor. Convinha que esta profunda igualdade entre todos os homens fosse notória na hora dos funerais. Seria bom evitar algum aparato desnecessário e despropositado, assim como seria bom e correto não se fazer aceção de pessoas, em que se veem funerais com multidões e outros que mal têm pessoas para se cumprirem as exéquias com dignidade e primor. E não é só devido à disponibilidade, porque as pessoas para o que querem arranjam disponilidade. Então, afinal, o que conta é o dinheiro e a importância que a pessoa falecida ou família têm e a utilidade que têm ou tiveram para nós? A sociedade, que é tão sensível à desigualdade entre ricos e pobres ou a outra qualquer categoria que diferencia as pessoas, deixa que isso mesmo seja manifesto na hora dos funerais. É justo e correto que assim seja? É correto que cristãos assim o façam? Um cristão rege-se por critérios e valores evangélicos e cristãos e não por critérios e valores mundanos.

 

Para finalizar, sublinho mais dois aspetos que me desagradam: não tem sentido os «funerais julgamento», que se fazem a certas pessoas. Quando questiono a pouca participação das pessoas, por vezes, dizem-me que talvez se deva ao pouco merecimento da pessoa. Quem nos constituiu juízes dos outros? Será que nós cristãos não devemos ter um último gesto de solidariedade e amabilidade para com aquele cristão? Não é isso que nos fica mesmo bem? Ser cristão não é testemunhar a gratuidade e o amor para lá da justiça? Tenho todo o respeito pela dor das pessoas e todas as pessoas têm direito a expressar a sua dor e cada pessoa tem a sua forma de o fazer. Mas há prantos que se revestem de um alarido e aparato excessivo, porque até acredito que, em particular, muitas pessoas não choram como choram diante dos outros. Carpir para ver e ouvir não é lá muito bonito. Por vezes, tem mais força o silêncio e a serenidade. 


tags:

publicado por minhasnotas às 15:29 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds