Sexta-feira, 5 de Abril de 2013

Talvez embalado pela contemplação da grandeza e da loucura do amor de Deus na paixão de Jesus Cristo, dei por mim a meditar no complexo e insondável mistério do sofrimento, a sua origem e o seu sentido. Não tenho dúvidas de que muitas pessoas já se viram diante do mesmo mistério e das mesmas perguntas, com muita mais agudeza do que eu, e que o digam aqueles que o estão a enfrentar com toda a sua dureza e crueldade. O sofrimento é das experiências mais intensas e marcantes que o ser humano experimenta e que mais o fazem questionar o sentido e o rumo da existência. Deixa marcas indeléveis e inapagáveis, seja o sofrimento moral e espiritual (os remorsos de consciência, a morte, a hostilidade e incompreensão do meio onde se vive, a perseguição, o abandono, a solidão, a injustiça, a ingratidão, entre outros), seja o sofrimento físico (as doenças, as limitações do corpo humano), não esquecendo que ambos os sofrimentos andam juntos.

Há sofrimento que não nos custa a aceitar e a compreender. Um alcoólico que está na cama de um hospital, na agonia dos últimos dias de uma cirrose, sabe porque está a sofrer. No íntimo de si mesmo, não poderá deixar de ouvir a voz da sua consciência a lembrar-lhe todo um caminho de irresponsabilidade e de excessos que percorreu ao longo da sua vida. Sofre porque deixou vencer um vício e porque não deu o rumo certo à sua liberdade, sabendo que poderia ter escolhido perfeitamente outro caminho. Só tem de se queixar de si mesmo, por muito que pesem alguns fatores à sua volta. Um atleta que quer ganhar uma medalha de ouro sabe que não o consegue sem sofrimento. Terá de passar por muitas privações e sacrifícios, mas aceita-os livremente em nome de um bem maior e duma realização humana que alcançará.

Há sofrimento que não aceitamos, mas que mais tarde compreendemos e agradecemos. Quem de nós não recorda alguma disciplina, rigidez e privação (no bom sentido), exigência, trabalho e persistência que os nossos pais e professores nos impuseram? Possivelmente, mergulhados na nossa incompreensão, custaram-nos algumas lágrimas choradas em segredo, dias com semblantes sisudos, e, no pior dos casos, revolta e ressaibo. Mas hoje estamos mais do que agradecidos porque nos capacitaram para a vida, para a nossa autonomia e responsabilidade, promoveram a nossa maturidade humana. Compreendemos que há um sofrimento que faz parte da vida, há um sofrimento que é aceitável e útil porque ajuda a crescer e a dar valor à vida e às coisas da vida. Não generalizando, quando olho para a nossa juventude atual e vejo o pouco valor que ela dá a certas coisas e a facilidade com que se desenvencilha delas, é porque sofreu pouco para as ter. Aliás, penso que temos aí uma geração que está demorar a amadurecer porque os pais, na conceção errada de que ser feliz é ter tudo, é ter todos os bens e não ter nenhum mal, privaram os filhos deste sofrimento útil que ajuda os filhos a crescer e a saber viver para além de si mesmos. 

Há depois o sofrimento bruto e atroz, que não aceitamos e não conseguimos compreender, como é o caso de uma doença incurável e as limitações cada vez mais dolorosas e atrozes que ela oferece. E que dizer quando uma criança já nasce com este fardo. É complexo. A natureza tem as suas falhas. E não há uma resposta cabal e plenamente satisfatória para a sua origem e sentido, embora a Palavra de Deus nos aponte algumas luzes. São inevitáveis as perguntas: que sentido é que tem uma existência assim? Que sentido tem nascer para sofrer e fazer sofrer? Porque é que Deus permite estas situações de grande sofrimento? Como não podia deixar de ser, Deus é o primeiro a sentar-se no banco dos réus, ou por aquilo que fez ou por aquilo que deixou ou deixa de fazer. E por uma razão muito simples: Deus é o todo-poderoso, é o omnipotente, é o omnisciente, é o criador que criou tudo muito bom, tem o poder de renovar e recriar todas as coisas. É o Senhor de todos e de todas as coisas. Se as fez para o bem e para a vida plena, porque é que permite o sofrimento e não intervém contra a sua desumanidade e ferocidade? Todos aqueles atributos que aprendemos de Deus na catequese estão bem, mas têm de ser bem entendidos, e o nosso mestre é obrigatoriamente Jesus Cristo, imagem de Deus. Tudo aquilo está muito feito à nossa imagem e Deus não é como nós pensamos, nem age como nós gostaríamos que agisse. O Deus de Jesus Cristo não encaixa nos nossos esquemas.

Importa, desde já, dizer que Deus não é o criador do mal e do sofrimento e que Deus não o deseja para nenhum ser humano. No tempo de Jesus, entendia-se o sofrimento como castigo pelo pecado, o que à luz da fé cristã não tem o mínimo cabimento. O mal, nomeadamente o mal moral, surgiu por culpa do homem, que, desde o início da história, na sua liberdade, rejeitou a Deus e os seus desígnios de amor e de vida para toda a humanidade. O sofrimento faz parte da nossa humanidade. Na Bíblia, vemos que Deus foi sempre um Deus atento e sensível às dores, angústias e opressões do seu povo e que nunca deixou de dar uma resposta ao clamor do seu povo, buscando a sua libertação e felicidade. Jesus Cristo foi um grande lutador contra o sofrimento humano, sem se perder em grandes explicações do mesmo. Deus não é o causador e o promotor do sofrimento, mas é o grande aliado que temos na luta contra o sofrimento.

Ainda tenho na minha memória uma frase do padre e poeta José Tolentino Mendonça, dita numa entrevista à comunicação social: «Deus é um conjunto de perguntas e não um conjunto de respostas». Habituámo-nos a encontrar em Deus todas as soluções, a fazer dele o Deus-providência que tem de acorrer a tudo e a todos, sem mais nem menos, como um bombeiro, e como se tivesse uma varinha mágica na mão para resolver tudo milagrosamente e nos livrar de todas as dificuldades. Mas Deus não é assim, nem pode agir assim. Um Deus assim seria uma força arbitrária informe toda-poderosa, dispensadora de serviços, que faria dos homens marionetas nas suas mãos, mas não seria um Deus pessoa para construir uma relação sólida e séria com a humanidade. O Papa emérito, Bento XVI, dizia há uns tempos, numa catequese: «A sua omnipotência (de Deus) não se manifesta na violência, não se exprime na destruição de todo o poder adverso, como nós desejamos, mas expressa-se no amor, na misericórdia, no perdão, na aceitação da nossa liberdade e no apelo incansável à conversão do coração, numa atitude só aparentemente frágil — Deus parece frágil, se pensamos em Jesus Cristo que reza, que se deixa matar. Uma atitude aparentemente débil, feito de paciência, de mansidão e de amor, demonstra que este é o verdadeiro modo de ser poderoso! Este é o poder de Deus!». Deus é todo-poderoso, no amor e pelo amor que ama sempre e dá tudo. E quando age, age a partir de dentro e não do exterior, pela força da vida e do Espírito que oferece ao homem.

Já estamos a ver assim qual é a resposta de Deus ao sofrimento humano: a encarnação e a Cruz de Jesus Cristo. No seu Filho, Deus veio e vem para o meio de nós, ajudar-nos a carregar as nossas dores, sendo o bom samaritano de todo o homem que se encontra esmagado pelo sofrimento numa valeta qualquer da vida. Face à grande súplica da humanidade diante do sofrimento, Deus mandou-nos e manda-nos o seu Filho, mostrando-nos assim que está ao nosso lado, a sofrer connosco e que, se unirmos com amor o nosso sofrimento ao sofrimento de Cristo, o nosso sofrimento torna-se redentor e santificador para o mundo, não é absurdo, mas tem um sentido, completando a paixão de Jesus Cristo, como nos diz S. Paulo.  

Todo o sofrimento deve ser combatido, sem dúvida. Rouba a vida ao homem. Mas há sofrimento que é inevitável e intransponível. E diante deste sofrimento não existem explicações. Há caminhos: oferecê-lo a Deus, unidos a Cristo, para nosso bem e para a redenção de toda a humanidade e estando ao lado de quem é vítima dele, à imagem do bom samaritano que Cristo é para nós. 



publicado por minhasnotas às 11:51 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds