Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2013

Na sua mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2013, O Papa Bento XVI reafirma algumas verdades, que a Igreja considera urgentes, fundamentais e inegociáveis, para a construção de uma verdadeira paz, que «não é um sonho, nem é uma utopia», mas pode ser uma realidade, unindo-se o dom de Deus e a obra humana: é necessária a eliminação das desigualdades entre ricos e pobres, sempre geradoras de conflitos incuráveis; a supressão da mentalidade egoísta e individualista que tem alimentado um capitalismo financeiro desregrado; o abatimento do terrorismo e dos fundamentalismos; o respeito pela integridade do homem, com todas as suas dimensões; o reconhecimento de que, em Deus, somos todos uma única família humana; a promoção do valor da vida na sua integridade, desde a conceção até ao seu fim natural; o respeito pela estrutura natural do matrimónio, enquanto união entre um homem e uma mulher; a fomentação da liberdade religiosa; a instauração de um novo modelo de desenvolvimento e de economia centrado no verdadeiro progresso dos povos e nas reais necessidades das pessoas; priorizar e construir uma pedagogia e uma cultura da paz.   

Particular atenção merece a sua afirmação sobre a função social do Estado: «O obreiro da paz deve ter presente também que as ideologias do liberalismo radical e da tecnocracia insinuam, numa percentagem cada vez maior da opinião pública, a convicção de que o crescimento económico se deve conseguir mesmo à custa da erosão da função social do Estado e das redes de solidariedade da sociedade civil, bem como dos direitos e deveres sociais. Ora, há que considerar que estes direitos e deveres são fundamentais para a plena realização de outros, a começar pelos direitos civis e políticos». Nas palavras de D. Januário Torgal Ferreira, até parece que o Papa andou por Portugal estes dias.

Já se percebeu que, mais tarde ou mais cedo, por toda a Europa, o Estado social vai estar no centro do debate político e social, precisamente na região do mundo onde ele teve mais implementação e impacto. Em Portugal não se foge à regra, e esquerda e direita já começaram a escavar as trincheiras e a esgrimir argumentos, uns a favor da sua manutenção sem apontar defeitos (miopia da esquerda) e outros a favor da sua refundação (palavra que pelos vistos não agrada a ninguém), sem dar muita importância às suas virtudes, considerando que o Estado social é um luxo de países ricos ou de estados capitalizados (excesso da direita). As duas partes têm um pouco de razão: o Estado tem uma função social imprescindível, mas também é verdade que se têm cometido excessos e é necessária uma nova configuração do Estado social, e que, por isso, é urgente renovar a função social do Estado, redefinir a sua forma e o seu conteúdo. Bastava reconhecer isto e não era necessária mais uma batatada entre esquerda e direita que, a verdade seja dita, nos vai dar umas boas doses de boa disposição. Custa-me a entender e a discutir as questões de forma maneta, como se ser de esquerda ou de direita se tenha que ser obrigatoriamente a favor de umas coisas e contra outras, sem mais nem menos, sem se buscar um equilíbrio. Deus fez-nos com duas mãos, não para uma esmagar a outra, mas para ambas se unirem na construção de uma obra comum. Já lá vai o tempo em que esquerda e direita tinham projetos e visões da sociedade díspares e bem vincadas, o que não acontece atualmente.

Do ponto de vista da Igreja Católica – leia-se a doutrina social da Igreja – o Estado existe para criar o bem comum de uma sociedade. Esta confia ao Estado o poder de criar e organizar as condições básicas para o desenvolvimento e realização da pessoa humana e das instituições da sociedade. Assim diz o número 74 da constituição pastoral Gaudium et Spes, do Concílio Vaticano II: «A comunidade política existe, portanto, em vista do bem comum; nele encontra a sua completa justificação e significado e dele deriva o seu direito natural e próprio. Quanto ao bem comum, ele compreende o conjunto das condições de vida social que permitem aos indivíduos, famílias e associações alcançar mais plena e facilmente a própria perfeição». O Estado não existe por si mesmo e para si mesmo, mas existe para organizar, regular, controlar e proteger a sociedade, apoiar e incentivar o progresso e o desenvolvimento onde é necessário e colmatar ou suavizar os desequilíbrios e as lacunas que a sociedade cria. Obrigatoriamente, todo o estado tem uma função social e não pode deixar de ser social. Se prescindir da sua função social, passa a ser um poder sem sentido e até certo ponto inútil, um poder apenas formal. O Estado tem uma função social inequívoca. Neste campo a esquerda tem razão, embora a direita também não o negue explicitamente.

Mas até onde deve ir a função social do Estado? Quais são as suas prioridades e onde deve estar e não estar? De que bens e serviços não pode prescindir? Esta é a questão decisiva e premente e é o debate que urge fazer. Até agora, as soluções apresentadas são pouco claras. A esquerda barafusta muito, mas não aponta caminhos. Tem razão a direita quando diz que o atual estado social é insuportável (os dados e os números são inquestionáveis), pugnando pela sua reforma, para ser verdadeiramente estado social, mais eficaz e mais eficiente. O estado social, nos últimos anos, cresceu desordenadamente e adotou erradamente um rosto assistencialista, que muito contribui para a sua decadência, face ao real crescimento económico dos países. O Papa João Paulo II, na sua Encíclica Centesimus Annum, no número 48, alertava para este problema: «Assistiu-se, nos últimos anos, a um vasto alargamento dessa esfera de intervenção, o que levou a constituir, de algum modo, um novo tipo de estado, o «Estado do bem-estar». Esta alteração deu-se em alguns Países, para responder de modo mais adequado a muitas necessidades e carências, dando remédio a formas de pobreza e privação indignas da pessoa humana. Não faltaram, porém, excessos e abusos que provocaram, especialmente nos anos mais recentes, fortes críticas ao Estado do bem-estar, qualificado como «Estado assistencial». As anomalias e defeitos, no Estado assistencial, derivam de uma inadequada compreensão das suas próprias tarefas».

O problema está nos argumentos que a direita usa: tem de se reformar o estado social porque há escassez de recursos. Como é que se pode entender este argumento se todos os dias o Estado não pára de capitalizar bancos e de disponibilizar dinheiro para os negócios que muito bem entende, alguns ruinosos para o Estado? Com razão, pesam sobre o governo fortes suspeitas de que o estado social não é uma prioridade, o que é inaceitável, e que há interesse em desmantelar o estado social, com grande insensibilidade tecnocrata, para se favorecer os interesses privados, colocando-se gravemente em causa o acesso a bens essenciais das pessoas mais frágeis e mais pobres da sociedade. Se é este o caminho que o governo quer seguir, é intolerável.

Começa a ser consensual que é necessária uma reforma do estado social, mas que seja uma reforma com equilíbrio e sensatez. O Estado jamais pode deixar de actuar de acordo com o fim para o qual foi criado, como o afirma a Igreja: «O indivíduo humano, a família, os corpos intermédios não são capazes, por si próprios, de chegar ao seu pleno desenvolvimento; daí serem necessárias as instituições políticas, cuja finalidade é tornar acessíveis às pessoas os bens necessários – materiais, culturais, morais, espirituais – para levarem uma vida verdadeiramente humana».



publicado por minhasnotas às 15:01 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds