Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2012

Mais um ano litúrgico que ficou para trás. Toda a Igreja é, agora, convocada para mais um advento, nunca esquecendo que está sempre em Advento. Jesus Cristo veio, vem e virá. Por vezes, nós, cristãos, vivemos tão preocupados com o céu, o purgatório e o inferno no fim da vida, que nos olvidamos de que essas realidades já se estão a viver e a antecipar aqui e agora. A eternidade não será senão a plenitude daquilo que ansiamos e construímos ao longo da vida, dando-se o devido espaço para as surpresas da misericórdia de Deus. Se assim não fosse, esta vida seria uma inutilidade e uma perda de tempo, um cálculo errado e uma fantasia indecente do criador. Mas não é. O presente da vida é o tempo favorável para dar consistência e grandeza à vida e ser mais homem com Deus e com os outros.

O Advento lembra à Igreja de que tem de estar sempre no posto de vigilância, com um coração expectante por Aquele que lhe dá acesso ao amor pleno e eterno. Jesus Cristo anda por aí. Deixá-lo passar e não o acolher (que é o que muitas vezes nos acontece) é uma distração imperdoável. Não falta quem nos adormeça. Ele é sempre o Emanuel, o Deus connosco, que nos salva e inquieta para sermos mais, na sua Palavra e nos sacramentos, mas também nos muitos apelos e desafios do mundo atual, nas vozes dilaceradas que esperam um coração cheio de compaixão, nas mãos calosas que desejam aconchego e alívio, nas lágrimas de quem quer contemplar uma aurora suave, que dê lugar a um dia cheio de luz sempiterna.  

O Advento é preparação para o Natal. Sem advento, isto é, sem abertura do coração a Deus, sem conversão da vida ao Deus que me quer encher de vida plena e de graça, sem aproximação ao irmão que devo amar, seja ele quem for, também o Natal não será Natal. Ou então será o que parece muitas vezes: uma época onde se cantam e ouvem músicas até ao fastio, uma festarola para troca de prendas de que não precisamos, um encontro de família porque é a tradição (sem qualquer ligação com o nascimento de Jesus, como muitas já fazem), um desperdício de ornamentação, com enfeites e luzes, uma repetição de rituais que não trazem nada de novo à vida, uma agitação que cansa e um frenesim sem alma.  

Advento é preparar o acolhimento de Deus, que me quer humanizar e salvar, no concreto da minha vida. Muitos batizados precisam de encontrar Deus no quotidiano da vida. No mundo em que vivemos, uma multidão de cristãos só o são de nome, porque alguém os levou e obrigou a cumprir a tradição religiosa, e quando questionados sobre ela, não a negam, mas depois vivem como se Deus não exista. No campo teórico, concordam com a existência de Deus e com as verdades da fé, mas, na prática, no dia-a-dia, esse Deus em quem dizem acreditar não lhes diz nada. Dizem crer em Deus, mas vivem sem Ele. Que sentido tem uma fé assim? É o ateísmo prático. No campo das intenções e das ideias, concorda-se com a fé e as suas disposições, mas depois não se dá importância nenhuma a isso na vida, vivendo-se ao sabor do que mais convém, do que mais interessa, do que é mais fácil, daquilo que o mundo dita e postula, numa serena e tranquila mundanização. Este tipo de ateísmo é altamente pernicioso para a fé, como o afirma Bento XVI: «No nosso tempo verificou-se um fenómeno particularmente perigoso para a fé: de facto, existe uma forma de ateísmo que definimos «prático», no qual não se negam as verdades da fé ou os ritos religiosos, mas simplesmente se consideram irrelevantes para a existência quotidiana, destacadas da vida, inúteis. Então, com frequência, cremos em Deus de modo superficial, e vivemos «como se Deus não existisse». Mas, no final, este modo de viver resulta ainda mais destrutivo, porque leva à indiferença à fé e à questão de Deus».

 

Muitos ditos cristãos, são cristãos culturais ou sociológicos. São cristãos porque o cristianismo é a religião social e há uma tradição cristã. Fizeram o percurso «habitual» na Igreja, mas foi um percurso sem convicção e a adesão do coração. A fé foi sempre encarada como algo a mais, que não importa muito. Não descobriram a beleza do Deus em quem dizem acreditar e não aprenderam a levá-lo para a vida. Chegada a adultez, renunciaram a uma vivência madura da fé e dão-lhe tanta importância como uma pedra da calçada, a não ser para as urgências onde o mundo se manifesta impotente. Deixam-se levar nas ondas de uma fé passiva, fria e incoerente.

 

Este tempo do advento é um tempo oportuno para darmos o devido espaço que Deus merece na nossa vida. Deus não poder ser só uma ideia ou uma teoria, ou um conjunto de crenças e valores. Deus é alguém que me convida para uma relação de amor, no concreto da minha vida e todos os dias da minha vida. Que me interessa uma fé ou um Deus que não dá uma forma e um sentido novo à minha vida, um Deus que não mexe com a minha conduta e com as minhas decisões e que não invade todos os aspectos da minha vida? Que valor tem uma fé que não leve ao compromisso efetivo e afetivo com a vontade de Deus? Não tenhamos ilusões: ser cristão de nome não vale nada. O próprio Jesus criticou severamente o formalismo e o exteriorismo que existia na religião judaica do seu tempo, sem um compromisso e uma entrega vivencial a Deus. Serve o mesmo aviso para os muitos ateus práticos que por aí andam.



publicado por minhasnotas às 15:45 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds