Sexta-feira, 23 de Novembro de 2012

No ano de 2009, o Papa Bento XVI, num discurso de felicitações natalícias a toda a cúria romana, manifestando inquietação face ao ateísmo e à indiferença religiosa atual, sugeriu a criação de um «átrio dos gentios», um espaço de diálogo entre crentes e não crentes, uma nova estrutura de investigação, encontro, participação e reciprocidade encaminhada para um enriquecimento comum, uma janela aberta sobre o vasto, múltiplo, inquieto e rico mundo da cultura contemporânea, nas palavras do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

            Após algum tempo de ponderação e reflexão, o Conselho Pontifício da Cultura, no ano de 2011, lançou a iniciativa em algumas cidades europeias, fomentando o encontro, a partilha e o diálogo entre crentes, ateus e agnósticos, sem intuitos de querer converter ninguém, mas procurando compreender melhor outras visões da vida e do mundo, encontrar pontos de união e de convergência, escutar quem pensa diferente, aprofundar o conhecimento mútuo, sanar mal-entendidos, possibilitar uma melhor compreensão da mundividência cristã, abrir caminho aos que andam à procura de Deus. Por estes dias, chegará a Braga e a Guimarães, mais concretamente nos dias 16 e 17 deste mês, centrado no Valor da Vida.

            De onde vem o nome da estrutura? O átrio dos gentios (todos os povos não judeus que não tinham o conhecimento e a fé em Deus, povos pagãos) era um espaço (pátio) do antigo templo de Jerusalém, onde todos podiam aceder livremente, independentemente da sua religião, cultura e língua (quem não era judeu não podia aceder às outras partes do templo). Os sacerdotes e os escribas detinham-se ali a dialogar com todos os estrangeiros que queriam conhecer melhor a fé do povo judeu.

            Com esta estrutura, que tem sido um “espaço de diálogo entre crentes e não crentes sobre os grandes temas: a verdade, a justiça, o direito, a arte, o amor, a morte, a palavra sagrada das tradições religiosas, a transcendência, a ciência, o mal, a dor”, a Igreja Católica manifesta abertura, tolerância e capacidade de escuta. É de salientar. É bom ver a Igreja quebrar o autoritarismo, a rigidez, o fechamento, a intransigência, o pretensiosismo e, até certo ponto, a arrogância de outros tempos, que nunca deveriam marcar a sua postura na terra dos homens, na opinião de algumas franjas da sociedade. O não crente deixou de ser anátema e condenado à perdição e passou a ser o parceiro de diálogo e de partilha, como sempre deveria ser visto, no respeito pela sua liberdade.

Pessoalmente, não acredito nos crentes e nos não crentes que não têm dúvidas e que não questionam aquilo em que acreditam ou não acreditam. Ou é cegueira ou comodismo. Um crente que não questiona permanentemente a sua fé (entenda-se, não no sentido de pôr em causa a fé, mas de acreditar melhor e aprofundar os princípios da fé) é um fraco crente. Acreditar é pôr-se a caminho, é ser peregrino de um mistério que se vai dando a conhecer aos poucos, que exige busca contínua, quer intelectualmente, quer espiritualmente. O próprio Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura reconhece-o: «A própria fé - ponto crucial - necessita de diálogo e dinamismo, não só para se aprofundar e saber dar razão dela mesma, mas também para fazer-se permeável e depurar-se de toda a rigidez, de todo o fundamentalismo, de toda a posição deduzida e já incapaz de fecundidade pelo espírito». Crentes e não crentes têm muito a ganhar com esta plataforma de diálogo que a Igreja criou. Uns perceberão as incoerências e as lacunas da sua fé e a necessidade de mais reflexão e fundamentação. Outros perceberão o sem sentido e a inconsistência do seu pensamento e a vacuidade da sua visão da vida, mas também que não estão assim tão longe de Deus como pensam. Ao mesmo tempo, perceberão que não têm de se odiar ou evitar e que podem conviver e estabelecer compromissos para a edificação de uma humanidade mais justa e solidária, no respeito pela casa comum e pela dignidade da pessoa humana.



publicado por minhasnotas às 10:46 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds