Quinta-feira, 27 de Setembro de 2012

A figura do padre sempre suscitou muitas conceções, interrogações e interpretações ao longo dos tempos, pelo facto de apelar para alguém invisível e se revestir de um carácter sagrado não acessível ao comum dos mortais, sempre gerador de espanto, curiosidade e mistério. Para muitos, é o «homem da humanidade», que ensina e testemunha supinamente os valores humanos, que ensina os princípios, os comportamentos e os sentimentos mais nobres e magnânimos de que se deve revestir o ser humano, na fidelidade ao «projeto humano» de Deus. Para outros, é o «homem de Deus», que tem por missão ser ponte para a relação e a comunhão com Deus, sendo evangelizador e indicando caminhos, posturas e atitudes para o encontro com o mistério divino, pelo qual anseia o coração humano. O padre é uma simbiose do humano e do divino, por obra de Deus. Mas até onde vai o humano e o divino? O padre nunca deixa de ser homem, é verdade, mas também já não é só homem. A sua natureza e a sua identidade foi indelevelmente enriquecida e alterada por Cristo, que o habita. O seu ser foi assumido pelo ser de Cristo. É representante e imagem, não no sentido de substituição, mas de visibilidade, do sacerdote por excelência, Jesus Cristo, sem perder a sua humanidade. Um padre não é um anjo, mas também já não é só homem, é eternamente sacerdote com e em Cristo, participando do seu sacerdócio. O seu ser passou a ser o ser de Cristo, dentro da sua frágil humanidade.

Nem sempre esta realidade mais profunda é devidamente captada e entendida por muitos cristãos. Daí nasceu uma frase feita, que por aí anda: "O padre é padre na igreja, mas fora da igreja é um homem como os outros". É um disparate. O ser padre não é um capote que se põe e se tira e que se gere conforme as conveniências. O ser homem e o ser padre estão intimamente unidos e são inseparáveis. O padre é sempre padre. O seu ser está intimamente configurado com Cristo. Não tem outra maneira de ser, nem pode ser outra coisa. O padre é e será sempre sacerdote de Cristo, onde quer que se encontre, porque o seu ser é o ser de Cristo. Esta é a sua única realidade e não há outra. Se fossemos coerentes com aquela frase feita, também teríamos de admitir que um homem casado só é casado dentro de sua casa, na praça pública é um homem solteiro, ou que um patrão só é patrão dentro da empresa, fora da mesma está ao nível dos empregados, o que não é verdade, certamente. Para não provocarmos o sorriso ou a perplexidade nos rostos dos padres, já é tempo de se corrigir este dislate, que, infelizmente, se ouve vastamente, o que revela uma irreflexão picaresca de muitos cristãos e não cristãos. D. Manuel Clemente, Bispo do Porto, dizia aos ordenandos, nas últimas ordenações: "A quem vos disser que “tendes de ser como os outros”, respondereis redondamente que não, porque preferistes ser para os outros, como Cristo o foi e continuará a ser através de vós. A quem vos disser que “o padre há de ter a sua vida, como toda a gente tem direito a tê-la”, respondereis que não, pois vos desapossastes de vós, para que Cristo vos preencha inteiramente com a sua vontade e o seu afeto, assim chegando a todos os que precisam, sobretudo aos que menos são queridos e amados".

Outra frase feita, que amiúde se intromete com pirraça nas conversas e debates onde padres estão presentes, é: "Olhai para o que eu digo e não para o que eu faço". Outro desconchavo. Se alguém aceita que assim seja, aceite, e há quem aceite. Mas não tem o mínimo cabimento com o padre, nem com qualquer outra pessoa. O padre tem o dever e a obrigação moral de ser o primeiro exemplo daquilo que ensina. Só assim é verdadeiro pastor e uma referência para os seus paroquianos ou para os fiéis da Igreja em geral, apesar de todos sabermos que ninguém está imune de ter falhas e cometer incongruências. Mas dizer-se, com uma serenidade alarmante, que se pode andar a dizer uma coisa e depois fazer o seu contrário, é uma afronta à consciência e à verdade da vida. Tem de existir unidade de vida, seja na vida do padre, seja nada vida de qualquer outra pessoa, entre a palavra e os atos, sob pena de não se ter credibilidade nenhuma e não se merecer o respeito de ninguém e, no caso do padre, ser um grave atentado à reta vivência do ministério que assumiu. Como é que um pai educa, se faz o contrário do que ensina? Como é que um professor educa e incentiva, se pela sua vida testemunha o oposto? Sabemos, por experiência, que o mundo valoriza mais o que se é e faz do que aquilo que se diz e leva a sério o que se diz, se se faz. Por isso, há que unir o dizer e o fazer, numa coerência inabalável de vida. E não só para o padre, mas para todo o cristão. Já há algumas décadas atrás, o Cardeal Cerejeira se espantava: "Prova-se aritmeticamente que, ou os católicos não são a grande maioria que dizem, ou então a maioria é constituída pelo menos de… poltrões. Há cristãos que servem só para desacreditar a religião que professam. São, pela sua vida, os caluniadores de Cristo. A vida de muitos cristãos resume-se a pouco mais do que isto: comeram e não fizeram mal a ninguém”. 


tags:

publicado por minhasnotas às 22:43 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds