Segunda-feira, 11 de Junho de 2012

O Papa Bento XVI, na sua mensagem para o dia Mundial das comunicações sociais, 20 de Maio, resolveu, mais uma vez, surpreender: propôs a valorização do silêncio. Assim à primeira vista, parece um pouco descabido e até provocador. Quem habitualmente comunica, quer aprender técnicas e estratégias de comunicação e melhorar o uso da palavra. O silêncio é, muitas vezes, encarado como não comunicação ou comunicação pobre. Quem já não viu jornalistas atónitos e embaraçados diante do silêncio dos seus interlocutores? Os blackouts, por norma, geram nervosismo e mal-estar na comunicação social. Mas também é verdade que o excesso de palavra, sem escuta e reflexão, pode ser não comunicação e um ruído estridente que irrita e ensurdece. Por isso é importante o silêncio, para a escuta e a reflexão. Sem o silêncio, para se dar espaço ao outro e para se dar algum conteúdo ao que se diz, a comunicação torna-se uma palração angustiante e um falatório inútil e maçador. Diz o Papa, de forma eloquente: «O silêncio é parte integrante da comunicação e, sem ele, não há palavras densas de conteúdo. No silêncio, escutamo-nos e conhecemo-nos melhor a nós mesmos, nasce e aprofunda-se o pensamento, compreendemos com maior clareza o que queremos dizer ou aquilo que ouvimos do outro, discernimos como exprimir-nos. Calando, permite-se à outra pessoa que fale e se exprima a si mesma, e permite-nos a nós não ficarmos presos, por falta da adequada confrontação, às nossas palavras e ideias. Deste modo abre-se um espaço de escuta recíproca e torna-se possível uma relação humana mais plena. É no silêncio, por exemplo, que se identificam os momentos mais autênticos da comunicação entre aqueles que se amam: o gesto, a expressão do rosto, o corpo enquanto sinais que manifestam a pessoa. No silêncio, falam a alegria, as preocupações, o sofrimento, que encontram, precisamente nele, uma forma particularmente intensa de expressão. Por isso, do silêncio, deriva uma comunicação ainda mais exigente, que faz apelo à sensibilidade e àquela capacidade de escuta que frequentemente revela a medida e a natureza dos laços».

 

Vivemos numa cultura em que se usa e abusa da palavra. Há pressa em dizer alguma coisa, por mais banal que seja. Toda a gente quer expressar opiniões e não se foge ao atrevimento de falar de tudo, como se de tudo se soubesse. Vivemos na feira das opiniões. Sabe-se de tudo e não se sabe de nada. Muitos andam sempre a correr para contar a última novidade. Passam-se horas e horas no Facebook e no twitter. Dizer e falar a toda a hora, nem que sejam futilidades, tornou-se um passatempo (não estou a dizer que no Facebook só há futilidades, longe disso). Mas, tudo bem prensado, pouco se diz e o que se diz vale pouco. E assim acontece porque não vivemos numa cultura que privilegia o silêncio activo e contemplativo, a escuta e a reflexão. A vida é vivida, a toda a hora, com um ruído de fundo, seja um rádio, uma televisão, conversas frívolas, uns auscultadores nos ouvidos. A nossa comunicação, tanto social, como individual, acaba por ser, maioritariamente, monótona e vazia, salvo raras excepções. Comunica-se e fala-se muito para se ir passando o tempo, sem grande substância, exigência e vontade de proximidade. 

 

Noutros tempos, não tínhamos os meios de comunicação que hoje temos. Comunicava-se pouco, mas cada vez que se fazia, comunicava-se algo verdadeiramente significativo. Os meios eram pobres, mas a mensagem era rica e valorosa. Quando se falava, falava-se pela certa e não se perdia tempo na tagarelice oca. Agora temos muitos meios de comunicação, tão práticos, rápidos e eficientes, que de alguma forma nos pressionam a comunicar, mas a comunicação, em grande parte, é vã e pobre. Acaba por ser uma torrente de banalidades e de insignificâncias, que pouco ou nada traz à vida, não esquecendo, claro está, quem comunica bem e com equilíbrio. Comunicar tornou-se um entretenimento, até quase um jogo.

 

Hoje em dia, somos bombardeados com informação a toda a hora, de todos os quadrantes. Há um recurso exagerado à palavra e não se dá o devido tempo para se assimilar e sintetizar o que se informa e comunica. A informação é uma espécie de furacão permanente, que não dá tempo para arrumar nada e que a toda a hora nos quer manter suspensos e engolidos na sua voracidade. Não se dá tempo para se criar um verdadeiro distanciamento em relação à informação e promover uma séria reflexão e crítica a essa mesma informação, correndo-se o risco de a informação não informar, mas desinformar, manipular, mas não formar, entreter, mas não comunicar. «Quando as mensagens e a informação são abundantes, torna-se essencial o silêncio para discernir o que é importante daquilo que é inútil ou acessório» e «é necessário criar um ambiente propício, quase uma espécie de «ecossistema» capaz de equilibrar silêncio, palavra, imagens e sons», afirma Bento XVI.

 

Precisamos de redescobrir o silêncio. É o bálsamo que está a fazer falta à nossa vida moderna e à vida de muitas pessoas. A nossa cultura divorciou-se do silêncio. Temos hoje uma cultura do entretenimento e do ruído e parece que já não conseguimos viver sem eles a toda a hora, o que é mau. Prova disso, é a experiência que muitas pessoas nos contam da sua visita a conventos ou mosteiros: aquele ambiente para elas era escabroso e insuportável. Dar valor ao silêncio não é torna-se monge. É saber viver a vida com equilíbrio. Sem o devido silêncio que nos ajude a «pesar» a vida e suas experiências, viveremos uma vida muito ao sabor da espuma sem vermos as maravilhas da profundidade, seremos balões nas mãos de feirantes oportunistas e seremos pessoas sem densidade, mergulhados numa vida superficial. Sem silêncio teremos sempre muito pouco para dizer, já que comunicar é muito mais exigente do que pode parecer, e se se é crente muito mais: «Educar-se em comunicação quer dizer aprender a escutar, a contemplar, para além de falar; e isto é particularmente importante para os agentes da evangelização: silêncio e palavra são ambos elementos essenciais e integrantes da acção comunicativa da Igreja para um renovado anúncio de Jesus Cristo no mundo contemporâneo». 


tags:

publicado por minhasnotas às 12:30 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds