Segunda-feira, 28 de Maio de 2012

Já aqui escrevi algumas vezes sobre a mais que questionável educação e formação que se dá hoje às crianças e aos jovens e sobre o divertimento fútil e ultrajante que lhes é promovido. Vou de novo retocar o tema. Lançou-se o esconjuro sobre o velho método de ensino e sobre a organização familiar tradicional, que, na opinião de muitos, estavam prenhes de defeitos e preconceitos, e deu-se ordem de marcha ao «novo método de ensino», mais moderno e versátil, e a uma «nova forma de ser família», diluindo-se a autoridade paterna. Conclusão: o ensino anda num reboliço desde o 25 de Abril e a crise da família é patente, arrastando consigo, como não podia deixar de ser, a crise da sociedade. Anos e anos de experimentalismo pedagógico e familiar, com grande prejuízo para algumas gerações, apesar de serem notórias algumas coisas acertadas. O que se fazia antigamente podia ter alguns defeitos, mas também tinha muitas virtudes. Retirar a autoridade ao professor e ao pai foi um erro crasso, e quando digo autoridade não é o mesmo que autoritarismo, que, infelizmente, também existia. Antigamente, os papéis estavam devidamente definidos. O professor mandava na escola e ensinava, o aluno aprendia e cumpria, e o professor não só ensinava, mas era exemplo de valores humanos e sociais. Os pais disciplinavam e educavam e os filhos obedeciam e cresciam. Certamente que não era o sistema perfeito, mas uma coisa era clara: sentia-se a responsabilidade e a missão de formar o outro, a quem era preciso ensinar a ser pessoa e a viver como pessoa e a desenvolver as suas capacidades, por palavras e pelo exemplo, e assumia-se sem rodeios a autoridade, com toda a sua exigência. Na família, o pai era a principal referência, real e simbólica, da autoridade. Impunha balizas e traçava linhas para que os filhos pudessem crescer de forma saudável e responsável. Os pais eram presença assídua e competente, sem protecionismo, junto dos filhos, para os ajudar a crescer, como é sua missão.

Nas últimas décadas, empenhámo-nos em demolir o conceito de autoridade e em  amaldiçoar tudo o que cheire a proibição e a imposição. Mudámos de paradigma: se antes os filhos se empenhavam em agradar aos pais, porque os pais é que sabiam da vida, agora são os pais que se empenham em agradar aos filhos, possibilitando-lhes todo o conforto e bem-estar e proibindo o menos possível, não vão os filhos ficar com traumas e viver amargurados. Tudo isto é verificável nos últimos acontecimentos que envolvem jovens (em Espanha, o excesso de noitadas e abuso de álcool) e no contacto que temos diariamente com eles: há uma crescente infantilização, sobrevalorizando-se a diversão (parece que não se consegue viver sem prazer a toda a hora, a vida tem de ser um recreio permanente), em prejuízo da maturação nas diversas vertentes da vida, não sabendo discernir devidamente o que é correto e o que não é correto ou o que merece respeito e o que não merece respeito. Os jovens, hoje em dia, não crescem com limites e com disciplina e nadam num lamaçal de valores e princípios. Muitos pais, atualmente, não são pais. São meros assistencialistas dos filhos, a quem tentam desagradar o menos possível, transportando-os para uma redoma, que os faça viver longe da verdade e da dureza da vida. O menino e a menina e as suas vontades são o centro da família. É preciso que os pais (pai e mãe) recuperem a sua missão e a sua autoridade responsável muito rapidamente. Corremos o risco de termos algumas gerações que não sabem assumir responsabilidades e que não sabem estar na vida. Os pais têm de recuperar a autoridade. O termo autoridade deriva do latim auctoritas (modelo, exemplo. Daqui nasceu a afirmação «ter autoridade», que significa que pode servir de modelo para os outros, pela sua boa conduta. «Não ter autoridade» significa não servir de exemplo para os outros, devido à sua má conduta), que vem, por sua vez, de auctor, derivado de augere, que significa aumentar, fazer avançar, fazer crescer, acrescentar, ajudar a ser maior.  (Daqui também veio autor - o instigador, a causa, a origem, aquele que lançou e fez nascer uma ideia ou um projeto). Os pais têm de ser verdadeiros educadores. Têm de ser auctoritas, exemplos, por palavras e atos, que ajudem os filhos a crescer intelectualmente, humanamente e moralmente, modelos que eduquem os filhos para a autonomia e para a responsabilidade, e sê-lo de forma próxima e competente. Têm de saber dizer sim e dizer não, apontando valores, limites e colmatando as debilidades do crescimento integral dos filhos.

Anda por aí espalhada a ideia de que os pais devem ser «amigos» ou «companheiros» dos filhos, preocupados única e exclusivamente em dar amor aos filhos. Certamente que o serão numa fase mais avançada dos filhos, sem nunca deixarem de ser pais. Mas só amor não chega. Também é preciso autoridade que aponte o bem e o mal e que aponte caminhos para uma reta humanização. Até que os filhos atinjam a maturidade, é necessário que sejam educadores (do latim, alimentar com princípios e valores ou elevar, fazer crescer como pessoa), porque ser amigo não educa. O amigo consente e não impõe. Em alguns pais, inclusive, é gritante o alheamento da educação dos filhos, empurrado esse missão para a escola. Mas esta não pode fazer tudo. Os primeiros e principais educadores são os pais. Até há o cúmulo de pais que não sabem em que ano da escola os filhos andam. Muitos dos problemas de educação que enfrentamos na escola e na sociedade, com alguma incidência na criminalidade e na agressividade que todos os dias constatamos, deve-se à demissão de muitos pais da sua missão e principal dever de educar. Há que retomar o valor da autoridade dos pais no seio da família.


tags:

publicado por minhasnotas às 19:15 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds