Quarta-feira, 16 de Maio de 2012

Neste ano de 2012, muitas famílias portuguesas já estão a sentir os efeitos avassaladores da crise económica, financeira, social e cultural que se estende um pouco por todo o mundo, de forma mais evidente na América e na Europa. Sempre se foi vivendo na desconfiança de que ela nunca viria a sério, que tudo não passava de uma ameaça do mundo da fantasia ou era jogo de palavras entre políticos e economistas habilidosos na trama política. Mas, afinal, sempre veio. Parece uma torrente desgovernada e impiedosa que quer levar tudo e todos na frente. Todos, todos, talvez não. Alguns saberão sempre escapar. Nas conversas, o queixume, a revolta e a resignação dominam. Uns ameaçam assim, outros propõem assado, «casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão». O desespero e a aflição começam a entrar na casa de muitas famílias, sem terem pedido licença. Em parte, muitas pessoas também têm culpa. Ninguém as obrigou a celebrar contratos e a contrair empréstimos e créditos, por mais que digam que as influenciaram ou obrigaram. Não cabe na cabeça de ninguém ir de férias a crédito. Quem não tem dinheiro não tem vícios. Com criatividade, podem-se arranjar outras soluções. Viver a vida, lançando sempre as facturas para o futuro, é viver sempre no risco e no mar da irresponsabilidade. A vida muda num instante e com muita facilidade, de modo que se devem dar passos seguros e prudentes. Nós, portugueses, também temos muita culpa, porque ainda não exercemos uma cidadania ativa e madura. Desde que o nosso bem pessoal esteja assegurado e o Estado nos dê um bom salário ou uma boa reforma, calamo-nos e não nos preocupamos com o rumo do país e se o governo está a governar bem ou mal, se é responsável e justo com todos. Mas a maior culpa de toda esta crise é de um bom grupo de políticos que não soube gerir dinheiro fácil e de um obscuro poder económico e financeiro, de capitalismo selvagem, de mãos invisíveis, que montou, e ainda tem montado, um cerco obsceno e imoral de sorver lucros e mais lucros a todo o custo. E, pelos vistos, ainda não há vontade política para pôr cobro à sua bulimia. Porque será?

Algumas pessoas, profundamente abatidas e com os olhos lacrimejantes, já vão dizendo que, daqui a nada, não lhes resta outra coisa senão roubar para sobreviver.  É terrível ouvir isto, quando cheio de verdade. Daí a minha pergunta: é legítimo roubar por necessidade extrema? Certamente que é. Mas é preciso enquadrar e compreender bem. Longe de mim incentivar a roubar. Quero sobretudo explicar a «legitimidade» e dar um contributo para que ela não aconteça. Porque é legítimo roubar em extrema necessidade? Porque a vida é o valor supremo e absoluto que Deus nos deu. Tudo gira à sua volta e nada está acima dela. Valorizar e preservar a vida está acima de tudo, nem que para isso se tenha de transgredir a lei e a moral, sem grave dano para o outro. Mas calma. Não interpretar estas palavras com ligeireza. Diga-se, antes de mais, que roubar é sempre um ato feio e reprovável, como nos lembra o sétimo mandamento da lei de Deus. Em primeiro lugar, temos de promover um sistema social que impeça este ato de desespero. A Igreja Católica, no número 2407 do seu catecismo, diz assim: «Em matéria económica, o respeito pela dignidade humana exige a prática da virtude da temperança, para moderar o apego aos bens deste mundo; da virtude da justiça, para acautelar os direitos do próximo e dar-lhe o que é devido; e da solidariedade, segundo a regra de ouro e conforme a liberalidade do Senhor, que sendo rico se fez pobre, para nos enriquecer com a sua pobreza». Temos de construir uma sociedade onde prevaleça a justiça e a solidariedade e onde todos estejam dispostos a dar o seu contributo - entenda-se, trabalhar - pelo bem comum de todos.

E se a justiça e a solidariedade não chegarem a todos, lançando-se muitos no esquecimento e no desprezo? As pessoas têm de sobreviver. A resposta da Igreja, no número 69 da Constituição Gaudium et Spes, é taxativa: «Todos têm o direito de ter uma parte de bens suficientes para si e suas famílias. Assim pensaram os Padres e Doutores da Igreja, ensinando que os homens têm obrigação de auxiliar os pobres e não apenas com os bens supérfluos. Aquele, porém, que se encontra em extrema necessidade, tem direito de tomar, dos bens dos outros, o que necessita». Existindo uma manifesta recusa de partilha de bens por parte dos outros e uma necessidade urgente e evidente, como alimento, vestuário ou abrigo, há legitimidade para se dispor dos bens do outro ou dos outros. Mas atenção: no caso de extrema necessidade e para bens de primeira necessidade. Não é e nunca será legítimo roubar para se adquirir bens supérfluos ou para satisfazer caprichos, ou guiado pelo princípio insuficiente «também tenho direito como os outros». Ainda há dias a imprensa noticiou que o prejuízo de roubos em hipermercados já vai em 100 milhões de euros. A grande maioria dos roubos tem a ver com cosméticos e tecnologia. Não são bens de primeira necessidade. É mesmo roubar e ninguém tem o direito de usurpar bens alheios. Assim como não é permitido roubar por se recusar a trabalhar. As pessoas têm de aprender a construir uma vida digna e a saber ganhar honestamente dinheiro para o seu sustento. E, se mesmo isto não for possível - atenção que em Portugal ainda não estão esgotadas todas as possibilidades de trabalho, parece que anda por aí uma alergia ao trabalho - há que solicitar a ajuda do Estado e se este manifestar indiferença, há que recorrer à ajuda da família e dos amigos. Não é vergonha pedir ajuda e quem ajuda não está a fazer um favor, está a cumprir o seu dever. Todos somos responsáveis uns pelos outros. Se todas estas possibilidades se esgotarem, então aí, sim, é que entra a legitimidade de roubar para sobreviver. Mas nunca esquecendo que este princípio não é motivo para a malandrice e a vadiagem, de forma continuada e obstinada. Justifica-se «num caso» de necessidade urgente, para bens essenciais. Há que procurar sempre uma forma mais digna e justa de viver.

2. Vamos entrar no mês de Maio, um mês com algum significado na piedade popular, dedicado a Nossa Senhora, mãe de Jesus e da Igreja. Muitos chamam-lhe o mês de Maria. Mas é mais do que o mês de Maria. É mais correto chamar-lhe o mês do Espírito Santo, figura bem mais importante do que Maria na fé e na espiritualidade cristã, devido à festa de Pentecostes, que habitualmente se celebra no mês de Maio. É a festa do Espírito Santo, é a festa da Igreja. Maria é uma figura importante na fé cristã, logo a seguir à Santíssima Trindade. Convém nunca esquecer que ela era uma simples mulher de Nazaré, que foi chamada por Deus a dar um contributo valioso na história da salvação: ser mãe de Jesus. Chamamento a que ela respondeu admiravelmente. Por ser mãe de Jesus e pela magnanimidade que manifestou ao longo de toda a sua vida, certamente que mereceu um lugar especial junto de seu Filho, no Céu. Mas não deixou de ser a mulher simples e humilde de Nazaré. Maria não é nenhuma deusa. Se bem se lembram, no meu último artigo alertei para a reta devoção aos santos e apresentei-os como caminhos para chegarmos a Cristo. Maria também é isso mesmo: um caminho para chegarmos a Cristo, possivelmente o mais belo e encantador. Não é mais do que isso. Anda por aí espalhado um endeusamento difuso de Maria, até quase idolatria, muito virado para o milagreiro, que é inaceitável. Repito: o centro da fé cristã é Cristo e tudo gira à sua volta. A nossa devoção a Maria é para chegarmos a Cristo. Não faz sentido um culto a Maria sem Cristo e a Igreja. É um grave erro de fé. Fico de boca aberta quando ouço cristãos a dizerem «Maria é a minha grande devoção e fé», ou «Nossa Senhora de Fátima, para mim,  é tudo». Como é que é? Qual tudo? O Tudo é Cristo, não é Maria. Muito para esta grave distorção contribui Fátima e fenómenos como Fátima. A nossa história está cheia de aparições. É preciso filtrar as aparições, que não são dogmas de fé, ou seja, verdades inquestionáveis em que se tem de acreditar. Cada um é livre de acreditar ou não acreditar. Mas acreditar em Fátima, esquecendo Cristo e a Igreja é inadmissível. A verdadeira aparição foi a vinda do Filho de Deus à terra. É essa que deve orientar a nossa vida. Não saber integrar «outras aparições» nesta, é virar a fé do avesso e arrastar a fé para caminhos muito duvidosos.


tags:

publicado por minhasnotas às 10:28 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds