Segunda-feira, 7 de Novembro de 2011

 

Ainda é noite. De rompante, dá-se um pulo da cama, sentido-se perpassar pela mente o pensamento de porque é que noutros dias é tão difícil fazê-lo. Deixa-se a resposta para outro dia. Vem-se à janela e facilmente se perscrutam o sono profundo e o silêncio denso que tomam conta do mundo, que, não demorará muito, serão atraiçoados. Uma lufada de ar matinal saúda-nos e faz-nos sentir o primeiro arrepio. Está consumado o despertar.

Tomado pela urgência e pela excitação, o caçador, num estalar de dedos, está pronto. Quando se tem motivação, nada custa, tudo é rápido. Um após outro, começam a chegar todos ao ponto de encontro, normalmente um café, alguns já refeitos de uma noite mal dormida, outros ainda a bocejar, com ramelas nos olhos humedecidos, ainda atordoados por um sono severamente interrompido. A alvorada, timidamente, vai-se aproximando, empurrando a escuridão da noite. 

Os cães estão impacientes. Enfileirados junto à rede das barracas das carrinhas e dos reboques, vão soltando gemidos e ladros vagos e secos, com os olhos fixos na porta do café. Alguns mais ranhosos põem um pouco de ordem na matilha e marcam a sua posição. Sem eles, a caça seria impossível. Já lá vai o tempo em que se dava um pontapé numa carqueja ou numa urze e se levantava um coelho ou uma lebre. Agora, sem meia dúzia de cães bons, dificilmente se dá ao gatilho.

Após a primeira reunião geral, por norma curta, para a definição do lugar da caça, os caçadores lançam-se, frenéticos, à estrada. A esperança que os domina é a de terem um dia bem passado, desligado das agruras e martírios do dia-a-dia, adornado com surpresa, aventura, convívio, adrenalina, diversão e partilha.

Chegados aos montes, não há tempo a perder, já o sol vai estendendo os seus raios pelo horizonte e começam-se a ver aos poucos pequenos fios de vapor da humidade que se despede do chão da terra. Colocam-se os últimos apetrechos, labor mais demorado para os que vão cortar mato. Os cães saúdam-se em grande algazarra e frenesim. Com alguma meticulosidade, investigam-se os tourais e os feitios dos coelhos. Alguém atira: «estão frescos». Paulatinamente, cada caçador dirige-se para um posto, uma encruzilhada ou um penedo bordado com líquenes secos. Começa a caça.

Subitamente, faz-se silêncio. Às primeiras ordens, submissos, os cães irrompem no matagal acidentado, composto de tojos, urzes, carquejas e fetos definhados. Guiados pelos donos e pelo vício, batem todos os cantos. Um ou outro está mais agitado. Há rasto fresco. Não demora muito, surgem os primeiros latidos dos cães. Levantou-se um coelho. Os caçadores aprumam-se e colocam a arma em riste. Ouve-se um tiro. Não caiu. O mesmo caçador avisa: «vai aí para cima», outro informa: «vai acolá, já passou ali». O coelho, esquivo e veloz, faz pela vida, percorrendo os trilhos escondidos no mato. Após uns instantes, ouve-se um tiro e mais um. O coelho tombou. Orgulhosamente, o caçador exibe-o e coloca-o à cinta. Dois ou três cães chegam um pouco depois, no rasto do coelho. Alguns dispersaram-se. Outros chegam mais tarde. Compreende-se. O tempo vai seco, o que não favorece a perseguição aos coelhos. Ainda assim, dever cumprido.

Parte-se para outro. Depois do primeiro alvoroço, retoma-se o fio à meada. Os cães já desapareceram de novo no matagal. Após alguma acalmia, a meio de um giestal, um cão assinala outro coelho, parecendo que alguém lhe pisou uma pata. Os outros acorrem. Gera-se o tumulto. Os caçadores ficam hirtos, com as armas a meia haste, um ou outro usando mímica para se posicionarem melhor. Mas, lentamente, o ruído começa a diminuir. Os cães andam meios perdidos. Ninguém viu o coelho. Já todos sabiam a sentença: o coelho entocou-se nuns penedos, que mal se viam no meio do matagal. Contudo, o cão que o viu continuava de nariz no chão, batendo todos os cantinhos, correndo atrás e à frente, e mesmo após a insistência do dono para que retomasse a matilha, ainda teimava em lançar mais uma espreitadela e mais uma farejada, e foi com alguma frustração que abandonou o giestal.

O que se passou com aquele cão? Aquele cão viu o coelho e os outros não o viram. Por isso, foi o último a sair dali. Ele fez uma experiência que mais nenhum cão fez. Do alto da penedia onde me encontrava, enquanto contemplava aquele cão teimoso, dei por mim a pensar na trama da vida. «A vida é assim». Tudo na vida é um pouco assim. Nos negócios, nos amores, na amizade, nas opções fundamentais da vida. Uns descobrem e teimam, outros são espectadores e desistem. O quanto nos faz falta «ver». Há pessoas audazes, ousadas, determinadas, resolutas, visionárias e optimistas, que se lançam à vida e a agarram com toda a força e vivem intensamente. Procuram-lhe as surpresas e nunca mais a largam. Outras pessoas, limitam-se a ir atrás delas. Usando a imagem da caça, há pessoas que procuram o coelho com tenacidade e, quando o encontram, nunca mais o largam. Outras, vão atrás do «latido» de quem o descobriu, mas rápido desistem porque não o viram, nem se importaram em vê-lo. Ao ouvirem outro latido, correm para lá, assarapantadas. O quanto lhes faz falta «ver».

Há cristãos que não se limitam a ouvir falar de Deus, ou se quisermos, de Jesus Cristo. Vão à procura dele. Rezam, estudam, lêem, vivem a vida da Igreja, aplicam-se em cursos de formação, perdem horas diante do Santíssimo, dedicam-se aos outros e às causas sociais sem exibicionismo, buscam direcção espiritual, perfilham problemas e dificuldades. De tal maneira o vêem, que já dificilmente o largam. Como a experiência que fazem de Deus é intensa e profunda, já não vivem sem Ele, porque estão a vê-lo. Os santos são assim. É por isso que chamam atenção e marcam as pessoas com quem vivem e o tempo em que vivem. Outros cristãos, satisfazem-se com o ruído dos outros e com aquilo que os outros lhes dizem, deixando-se ir atrás deles, a boiar na rama da vida, papagaios de papel sujeitos aos ventos das modas e dos apetites. Acreditam porque os outros acreditam, sem saberem bem em quê, dão meia dúzia de escapadelas à catequese e à Igreja, esvaziam os sacramentos com diversão, contentam-se com os mínimos, não entram no mistério. Acaba tudo por ser feito a contragosto e não demorará muito, começam a lançar-se no mar das desculpas para tudo o que não fazem e demitem-se ou até abandonam. É este o problema de muitos cristãos, ou que se dizem cristãos. Faz-lhes falta «ver». Mas também não querem ver. Se se empenhassem em aprofundar a sua fé e em conhecer e descobrir Jesus Cristo, na Igreja, como seriam diferentes. Assim, são cristãos por arrastamento, vão atrás dos outros, acreditam no que os outros acreditam e porque os outros acreditam, vão onde os outros vão, mas tudo é vivido muito superficialmente, sem entrega, sem convicção, sem coração, sem alma. Acabam por ser cristãos desinteressantes, amorfos, medianos, sensaborões, estiolados.

O dia chega ao fim, começa o sol a recolher o seu calor e a sua luz e a esconder-se atrás dos montes. Caçadores e cães estão exauridos. Alguns coelhos tiveram o seu último dia de vida. Outro dia há mais. Agradeço a Deus por vir da caça com mais lucidez e pedindo-lhe que me mostre o seu «rosto», porque se não o «vir» fico perdido.



publicado por minhasnotas às 16:42 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds