Quarta-feira, 12 de Outubro de 2011

Começou um novo ano escolar. Com entusiasmos renovados e expectativas embebidas de optimismo, professores e alunos deitam mãos à obra e tornam-se companheiros de jornada. Para que o ano corra bem, é preciso reunir meios, que começam a ser menos, pelos vistos, é preciso conjugar o esforço de todos para se atingirem as metas traçadas, numa harmoniosa interacção entre todos os agentes envolvidos, mas, sobretudo, é preciso (e quantas vezes nos esquecemos disto) adoptar uma boa conduta e construir relações maduras e saudáveis entre todos. Sem qualquer snobismo de moralista, deixo aqui um conjunto de valores, que, na minha modesta opinião, devem ser observados e vividos na escola, no conteúdo e na forma, para que esta cumpra a sua missão e os seus objectivos: a aquisição de saber e formação dos alunos e a realização dos professores. Certamente, não proponho nenhuma novidade, mas recuperar o essencial é sempre bom.

Humildade. A escola é um espaço onde todos devem entrar com a vontade de aprender, abertos a uma lógica de dar e receber. Ninguém é assim tão sábio, que não tenha algo a aprender e ninguém é assim tão ignorante, que não tenha algo a ensinar. Evitar, por isso, a fanfarronice oca e a sobranceria arrogante. Saber ouvir a todos é fundamental, não se desperdiçando nenhuma centelha de sabedoria.

Respeito. Cada pessoa que faz parte da escola, seja ela quem for, porque é pessoa, merece ser respeitada. Respeito que se estende à maneira de ser, às convicções e aos valores de cada uma. É lamentável que se diferencie as pessoas pela sua origem ou pelas suas posses. Dificilmente se pode ensinar algo a alguém que não se sente amado ou que se sente diminuído aos olhos dos outros. Há que identificar preconceitos e ultrapassá-los e estabelecer relações de confiança e respeito mútuo, enriquecidas pela cortesia e boa educação.  

Organização. Uma escola só funciona bem com ordem e organização. Que cada membro que a constitui saiba exactamente o que tem a fazer, onde e como. A interacção entre os diferentes sectores deve ser clara e pragmática e todos devem estar devidamente informados dos processos e dos mecanismos que têm ao seu dispor na actividade escolar.

Competência. Como dizia há pouco tempo o Ministro da Educação, Nuno Crato, «ninguém ensina bem o que não sabe bem». Por isso, os professores tenham o cuidado de preparar bem as matérias, adoptando um discurso simples e claro, e tenham o cuidado de preparar bem as aulas. O improviso é sempre mau conselheiro. Fazer um esforço por adoptar um conjunto de métodos e estratégias diversificado, que vá de encontro aos ritmos e às necessidades dos alunos. Estes procurem valorizar o estudo diário e não só encima dos exames, e procurem ser criativos e críticos na assimilação dos conhecimentos.

Exigência. Não há bom ensino sem exigência. É decisivo lutar contra a preguiça, o facilitismo e o chico-espertismo. Impor o rigor nos comportamentos, nos objectivos e nos exames. Ajudar a interiorizar os valores do esforço, do sacrifício e da disciplina. Esta é fundamental para quem quer servir os outros. Sem disciplina não há responsabilidade. Em primeiro lugar, cada um procure ser exigente consigo próprio, tentando dar o seu melhor, combatendo a «ética minimalista», que só se fica pelos mínimos.  

Solidariedade. Se é certo que se deve impor a exigência e o rigor na escola, também é certo que não se deve cair na intransigência e no autoritarismo. As pessoas falham e erram e são condicionadas por muitos factores. Ao rigor e à exigência é necessário unir a compreensão e a entreajuda. O professor, em primeiro lugar, é o mestre, mas também é o amigo, que, ultrapassando os formalismos, leva a peito as dificuldades e as necessidades dos seus alunos e caminha com eles. Alguma competição é saudável, mas a escola não deve ser um espaço de competição pura e dura, tanto entre professores, como entre alunos. A vida não é abrir caminho, empurrando os outros para a valeta, mas é abrir um caminho onde todos caminhem.

Amor ao saber. A escola é o espaço onde, primeiro que tudo, se ensina e se aprende. Que fique bem claro nas acções e nas actividades que a sabedoria e o saber estão no centro. Promover o gosto por saber sempre cada vez mais, não só no sentido pragmático e utilitarista, para ser isto ou aquilo, mas para que se possa crescer como pessoa e melhor servir os outros. Lutar contra a ideia de se usar o saber para mais tarde se ganhar dinheiro, mas ganhar amor ao saber pelo saber e para se ser mais.

Amor à verdade. A escola deve ensinar o caudal de conhecimento que lhe depositam nas mãos, mas deve também provocar a reflexão e a crítica desse mesmo conhecimento, em total abertura a todas as correntes de pensamento, não deixando de ter sempre presente, no seu horizonte, as perguntas fundamentais da vida. Mais do que ensinar meias verdades, importa ser peregrino da grande verdade acerca da vida e da pessoa humana. A escola deve ser airosa e desempoeirada, aberta, dialogante, crítica das frases feitas e da mentalidade dominante, do pensamento instalado e das ideias cómodas.

Para finalizar acrescentaria a Alegria. Todos sabemos que o entusiasmo inicial esmorece rápido e que o cansaço e algum desencanto começam a marcar pontos. Mas o que se vai buscar à escola é sempre enriquecedor. Por isso, há que fazer um esforço por ser alegre e ser comunicador de optimismo e de energia positiva. E também sei que escrever isto é mais fácil do que colocá-lo em prática. Faltam por isso mais dois valores, ou se quiserem, duas virtudes: a paciência e a perseverança. Um bom ano escolar para todos.


tags:

publicado por minhasnotas às 11:38 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds