Quinta-feira, 8 de Setembro de 2011

 

Entre os dias 16 e 21 de Agosto, decorreu a Jornada Mundial da Juventude em Madrid, na sua 26ª edição, com o objectivo de «partilhar com todo o mundo a esperança de muitos jovens que querem comprometer-se com Jesus Cristo e com os outros». A próxima será na bela cidade de Rio de Janeiro, em 2013. Cerca de milhão e meio de jovens afluiu à capital espanhola, o que confirma, mais uma vez, sem tónico de pretensiosismo, que a Igreja Católica ainda tem uma grande capacidade de mobilização e merece crédito de uma boa parte da sociedade. Recorde-se que a Jornada foi criada pelo falecido João Paulo II, após o sucesso inesperado e surpreendente do Jubileu Internacional da Juventude, em Roma, no ano de 1984.

Pessoalmente, não sou adepto deste tipo de eventos. Em multidão não se reflecte e interioriza e o crescimento na fé é muito vago. As motivações que levam à participação, sem generalizar, muitas vezes, são fúteis: ir passear um pouco, viver uma semana diferente, experimentar algo de novo, juntar mais um evento à lista dos muitos a que já se foi, divertir-se um pouco. Como D. José Policarpo alertou, corre-se muito o risco de se participar porque é engraçado, sem trazer algo de substancial à vida. A força da Igreja não passa por este tipo de eventos, mas sim pelo regresso às origens: pequenos grupos evangelizados e profundamente empenhados na Igreja, que sejam foco de evangelização e de testemunho, ponte entre a Igreja e a sociedade. É em pequenos grupos que se pode fazer uma verdadeira formação e integração e amadurecer o compromisso. O mar vive muito dos rios. Seja como for, alguma coisa ficará, desde a partilha, o diálogo e encontro de culturas, troca de experiências, estreitamento de laços e de amizades, consciencialização das necessidades e desafios que se colocam à Igreja.

As celebrações com Bento XVI foram os momentos altos da Jornada, não perdendo o Papa a oportunidade para relembrar a doutrina da Igreja à juventude ali presente, com a clarividência habitual, doutrina que vale a pena recuperar. Começou por lembrar no avião que a economia deve estar ao serviço do homem e não ao contrário. É tempo de se moderar a avidez do lucro a qualquer preço. A economia tem que ter ética, sob pena de contribuir para a desumanização da humanidade. Alertou para os efeitos nefastos do individualismo, do hedonismo, do relativismo e do consumismo, da mediocridade e da superficialidade reinantes, que têm contribuído para o desrespeito e empobrecimento da dignidade humana. Criticou a visão utilitarista e pragmática do ensino, só com o fim de preparar técnicos para o mercado de trabalho. O ensino deve estar ao serviço do gosto pelo saber e da procura da verdade da pessoa humana. Chamou a atenção para o problema de uma ciência sem limites, que julga que pode fazer tudo o que lhe apetece, colocando o ser humano ao serviço das suas experiências diabólicas. Na terra ninguém é «deus», com direito a julgar quem deve ou não deve viver (clara alusão aos atropelos à vida). Reafirmou o valor do celibato aos candidatos ao sacerdócio. Especial destaque merece-me a homilia da Missa do último dia, o ponto alto da Jornada. Uma das ideias fortes é que ninguém pode seguir Cristo, prescindido da Igreja. «Seguir Jesus na fé é caminhar com Ele na comunhão da Igreja. Não se pode, sozinho, seguir Jesus. Quem cede à tentação de seguir «por conta sua» ou de viver a fé segundo a mentalidade individualista, que predomina na sociedade, corre o risco de nunca encontrar Jesus Cristo, ou de acabar seguindo uma imagem falsa d’Ele». A afirmação não podia ser mais clara.

 

Aqui há uns anos, gritou-se bem alto, em alguns ambientes sociais, «Cristo sim, Igreja não». Possivelmente, queria-se manifestar algum descontentamento com a Igreja, que até pode ser legítimo. Para muitos cristãos ou candidatos a sê-lo, a Igreja, enquanto instituição revestida de autoridade, prenhe de ritos, regras e leis, desvirtua o dinamismo do Evangelho e apaga a figura de Cristo, com a sua idealidade e o seu sonho, com a sua fantasia e o seu romantismo, tornando-se demasiado solene e teológico. A Igreja corta a liberdade e a criatividade e cria fixidez, dogmatismo, monolitismo, ritualismo, rotina, uniformidade, escravidão, obediência, deveres, compromisso. Mas não haja mal-entendidos: não se pode separar Jesus Cristo da Igreja e a Igreja de Cristo. As duas realidades não são antagónicas, não se excluem, não se podem separar ou dividir. Foi vontade de Jesus Cristo criar a Igreja, sob o pastoreio de Pedro, para continuar a sua missão e perpetuar a sua presença no mundo, até ao fim dos tempos. Lá no fundo, aquele grito foi a forma de se dizer que se queria viver a fé cristã de forma romanceada, sem incarnação e sem cruz, olhando muito a figura de Cristo como admirador, pelos valores que defendeu e pela conduta moral e espiritual excepcional que imprimiu à sua vida, ficando cada um com a liberdade de o usar e moldar conforme as suas conveniências, sem se dispor a abraçar as suas exigências, ficando-se com a liberdade de o admirar, mas não de o seguir, pondo de parte o seu convite à conversão, o seu chamamento ao Reino de Deus e o seu apelo à comunhão e à unidade. Jesus Cristo ficaria assim bem no clube de Che Guevara, Gandhi, Luther King, entre outros, que inspiram, mas não comprometem.

 

Mais uma vez o Papa Bento XVI é claro: não se pode querer amar e seguir Cristo e odiar ou desprezar a Igreja. «A Igreja não é uma simples instituição humana, como outra qualquer, mas está intimamente unida a Deus. O próprio Cristo Se refere a ela como a «sua» Igreja. Não se pode separar Cristo da Igreja, tal como não se pode separar a cabeça do corpo. A Igreja não vive de si mesma, mas do Senhor. Ele está presente no meio dela e dá-lhe vida, alimento e fortaleza».  

 

Cristo está na Igreja, que, antes de mais, é sua. É o seu corpo. Não se encontra Cristo fora da Igreja. Fora da Igreja existem imagens simpáticas de Cristo, mas não se encontra o verdadeiro Cristo. Quem quer ser cristão, tem que se inserir na Igreja e aprender a crer e a caminhar com os outros que acreditam em Cristo, a quem Ele se revela e dá. «Ter fé é apoiar-se na fé dos teus irmãos, e fazer com que a tua fé sirva também de apoio para a fé de outros. Peço-vos, queridos amigos, que ameis a Igreja, que vos gerou na fé, que vos ajudou a conhecer melhor Cristo, que vos fez descobrir a beleza do Seu amor». Desiluda-se quem pensa que pode ser cristão sem a comunhão com a Igreja ou quem pensa que pode fazer uma caminhada de fé individualista.  



publicado por minhasnotas às 09:26 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds