Segunda-feira, 22 de Agosto de 2011

De vez em quando, gosto de ouvir aqueles discursos inflamados sobre a elevação cultural e moral de certos povos. Por vezes, após a sua conclusão, experimento algo contraditório: nem sei se hei-de dar uma gargalhada estridente ou se deva manifestar comiseração. Desde sempre, nós portugueses, mergulhados na nossa baixa auto-estima, nos habituámos a engolir o discurso da superioridade dos grandes países europeus e das suas culturas. Organização, disciplina, educação, cultura, desenvolvimento, é com a França, com a Alemanha, com a Inglaterra, entre outros. Até os nossos emigrantes não perdem a oportunidade para desabafar que lá fora é «autre chose», cá em Portugal é uma desgraça.

É claro que estes povos estão mais desenvolvidos do que nós e têm traços civilizacionais, que devem merecer o nosso interesse e admiração. Deram e dão um contributo impar para o progresso da humanidade e para a construção da caminhada histórica. Mas quanto à elevação moral, jogo sempre com o factor prudência. Não porque seja um cínico ou até um pessimista sobre a natureza humana, muito longe disso, mas porque, nós homens e mulheres, somos mais ou menos iguais e temos tendência para nos mostrarmos melhor do que o que somos, refugiando-nos em chavões que não reflectem a realidade. A Inglaterra, que se gaba de ter os melhores colégios do mundo, onde se formam personalidades cultas e de refinada qualidade moral. A Inglaterra que se gaba de ser o país da cortesia, da disciplina, do respeito solene, a senhora das boas condutas, mestra em protocolos perfeccionistas, promotora de celebrações de extrema finura, de fazer inveja aos outros países, também é o país da bisbilhotice, do voyeurismo, do binóculo em riste para esmiuçar a vida dos outros, em busca de um qualquer escândalo de quem quer que seja. Rebentou o caso indecoroso do jornal «News of the World», já extinto, do magnata da comunicação social, Rupert Murdoch, após se descobrir que o jornal recorria a escutas telefónicas para lançar notícias bombásticas sobre figuras públicas ou casos sociais. Mas porque é que fazia isso? Porque sabia que tinha uma multidão ávida de escândalos, que gosta de ver os outros enxovalhados na praça pública, que gosta de mexericar a vida dos outros, com uma curiosidade mórbida e perversa, que não gosta de ver vidas arrumadinhas e de sucesso, mas que, roída de inveja, gosta de ver um pouco de lama e de sangue na cara dos outros. E é tão forte a influência deste tipo de jornalismo miserável na Inglaterra, que os senhores do poder não se coíbem de contratar jornalistas destas fileiras para seus assessores. Que grandes exemplos de elevação moral!

Em Portugal, este tipo de jornalismo medíocre e rasca e este tipo de curiosidade insana e pestilenta também andam a fazer escola. Até os jornais mais insuspeitos, que primam pelo respeito das regras morais mais elementares, começam a entrar na onda. Desde o caso de Renato Seabra com Carlos Castro, passando pela morte de Angélico, até ao acidente de Sónia Brazão, explorando-se sem dó nem piedade a desgraça e a morte dos outros, escancarando-se abusivamente a vida das pessoas, deu-se um desfile de notícias aviltantes e estúpidas, que só interessam a não sei quem. Um jornalismo sério e profissional, mesmo sabendo que o que causa emoção vende, sabe ou deveria saber que se deve ter respeito pela vida das pessoas, sobretudo em momentos de grande dor e sofrimento. Aliás, a nossa sociedade é contraditória: grita bem alto que cada um tem direito à sua privacidade e à sua intimidade, mas ao mesmo tempo alimenta a curiosidade de saber tudo sobre todos, de devassar a vida dos outros, de não perder pitadinha dos contornos rocambolescos da vida alheia. Proclama que se tem direito à autonomia e à independência pessoal, mas não acredita muito nisso e viola isso a toda a hora, com a bisbilhotice da vida dos outros para ser igual aos outros.

Não consigo entender a importância que se dá à imprensa denominada cor-de-rosa, que anda à volta das também chamadas figuras públicas. Entender até consigo: vivemos numa sociedade exibicionista. As pessoas gostam de mostrar o seu status social, o seu glamour, a sua conformidade com a moda, a sua superioridade intelectual, o seu sucesso empresarial, a sua riqueza, por maior que seja a fachada e a representação, tudo em nome do reconhecimento social, considerado factor de realização e felicidade. Não ser falado e não dar nas vistas é uma seca! Que as pessoas gostem de se armar em pavões, paciência. Agora, que isso interesse aos outros, não consigo entender. Que me importa a mim que é um playboy irresponsável, armado em garanhão, ou uma ninfomaníaca desvairada, que tem tantos carros não sei de que marca, que tem mobílias chiquíssimas, que organiza não sei quantas festas, que é amigo não sei de quem, que esteve não sei onde, que vai de férias para não sei onde, que fez plásticas e por aí fora? A quem é que interessam estas banalidades e futilidades? Com tanta coisa boa para ler, perco-me neste amontoado de imprensa medíocre?



publicado por minhasnotas às 15:57 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds