Sexta-feira, 3 de Junho de 2011

1.Deixo-vos aqui, antes de mais, um pequeno conto de Sérgio Bocchini, com uma pitadinha de provocação, que diz assim: «Quando o leão morreu, os animais da floresta reuniram-se para eleger um novo chefe. Nos últimos tempos, havia muita anarquia na selva: o velho rei, adoentado e sem forças, já não conseguia fazer respeitar a lei e quase todos os animais se tinham aproveitado para fazer o que lhes apetecia.

Foi então que o rinoceronte, erguendo altivo a sua grande cabeça, disse:

- Chegou a hora de restabelecer a ordem na selva. Não se pode consentir que cada qual faça o que quer. Decidiram então marcar eleições para eleger o novo rei da selva. O convite foi enviado a todos os animais com direito de voto. O urso leu-o e, bocejando, disse:

- Pensarei nisso no fim do letargo. Voltou-se para o outro lado e continuou a ressonar.

O javali pensou que não valia a pena gastar tempo com essas coisas. Enquanto procurava no chão algo para comer, resmungou:

- São todos uns ladrões e aproveitam-se do poder para enriquecer.

O pai e a mãe lobo andavam muito atarefados a cuidar da sua ninhada e não ligaram a isso de eleições. O castor, muito ocupado na construção da sua casa, não estava para perder tempo para ir votar. O elefante que, como se sabe, tem uma memória formidável, lembrou-se das fraudes cometidas nas últimas eleições e decidiu não se deixar de novo enganar. A altiva e aristocrática girafa, que aproveitava toda a ocasião para expressar o seu desprezo pela democracia, olhou de alto para baixo e disse:

- Não quero misturar-me com o povo sujo e ignorante!

Por causa de tudo isto, no dia das eleições, apresentaram-se junto da urna apenas duas macacas, um rinoceronte, um velho camelo e uma raposa tagarela, que convenceu os poucos eleitores a votar na sua amiga hiena, prometendo vantagens e benefícios pessoais. Deste modo, a hiena foi democraticamente eleita, por maioria absoluta, rainha da selva. Já era demasiado tarde quando os outros animais se deram conta de que tinham escolhido como chefe um animal repugnante e sem escrúpulos, orgulhoso e estúpido, pior que o velho rei leão».   

 

 O que a bicharada não sabe de democracia! Ao lermos o pequeno conto, não podemos deixar de nos identificar com algum dos intervenientes. E, no seu todo, é um belo retrato do que se tem vindo a passar com a nossa maior conquista dos últimos tempos: a democracia. De eleição para eleição, tem vindo a crescer o alheamento e a indiferença dos cidadãos. Como acabámos de ver, as consequências podem ser devastadoras: a mediocridade e a incompetência podem tomar conta dos centros de decisão. Compreendo que as pessoas andem desiludidas com a discussão política e frustradas com o fartote de promessas que políticos excitados e delirantes propõem e não cumprem. Veja-se, mais uma vez, a triste e lamentável campanha política a que estamos a assistir: gritaria, insultos, intolerância, malcriadez, ilusionismo, Chico-espertismo, acusações hipócritas, demagogia, mentira, agressividade e sectarismo. Os apelos do Senhor Presidente da República ficam para os anjinhos do céu. Que tristeza, meu Deus! Em vez de se fazer primar na campanha uma séria e esclarecedora discussão de ideias e de projectos, apontando-se caminhos, soluções e saídas para o difícil estado do país, com a devida medida de racionalidade e elevação, prefere-se o desgastante pugilismo pacóvio entre as trincheiras partidárias, a que nos têm habituado nos últimos anos. Mas, ainda assim, não é razão para não se ir votar. Muito pelo contrário. Se a realidade politica não é do nosso agrado, podemos mudá-la com o voto e não ficando em casa, deixando que tudo fique na mesma e não se operem mudanças. Ou confirmar, se se acha que tudo assim está bem. E quem é cristão, porque é cristão, tem um dever acrescido de o fazer. Um cristão não pode viver alheado dos desafios e dos problemas da sociedade em que está inserido. Quem pensa chegar ao céu, sem primeiro construir a terra, não chega ao céu. A fé não é só uma senha para se obter favores ou para se alienar do mundo, como Marx defendia, ou cumprir tradições e entregar-se a devoções. A fé é missão e compromisso, é uma visão da vida e do mundo, é construção do Reino de Deus, já aqui e agora na terra. Um cristão maduro e esclarecido deve viver comprometido com o mundo onde se encontra, tudo fazendo, participando activamente nas estruturas e movimentos, para que o espírito do Evangelho tome conta do rumo da sociedade, não deixando que forças malignas e desumanizadoras ou ideias nocivas para a família humana tomem conta da ordem do mundo.

 

Muitos alegam que o seu simples voto não muda nada. Não é bem assim. Uma pulga, na linha do comboio, não faz parar o comboio. Mas várias pulgas a morder o maquinista, e quantas mais forem melhor, fazem parar o comboio. O voto de todos opera mudanças. Dia 5 de Junho vão-se realizar as eleições legislativas. São das eleições mais determinantes para o nosso futuro. Por amor ao seu país, seja um cidadão responsável. Não deixe de exercer o seu direito e o seu dever de votar.

 

2. Tenho todo o respeito por uma das tradições emblemáticas do Barroso: a chega de bois. É talvez o ‘desporto’ mais apreciado em Barroso. Mas devia-se perceber que, em certos dias, não tem cabimento. Que dizer dos cristãos que no dia de Páscoa organizam chegas? Estamos a perder o sentido estético da vida: saber o que nos fica bem e o que nos fica mal. A Páscoa é a grande festa do Cristianismo. Convida a celebrar a ressurreição de Jesus Cristo com a família e os amigos. É dia de exultação e celebração. Não deve ser ocupado com distracções que nos desviem do essencial. É o dia do Senhor, e só dele e de mais ninguém. Que cristãos somos, afinal? Ou o nosso Cristianismo não passa de verniz? 



publicado por minhasnotas às 16:48 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds