Quinta-feira, 26 de Maio de 2011

Se bem se lembram, aqui há uns tempos dissertei um pouco sobre os valores e contra-valores, mais numa perspectiva pessoal e personalizante. Retomo o tema, numa abordagem mais social. Vamos constatando todos os dias, com cintilante inquietude, uma clara crise de valores. Vivemos uma crise de crises. A económica e financeira ocupa a maior parte do tempo e das discussões, mas ela é reflexo de uma crise mais profunda: uma crise dos verdadeiros valores humanos e sociais. O dinheiro só por si não cria crises. Quem o usa, gere e distribui é que criou a crise. As crises nascem das más condutas e das más opções das pessoas. Mas o que são afinal valores? Numa primeira abordagem simplista, como a própria palavra o indica, é aquilo que vale, é aquilo que é mais importante e ao qual damos preferência. E aqui aportados, coloca-se a questão fundamental: ao que é que devemos dar preferência? Devemos dar preferência àquilo que valoriza a vida de todos, àquilo que é bom para todas as pessoas, àquilo que nos torna mais humanos. Aqui é que está o busílis da crise de valores. Nos últimos tempos, as pessoas subjectivaram e relativizaram a sua vida e deixaram de ter em conta o que mais engrandece e humaniza a vida de todos. Na linha do filósofo francês Paul Ricouer, as pessoas deixaram de fazer tudo o que visa o bem e que constrói uma vida de boa qualidade para todos.

Alguns preferem dizer que há talvez uma crise de hierarquização dos valores. Também tem o seu sentido. Trocou-se o essencial pelo acessório, com forte pendor individualista. Mas quem quer tudo, não tem nada. Cada valor tem o seu valor e não valem todos o mesmo. Há valores que são estruturantes e fundamentais, de que nenhum indivíduo pode prescindir. É urgente que a educação e a formação contemporâneas fomentem uma autêntica hierarquização dos valores, definindo o que realmente é importante e insofismável, e que todos devem integrar na sua maneira de ser e na sua conduta, e o que é secundário. Se não buscamos todos o que é bom e humano, dificilmente o nosso mundo pode ser bom e humano.

Vendo mais de perto a nossa realidade actual e analisando um pouco a crise económica e financeira que estamos a viver, é por demais evidente que ela é fruto do deformado figurino de valores humanos e sociais que deixámos imperar nas últimas décadas. Fortemente veiculada pelos meios de comunicação social, instalou-se uma cultura de valorização da diferença, do pluralismo das ideias e soluções, do choque de pontos de vista e de perspectivas, de culto da conflitualidade e da rivalidade, cultura essa que se estendeu à política, à economia, à sociedade. Esta cultura, na qual ainda vivemos, não é má. Como vivemos em democracia, ela conquistaria, mais tarde ou mais cedo, a sua preponderância. É salutar que haja debate e confronto de ideias e de projectos. Mas não podemos ficar só aí. A vida não é um ringue de boxe. As nossas diferenças não são só para rivalizarmos, mas acima de tudo para nos completarmos. O confronto e a rivalidade são bons se não tolhem a colaboração e a cooperação entre todos, colocando-se o bem que todos têm ao serviço da resolução dos problemas e das dificuldades. Nos últimos anos, apostou-se demasiado em vincar diferenças, aumentar distâncias, diminuir adversários, abater concorrentes, secar talentos, arrasar soluções e planos alheios, criar conflitos estéreis, fomentar rivalidades bacocas, em que a nossa velha inveja portuguesa é perita. A crise, que actualmente vivemos, é também, e acima de tudo, uma crise de entreajuda e de cooperação entre todos, é uma crise de diálogo e de interacção humana. E até diria mais: é uma crise de humanidade, porque perdemos o gosto de apreciar o bom que o outro tem. É tempo de cada um puxar pelo melhor que tem e pô-lo ao serviço do bem comum e quem está à frente da organização da sociedade saber integrar e harmonizar o bem que todos podem dar. Recordam-se da parábola dos talentos? Um senhor (Deus) deu a um cinco talentos, a outro dois e a outro um (as nossas qualidades e diferenças). Os que receberam cinco e dois, fizeram render outro tanto. O que recebeu um, com medo do senhor, enterrou-o e entregou-lho mais tarde. Claro, provocou a ira do seu senhor. Devia ter feito render outro tanto. É uma parábola para os nossos tempos, em todos os sentidos. Erigimos uma cultura negativa de afirmação e anulação, que nos colocou a todos a guerrear uns com os outros, fazendo reinar a ideia de que quando uns mostram os seus talentos, outros são obrigados a enterrá-los, ou até a ideia de que para uns estarem bem, outros têm de estar mal ou diminuídos (repare-se no debate político, na propaganda empresarial, no discurso desportivo e nas relações entre certas instituições). Mas não devemos ir por aí. Todas as pessoas têm talentos. Temos de edificar uma cultura de cooperação, em que cada um puxa pelo melhor que tem e coloca-o ao serviço da sociedade e ajuda os outros a darem o melhor que têm. Ultrapassar a crise económico-financeira que estamos a viver passa muito por aqui. Há que dar lugar a uma cultura mais positiva, que estabeleça pontes com as virtudes e aptidões que todas as pessoas e forças podem dar à sociedade.  



publicado por minhasnotas às 10:19 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds