Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

 

Já lá vão as eleições presidenciais, mas há alguns dados que merecem alguma reflexão. Como muitos portugueses o disseram, não foi uma grande campanha. Intelectualmente, foi muito pobre. Digam-me uma ideia ou sugestão que lhes ficou na memória? Nada ou quase nada. Mais uma poeirada que o vento levou. O debate político em Portugal anda pelas ruas da amargura. Como não se têm ideias e projectos, usa-se e abusa-se do ataque pessoal para desacreditar o outro e o enxovalhar diante dos outros. Em certos momentos meteu dó. De uma campanha política espera-se um sério debate de ideias e de soluções para os problemas das pessoas e não tristes sessões de apedrejamento público. Até porque na política não há virgens puras.

Num momento tão delicado como o que o país vive, em que há falta de esperança e de fé no futuro, boa parte dos políticos portugueses entregou-se a ajustes de contas e às velhas intrigas partidárias e jogos de poder a que nos tem habituado nos últimos anos. Falta responsabilidade, seriedade, elevação e verticalidade a muitos políticos em Portugal, que, por vezes, mais não parecem uns caceteiros formatados para guerrilhas fúteis. Lembro-me de uma frase do escritor espanhol José Luis Sampedro que aqui há uns tempos afirmou, mais ou menos com estas palavras, que «socialmente, existe muito ruído e estrépito, fazem falta homens com ideias, homens que iluminem». Ou outra da historiadora Irene Pimentel que disse «as palavras vazias e a falta de qualquer ideia foram tão grandes que pergunto apenas se os candidatos se olham ao espelho». De alguma forma, todos nós portugueses temos culpa. Nos últimos anos, deixámos que os partidos políticos, alicerçantes e fundamentais para a vitalidade da democracia, onde devem imperar a reflexão e o debate dos problemas do país, fossem tomados por gente de pouco nível e pelo mundo dos interesses. Os resultados estão à vista. Esperemos pelas próximas campanhas.

O dado de maior surpresa nesta campanha, se é que foi surpresa, foi a abstenção, que atingiu níveis nunca antes vistos e imaginados na nossa democracia. O nosso Concelho não fugiu à regra. Todas as razões e mais algumas foram apontadas para uma percentagem tão elevada. Mas, sinceramente, nenhuma me convence. É triste e lamentável a abstenção que se verificou. Posso compreender que as pessoas andem descontentes com os políticos e a vida política a que assistem, pouco focada nos seus problemas reais, como atrás referi e como novos estudos o atestam (Projecto Farol, noventa por cento dos portugueses não confiam nos políticos), mas a melhor forma de a renovar não é ficar em casa, mas ir votar. Se a nossa democracia está como está, não é a tratar mal tudo e todos nas esquinas, dizendo injustamente que «os políticos não passam de um bando de corruptos, que se servem do poder para se governarem», que a vamos melhorar, mas exercendo o direito e o dever de votar, expulsando do poder aqueles que não sabem servir o povo. Criticar os outros e depois colocar-se de fora, não ir votando, como que lançando a pedra e depois escondendo a mão, é inadmissível. Não sou nada adepto do discurso antipolíticos e antisistema que por aí anda, que, por exemplo, Fernando Nobre e José Manuel Coelho exploraram quanto puderam nesta campanha (é de ficar de boca aberta como é que este candidato teve quase duzentos mil votos, chafurdando no populismo mais barato que por aí anda, com muita chocarrice e chalaça à mistura). A política é a arte do possível. Nenhum político tem uma varinha mágica para resolver todos os problemas. E se é certo que merecem alguns reparos, também é certo que muitos já fizeram muito por Portugal. Muitos levam uma vida abnegada e austera para servirem a causa pública. Os políticos, a quem estamos de língua afiada para lançar impropérios de toda a espécie, são os homens e mulheres que possibilitaram a entrada de Portugal na União Europeia e descongelaram um bom número de fundos comunitários, que melhoraram a vida de muitos portugueses. Foram os «malandros» dos políticos que melhoraram a saúde, a educação e o bem-estar de muitas pessoas, que não passavam de uma miragem para muita gente antes do 25 de Abril, e se, hoje em dia, muita gente tem um emprego, uma reforma e um nível de vida razoável, é porque bons políticos têm exercido bem a sua missão. Claro que numa caminhada destas aparecem erros e políticos menos competentes, e até muitos oportunistas. Mas até fazer deles todos um bando de espertalhões, medindo-os todos pela mesma medida, é uma ingratidão que o povo não deve cometer e não votar com base neste argumento saloio é uma injustiça. Já é tempo é de nós, cidadãos, deixarmos de culpar os políticos por tudo e por nada e percebermos que também nós temos muita culpa no estado das coisas, habituados a viver à sombra do Estado e da iniciativa dos outros, sem coragem para o risco e o emprendorismo.

A causa para a abstenção, na minha opinião, é mais profunda. Vivemos numa sociedade sem mística colectiva e sem consciência colectiva. As pessoas só vivem em função do seu interesse e bem-estar individual e desde que estes estejam assegurados, borrifam-se para o resto. As pessoas deviam ter consciência de que ir votar não é apenas ir exercer a simpatia por alguém ou defender os interesses de um partido, mas é traçar o destino de toda uma nação, partilhando as suas injustiças e desigualdades e as suas esperanças e anseios. É promover a mudança e o bem-estar de todos. É lutar pelos valores nos quais se acredita. É ter amor ao seu país e à sua cultura. É ter amor aos seus concidadãos. Se se tivesse consciência disto, perceberíamos que não votar é quase não ser digno do país onde se vive e da democracia que se conquistou.

A indiferença das pessoas é a maior ameaça à democracia. Estamos a entrar num estado de menoridade democrática. Sem cidadãos activos e participativos, sem cidadãos sérios e responsáveis, que não se contentam com o seu analfabetismo e se capacitam para o confronto e debate de ideias, não há democracia. Reparemos bem nisto: se um qualquer ditador estivesse no poder e não nos deixasse votar, não faltariam revoltosos e conspiradores a organizarem revoltas em nome do direito do povo a votar e a escolher os seus governantes e o seu destino. Vivemos em liberdade e podemos fazê-lo, não queremos saber. O Povo não é quem mais ordena, porque nem sempre tem razão.



publicado por minhasnotas às 12:31 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds