Domingo, 30 de Janeiro de 2011

Um dos valores que mais desejamos uns para os outros, no início de cada ano, é a paz. E não é por acaso. Tudo o resto também é importante, mas sem paz na consciência, na vida e no coração, a vida não tem sabor, tornando-se uma experiência insuportável. Na Bíblia, são muitos os pedidos de paz que o povo faz a Deus. Paz que não é mera ausência de guerra e de conflitos, porque pode não haver guerra e mesmo assim não haver paz, mas o somatório de todos os bens que ajudam o homem a realizar-se como homem e a ser feliz, englobando assim, a prosperidade, a segurança, a liberdade, o respeito entre povos e pessoas, a justiça e a igualdade, a verdade, a vida e a salvação de Deus. E Deus foi prometendo ao povo que, um dia, teria a sua «terra de paz» e que, um dia, nasceria o ‘Príncipe da Paz’, que ajudaria a construir a paz, afastando de vez todos os inimigos da verdadeira paz. Esse Príncipe nasceu, mas parece que gerou mais divisão do que paz. E toda a gente quer paz, mas não quer seguir os seus caminhos.

Em muitas regiões do mundo, persistem inúmeros conflitos entre nações e grupos. Nada disso nos é estranho. A nossa história humana está cheia de rores de disputas e guerras sanguinárias entre povos e não será descabido afirmar que dificilmente atingiremos uma sociedade global sem um único conflito. Infelizmente, a todo o momento, cometem-se injustiças e desrespeitos pelos direitos humanos. O egoísmo individual ou colectivo e a maldade humana não deixam de semear rastilhos para novos embates. Quer isto dizer que a paz e harmonia entre todos são uma utopia? Como cristão, tenho de acreditar que Deus tudo pode. A Deus nada é impossível. Mas o caminho é árduo e é preciso lutar todos os dias com as boas armas que temos ao nosso alcance, com coragem e persistência. A paz é, primeiro que tudo, um dom de Deus, mas todo o dom pede uma resposta do homem, sendo, por isso, também uma tarefa dos homens.

Na construção da paz, as religiões têm um papel decisivo. Todas têm mensagens de paz, mas têm credos diferentes. Quando as religiões não se respeitam mutuamente e enveredam pelo caminho da intolerância e do fanatismo, dificilmente se constrói a paz. Todas as grandes religiões sabem isso e todas também sabem que cometeram e cometem graves pecados neste campo. Todas sofrem do tique de diminuir as outras e acharem que são a verdade e que têm a verdade e, por isso, as outras devem converter-se (para os islamitas, os europeus e os americanos são os ‘infiéis’, que devem obedecer a Alá; os islamitas, para nós europeus e americanos cristãos, são os ignorantes que ainda vivem nas trevas e no obscurantismo). Mais uma vez, com a ajuda da história, sabemos onde é que isto acaba. Já era tempo de as religiões, de uma vez por todas, encetarem plataformas de entendimento e de mútuo respeito e não agressão e estabelecerem entre elas uma verdadeira cultura de diálogo. Embora não esqueçamos que, muitas vezes, a religião é instrumentalizada por quem está no poder ou por interesses políticos e económicos. Mormente na Ásia, África e Palestina, perduram conflitos religiosos sem fim à vista e que não deixam de causar escândalo, que prevejo irreparável, por serem conflitos em nome de Deus e entre religiões que propõem a paz. O caso mais preocupante, neste momento, é no Iraque, onde se está a verificar uma diabólica perseguição aos cristãos, com intuitos de linchamento total.

O Papa Bento XVI, nos últimos meses, lançou vários apelos, para que se instale um ambiente de tolerância e respeito entre os crentes das diversas religiões (note-se a atenção que os meios de comunicação social deram ao tema. Se o Papa falar do preservativo ou da pedofilia, não faltam microfones à sua frente. Morrem cristãos estupidamente no Iraque, e quem diz os cristãos, diz o fiéis de outra religião numa outra qualquer parte do mundo, quase ninguém lhe dá atenção). A culminar os seus apelos, dedicou a mensagem do Dia Mundial da Paz deste ano à liberdade religiosa, com o tema Liberdade Religiosa, Caminho para a Paz. É necessário que se faça uma séria promoção da liberdade religiosa. Todo o homem tem direito a viver de acordo com a sua fé e a testemunhar publicamente a sua religião. É inadmissível que se exerça perseguição, discriminação e violência sobre as pessoas por causa da sua religião. E quando se fala de perseguição, fala-se de toda a espécie de perseguição, desde a mais descarada à mais subtil. Na nossa Europa, não se anda com a espada a perseguir os cristãos, mas no mundo laboral e nas instituições vai-se instalando alguma hostilização ao catolicismo, começando-se logo por uma releitura da história, ou até negação da mesma, esquecendo-se as raízes judaico-cristãs. Depois, não são poucos os católicos que se queixam de danos na sua vida pelo facto de serem católicos, por puro preconceito. Várias instituições católicas manifestam amiúde que o Estado, que deve ser laico, mas não laicista, não lhes dá o devido apoio. Guerra aos símbolos religiosos, que não tem o mínimo cabimento. Como é que se consegue compreender que os símbolos religiosos da maioria de uma população de um país não possam ser expostos? A sociedade actual, que é tão sensível às discriminações – se um qualquer homossexual se queixar, merece todas as compreensões e atenções – em relação a outro tipo de discriminações, pouco ou nada se importa. Mas devia importar. Os católicos não devem ter mais direitos do que os outros, mas também não podem deixar de ter os direitos que merecem. Toda e qualquer forma de discriminação contra os crentes, seja de que religião forem, é inaceitável. Só uma liberdade religiosa efectiva, promotora do respeito concreto por cada credo e por cada moral professada pelas diversas religiões, leva à verdadeira paz.

Escutemos o forte apelo que o Papa Bento XVI nos faz este ano: “O mundo tem necessidade de Deus; tem necessidade de valores éticos e espirituais, universais e compartilhados, e a religião pode oferecer uma contribuição preciosa na sua busca, para a construção de uma ordem social justa e pacífica a nível nacional e internacional. A paz é um dom de Deus e, ao mesmo tempo, um projecto a realizar, nunca totalmente cumprido. Uma sociedade reconciliada com Deus está mais perto da paz, que não é simples ausência de guerra, nem mero fruto do predomínio militar ou económico, e menos ainda de astúcias enganadoras ou de hábeis manipulações. Pelo contrário, a paz é o resultado de um processo de purificação e elevação cultural, moral e espiritual de cada pessoa e povo, no qual a dignidade humana é plenamente respeitada. Convido todos aqueles que desejam tornar-se obreiros de paz e sobretudo os jovens a prestarem ouvidos à própria voz interior, para encontrar em Deus a referência estável para a conquista de uma liberdade autêntica, a força inesgotável para orientar o mundo com um espírito novo, capaz de não repetir os erros do passado”.

Um bom ano.



publicado por minhasnotas às 17:04 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

S. Teresa de calcutá

será o facebook o novo co...

entrevista do papa franci...

visita do papa à arménia

prevenção dos incêndios

Monsenhor Ângelo minhava

P. Arnaldo Moura

a festa dos jogos olímpic...

a jornada mundial da juve...

gestação de substituição

imagem peregrina para per...

o corpo é que paga

o algoísmo

Comunicação e misericórdi...

viver sem sentido

a alegria do amor

Respeitar o domingo

Diálogos imprevistos

Umberto eco

imagem peregrina para per...

o drama do suicídio

tempos de apatia

Um testemunho: Fernando S...

O que é o pecado original...

o que é a salvação?

o que é ser um católico p...

a debandada da juventude

as nossas liturgias

simpósio do clero

Os caminhos de S. Tiago

S. Teresa de Ávila

tempo para pensar

repensar as festas cristã...

a importância das velhas ...

O polémico teste da amame...

a cultura da humilhação

Elogio da loucura

o uso do latim

missas à la carte

Sociedade e violência

a compaixão mundana

Lições de Paris

perplexidades à volta da ...

a existência de deus

A cremação

As vocações

O prémio nobel da paz

Santuários de Humanidade

Será a missa uma seca?

o espírito do mundo

arquivos

Fevereiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

25 de abril

aborto

abstenção

acesso das mulheres ao sacerdócio

advento

alienação

ano da fé

ano sacerdotal

ateísmo

ateísmo prático

átrio dos gentios

bach

beça

bento xvi

boticas

caça

casamento

casamento homossexual

celibato

compromisso cristão

comunicação

comunicação com os mortos

comunicação social

consumismo

conversão

cooperação

crença

crescimento

crise

cristianismo tecnológico

cristiano ronaldo

cristo rei

culpa

cultura

d. manuel martins

d. ximenes belo

decência

deolinda

deolinda; hino nacional

deus

discipulado

drogas

educação

eleições

encíclica caridade na verdade

ensino

escola

estado social

ética

europa

europeias

família

fátima

fé/razão

feriados

festas cristãs

fragilidade

função sacerdotal

funeral

furtar

haiti

heróis

história

homem

homem light

igreja

igreja católica

igreja e pedofilia

imagem de deus

indiferença religiosa

inferno

inquisição

interior

internet

jornada mundial da juventude

jornadas

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juventude

laicidade

liberdade religiosa

marinho e pinto

maroon 5

mediatismo

miguel sousa tavares

missa dominical

morte

natal

novas gerações

novas tecnologias

padre

política

quaresma

relativismo

sacerdote

ser padre

sociedade

televisão

terceira idade

violência doméstica

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds